Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Lutero – do analfabetismo bíblico à Bíblia na língua do povo

Por Paulo Teixeira

Quando Lutero nasceu, em 1483, Johannes Gutenberg já havia inventado sua prensa com tipos móveis. Por volta de 1456, Gutenberg imprimiu a primeira tiragem de um livro usando a nova tecnologia na cidade de Mainz, na Alemanha. Escolheu imprimir a tradução latina da Bíblia – a Vulgata.

A produção do livro, antes lenta e custosa, levada a cabo pelos copistas, nunca mais seria a mesma. Mas muitos outros desafios precisariam ser superados, principalmente o analfabetismo, tanto em termos de domínio da leitura quanto da produção de conteúdo compreensível e relevante para todas as camadas da população.

Lutero nasceu neste contexto. Durante a sua vida, percorreu um longo caminho, do analfabetismo bíblico à tradução da Bíblia na língua do povo.

Lutero, as letras e as Sagradas Letras

Embora Lutero mencione o apreço pelas Fábulas de Esopo, aprendidas na escola, é possível que ele nunca tenha tocado num livro quando criança. Os livros eram raros e caros demais naquela época.

O pequeno Lutero aprendeu a ler cedo. Seu pai, Hans, um mineiro de pouca formação, viu no filho o futuro sustento da família. Por ordem do pai, Lutero iniciou o curso de Direito, frequentando as aulas por pouco mais de um mês.

Certo dia, enquanto viajava, viu-se em meio a uma tempestade. Temendo por sua vida, fez um voto a Sant´Ana de que se tornaria monge.

Duvidava do amor de Deus e temia o inferno. Talvez a disciplina do mosteiro lhe desse os méritos necessários para entrar no céu.

Na tentativa de fazer Lutero descobrir a verdade, seu superior, Johann von Staupitz, ordenou que ele se tornasse Professor de Bíblia na recém-fundada Universidade de Wittenberg, uma escola aberta ao novo.

Lutero comenta que não havia visto uma Bíblia até aos 20 anos. Nela, descobriu em passagens como Rm 1.17 o sentido evangélico da justitia Dei. Após estudar a Palavra, percebeu que a justiça que Deus requer de nós, ele cobra de Cristo – nosso Substituto, e nos presenteia em Cristo – nosso Salvador.

Convencido pela Escritura da salvação por graça, por meio de Cristo, em 31 de outubro de 1517, Lutero divulga 95 teses, escritas a mão, em Latim, em Wittenberg. Conforme a tradição, estas teses foram pregadas na porta da Igreja do Castelo, chamando interessados à discussão sobre a virtude das indulgências – uma espécie de certificado vendido pela Igreja outorgando o perdão a quem o adquirisse.

Não demorou muito para que as teses, inicialmente manuscritas, passassem a ser replicadas em oficinas tipográficas, começando a ser disseminadas com rapidez. O seu conteúdo rompe fronteiras.

Lutero depara-se com a formidável invenção de Gutenberg. Impressores começam a buscar Lutero por mais escritos. Lutero já escrevia antes, para consumo pessoal. Após 1517 passa a fazê-lo visando à publicação.

Entre 1517 e 1520, produziu 22 obras, alcançando mais de 300 mil exemplares. Tal marca seria inatingível na era dos copistas em tão curto espaço de tempo.

Mas publicar Lutero era um desafio e tanto para os impressores. Além da caligrafia instável, Lutero mescla latim, grego, hebraico e dialetos alemães em seus manuscritos.

Mas compensava publicar Lutero, pois ele tinha a coragem de registrar o “novo”. E o “novo” era aquilo que vendia, pois encantava humanistas, desafiava teólogos e chacoalhava o status quo.

Mas o “novo” de Lutero ainda precisava chegar às pessoas simples.

Lutero e seu testamento literário

Após sua condenação em Worms, refugiado como cavaleiro George no castelo de Wartburg, Lutero iniciou a tradução do Novo Testamento em dezembro de 1521.

A Bíblia, no todo ou em parte, já havia sido traduzida para alguns dialetos germânicos, várias delas registradas em um ou pouquíssimos exemplares, geralmente manuscritos. Sua posse e consulta era restrita a uma elite ou nobreza local.

A partir de uma edição tipográfica do Novo Testamento Grego de Erasmo (1516), Lutero pôs-se a traduzir o texto para o dialeto alemão que melhor dominava. Em 11 semanas, concluiu o rascunho. O Novo Testamento foi publicado em setembro de 1522.

Era uma edição primorosa, ilustrada com xilogravuras de Hans Schautelein e outros. Lutero decidiu incluir as ilustrações para “chamar pequenos e grandes para ouvirem a voz do Bom Pastor”.

O Novo Testamento custava o equivalente ao salário pago a uma pessoa simples por uma semana de trabalho. Vendeu 5 mil exemplares em 2 meses, e mais de 100 mil exemplares durante a vida de Lutero. Um dos objetivos da Reforma começava a cumprir-se: o livre acesso à Palavra de Deus.

Lutero queria que as Escrituras soassem do jeito que as pessoas simples falavam. Ao traduzir o Antigo Testamento Lutero comentou: “traduzir adequadamente é exprimir o sentido de uma língua estrangeira em seu próprio idioma. Procuro traduzir como as pessoas falam no mercado. Ao traduzir Moisés, eu o torno tão alemão que ninguém suspeitaria que ele foi um judeu.” Este e outros princípios de tradução foram resumidos por Lutero em uma Carta Aberta, escrita em Coburg, em 1530. Estes princípios ainda hoje norteiam a tradução da Bíblia.

Lutero submeteu sua tradução do Novo Testamento a um grupo de estudiosos, entre os quais estavam Felipe Melanchthon, Johannes Bugenhagen, Justus Jonas, Cruciger, Aurogallus e Rörer. Este grupo também cooperou com Lutero na tradução do Antigo Testamento, que levou 12 anos para ser concluída. O Antigo Testamento foi publicado em quatro volumes, um por vez.

Lutero esforçou-se a compreender os assuntos em profundidade. Ao traduzir Levítico, pediu que o açougueiro abrisse uma ovelha para que ele estudasse as diferentes partes do animal.

A edição completa da Bíblia, incluindo os livros deuterocanônicos – que Lutero posicionou entre os Testamentos –, saiu em 1534, do prelo de Hans Luft, impressor em Wittenberg. Esta edição é considerada a obra-prima literária e tipográfica da Alemanha do século 16.

Até pouco antes de sua morte, em fevereiro de 1546, Lutero continuou revisando e aperfeiçoando sua tradução. Deixou um volume impressionante de textos, escritos para os mais diversos públicos. Mas já no fim da vida, declarou: “Gostaria que todos os meus livros fossem destruídos para que somente a Bíblia fosse lida com todo zelo e cuidado.” Considerava a Bíblia o seu testamento.

Ainda hoje a tradução de Lutero, já revisada várias vezes, é publicada, sendo a mais apreciada em língua alemã. Sua última revisão foi lançada em outubro de 2016 e está disponível em formato impresso e digital.

Refletindo sobre tradução da Bíblia, Lutero comentou: “Se Deus quisesse que eu morresse pensando ser um sujeito inteligente, ele não me teria dado o trabalho de traduzir a Bíblia.”

• Paulo Teixeira é teólogo e linguista, especialista em Língua e Literatura Hebraica e secretário de Tradução e Publicações da SBB.

Leia mais
O púlpito e a Reforma
O que a Bíblia fez com Lutero e o que Lutero fez com a Bíblia
Sola Scriptura: A Bíblia e a Reforma
A Reforma: o que você precisa saber e por quê [John Stott | Michael Reeves]

Imagem: Martinho Lutero retratado em uma pintura de 1882 de FW Wehle.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.