Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Elevemos o coração!

Imagem: freeimages.com/photo/1414107“O Senhor, o seu Deus, dará um coração fiel a vocês e aos seus descendentes, para que o amem de todo o coração e de toda a alma e vivam” (Dt 30.6).

“Sursum Corda”. Esta expressão latina é uma invocação da liturgia eucarística que pode ser encontrada nos documentos mais primitivos do cristianismo ocidental. “Sursum Corda” traduzido livremente quer dizer “Elevemos o coração” e sua invocação era a senha para a introdução da grande oração de Ação de Graças e Consagração dos elementos do pão e do vinho na Ceia do Senhor.

A Igreja de Roma conserva até os dias de hoje em sua liturgia esta expressão: “Corações ao alto” ao que responde a assembleia “O nosso coração está em Deus”. Lutero e também Calvino tinham grande apreço por esta invocação, os luteranos a conservam até o dia de hoje. E, nós presbiterianos, por motivos os mais variados, infelizmente já não a usamos em nossas liturgias. Não foi à toa que desde o tempo dos “Pais da Igreja” as grandes famílias litúrgicas conservaram esta invocação. Ela é bíblica e é um convite à contemplação e ao gozo, bem como uma chamada ao retorno aos aspectos essenciais da fé. As decisões mais cruciais da vida são tomadas na sede do coração. A mente compara, pesa, julga, avalia, mas o coração inclina o homem e o arrasta em seus desejos.

O Senhor Jesus advertiu: “Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas? Pois a boca fala do que está cheio o coração” (Mt 12.34) “O homem bom tira coisas boas do bom tesouro que está em seu coração, e o homem mau tira coisas más do mal que está em seu coração, porque a sua boca fala do que está cheio o coração" (Lc 6.45) e ainda ensinou que é o coração que dá o devido valor às coisas: “Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração” (Mt 6.21).

Na adoração não só a mente está em atividade, ouvindo, meditando, entendendo, raciocinando, comparando e aprendendo. As emoções também estão em atividade, o coração precisa ser tocado e abastecido da Palavra, os sentimentos precisam ser purificados, as paixões ordenadas e as lembranças afetivas organizadas em nosso coração. Nossos desejos precisam ser transformados e santificados para que o coração seja ele também treinado a elevar-se sobre a carne, o fascínio do mundo e as sutilezas de Satanás.

O apóstolo Paulo apela: “Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas” (Cl 3. 1,2). A adoração precisa mexer com as nossas emoções, mas não parar aí, as experiências emocionais são importantes, mas não podem ser a coisa mais importante do culto.

O coração deve ser cativado pela verdade e treinado a obedecer. O coração deve ser circuncidado pela Palavra e pelo Espírito e deve ser levado a detestar o mal e apegar-se ao bem (Rm 12.9, 21). Nosso coração, por natureza é corrupto (Jr 17.9) e precisa sofrer um transplante espiritual (Ez 11.19; Ez 36.26), nosso coração é leviano, distraído e precisa aprender, assim como Maria, a guardar a Palavra de Deus e nela meditar (Lc 2.19). Por último, necessitamos de um coração que se afeiçoe aos santos (Fp 1.8; 2Co 7.15) que ame a presença destes, sinta compaixão em suas dores, socorra em suas necessidades, ame a sua companhia e sinta saudades em sua ausência. É lamentável quando cristãos sentem mais prazer na roda dos incrédulos e estreitam de tal maneira amizade com aqueles que zombam do seu Deus e de tudo que lhes é mais caro sem se importar com isso. É triste quando cristãos afirmam sentir mais alegria nos entretenimentos do mundo do que na Casa do Senhor, quando não veem a hora de chegar o domingo para correrem atrás de seus interesses e assim negligenciarem o mandamento (Is 58.13). Quando isso acontece com mais frequência do que deveria, então os sintomas de um coração pesado, endurecido, frio, terreno, mundano, desabastecido da Palavra, sem iluminação e rasteiro estão no comando das afeições, dos apetites, dos gozos e do sentido da vida.

Estamos nos aproximando da Páscoa quando recordaremos de maneira mais especial a nossa libertação mais profunda e fundamental, o nosso Êxodo verdadeiro que nos arrancou de nossa mais opressiva e letal escravidão, de Satanás, do pecado e da morte. Faríamos bem se aceitássemos o convite da liturgia: “Sursum Corda!” (Elevemos o coração) e respondêssemos com firme decisão: “Habemus ad Dominum!” (Nós o temos no Senhor) para que toda a nossa vida se enchesse de santificação, gozo e paz.

Leia também
Coração compungido e contrito (Ricardo Barbosa)
A oração nossa de cada dia (Carlos Queiroz)
Práticas devocionais: exercícios de sobrevivência e plenitude espiritual (Elben César)
É ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira (SP) e professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul, de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada (FITREF) e de História das Missões no Perspectivas Brasil.
  • Textos publicados: 69 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.