Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Entidade cristã toma posse no Conselho Nacional de Assistência Social

Dia 5 de junho aconteceu em Brasília a posse dos novos membros do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), para um mandato de dois anos. Entre os eleitos está o Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral (CADI) como titular, representando a Rede Evangélica Nacional de Assistência Social (RENAS) e a Aliança Evangélica Brasileira, e a Junta de Missões Nacionais (JMN) como suplente.

O CNAS constitui a instância máxima de deliberação e controle social da Política Nacional da Assistência no Brasil. Ele foi instituído pela Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS, como órgão superior de deliberação colegiada, vinculado à estrutura do Ministério do Desenvolvimento Social. O CNAS é o órgão que está à frente do processo de viabilização do controle social do Sistema Único de Assistência Social, tendo como principais competências aprovar a política pública de assistência social, normatizar e regular a prestação de serviços de natureza pública e privada, zelar pela efetivação do SUAS, apreciar e aprovar propostas orçamentárias, entre outras.

Maurício Cunha, presidente do CADI, cumpre o segundo mandato no Conselho. Cunha é engenheiro, administrador, mestre em antropologia social, consultor na área do Terceiro Setor e Direitos Humanos e Assessor de Igreja e Políticas Públicas da Aliança Evangélica Brasileira. Ele comentou sua participação no CNAS:

“Em primeiro lugar, o desafio é defender a Política Nacional de Assistência Social, a partir de uma motivação cristã – a colocando os pobres como centrais no reino e como um grupo prioritário –, num momento em que há pressões de todas as ordens para o desmonte e desestruturação dessa política social, que é fundamental para o bem estar do país. Em segundo lugar, defender as entidades de assistência social, que fazem um papel muito importante, e ainda são responsáveis pela maior parte da oferta sócio-assistencial no Brasil. Há uma pressão grande de grupos que defendem uma assistência social estatizada, onde não haveria lugar para as entidades. Então, nosso papel é defender a política, o público beneficiário – os mais vulneráveis do nosso país –, e as entidades. É um desafio grande de aprendizagem, mas é um caminho sem volta, se queremos ter um papel social relevante como igreja.”
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1184 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.