Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Morre um homem de Deus

Morre um homem de Deus, exemplo para a minha vida e um grande evangelista entre o seu povo. 
 
Mebá foi o primeiro a se entregar a Cristo em 1994 na região Konkomba onde trabalhamos em Gana. Era, até então, um influente feiticeiro e adorador do espírito chamado “grumadi”, temido por muitos. Sua conversão surpreendeu a todos (inclusive a nós) e passou a pregar aberta e insistentemente o Evangelho em toda parte. Trouxe a Cristo toda a sua família e muitos amigos, nascendo a igreja na aldeia onde morávamos, Koni. A partir dali outras 47 igrejas foram plantadas ao longo dos anos, inclusive no país vizinho, Togo. 
 
O nome de Mebá sempre foi associado a alguém doce, sábio e com profundo amor por Jesus Cristo. Sua casa tornou-se um lugar de evangelização ao construir uma palhoça especificamente para receber visitantes e sistematicamente estudar a Bíblia com eles. Correu pela região o ditado: aqueles que dormem na casa de Mebá acordam convertidos! 
 
Mebá foi um amigo pessoal que muito me ensinou e inspirou. Ao chegarmos a Koni em 1993, nós o víamos como um potencial perseguidor da causa cristã, por ser conhecido feiticeiro da região. Após sua conversão, porém, tornou-se nosso grande amigo e protetor. Por ter idade de ser nosso pai ele incorporou este papel. Desta forma, Rossana e eu éramos tratados e chamados por ele de filhos, e nossos filhos de netos. Partilhava conosco os primeiros inhames colhidos da terra, como era feito com a família mais próxima, e esteve presente nos apoiando em todas as iniciativas de evangelização naquela região. 
 
Makandá, filho de Mebá,  ligou-nos hoje dizendo da morte de seu pai. Aproveitou para nos falar que a família está consolada e na paz de Deus “pois sabemos que ele está com Cristo em um lugar onde não há choro”. E que ele partiu com alegria ao ver que a Igreja entre os Konkombas falantes da língua Limonkpeln jamais cresceu tanto como nestes dias. Na cultura daquele povo o tempo é observado de maneira cíclica e não linear, portanto não se contam os anos e a idade é desconhecida. Mebá, imaginamos, deve ter falecido com cerca de 85 anos de idade, o que não é típico para aquela parte da África. Deus o abençoou e fez dele um homem de fé e exemplo para os de perto e de longe. Não contou os anos, mas contou a bondade do Senhor e guardou o seu coração até o dia em que o Pai o chamou. 
 
Há um hino que este povo canta em momentos especiais. Makandá, filho de Mebá, o cantou em sua passagem pelo Brasil anos atrás. Talvez você queira ouvi-lo e ser encorajado por sua letra. 


 
Leia mais
Ronaldo Lidório é teólogo e antropólogo, missionário (APMT e WEC) entre grupos pouco ou não evangelizados. É organizador de Indígenas do Brasil -- avaliando a missão da igreja e A Questão Indígena -- Uma Luta Desigual.
  • Textos publicados: 32 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.