Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A pedra de tropeço e a pedra de moinho

Por Márcia Barbutti

"Cuidado para não desprezarem um só destes pequeninos." (Mateus 18.10) 
 
Após afirmar aos discípulos que eles deveriam se converter e se tornar como uma criança, Jesus continuou a conversa mostrando que eles também deveriam cuidar dos pequeninos e protegê-los. Suas palavras são enfáticas e intrigantes: “Mas se alguém fizer tropeçar um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe seria amarrar uma pedra de moinho no pescoço e se afogar nas profundezas do mar” (Mt 18.6).
 
Jesus deixou claro o valor que as crianças têm em seu reino e que, para os que são pedras de tropeço para elas, lhes seria-lhes preferível a morte física, particularmente dolorosa e terrível (sem a possibilidade de resgatar o corpo para um enterro).
 
Quanto mais nova for a criança, maior é o poder de influência que temos sobre ela. Poder para seduzir, induzir ao erro, enganar, ferir e destruir. Mas ai daquele que assim procede. Ai daquele que abandona seus filhos nascidos ou que estão para nascer. Ai daquele que, na busca por prosperidade, reforça o materialismo e o consumismo. Ai daquele que nega a disciplina e o limite. Ai daquele que sonega a Verdade. Ai daquele que comete abusos e violência, e que explora o mais fraco e vulnerável.
 
É hora de erguer a voz em favor dos pequeninos. O doutor Wess Stafford, em seu livro Too Small to ignore, fala das quatro liberdades que toda criança merece. (1) Liberdade da pressão imposta – pressão para crescer rapidamente, ser bem-sucedida e atingir os ideais dos adultos que a rodeiam; (2) Liberdade do materialismo – a busca da satisfação no ter e continuar tendo sem compaixão ou misericórdia; (3) liberdade da concorrência corrosiva – o valor está somente no ganhar, perder é a total frustração; e, finalmente, (4) liberdade do medo diário – elas merecem estar a salvo de malfeitores e predadores.
 
Longe de nós sermos pedras de tropeços, que sejamos pedras de passagem, como aquelas que estão no meio de riachos, ligando espaços e possibilitando encontros. 
 
Oração: Senhor, ajuda-me a ver os pequeninos como o Senhor os vê.

Nota: Texto originalmente publicado em Refeições Diárias - Celebrando a Reconciliação. Editora Ultimato. 

Imagem: Casal de Idosos Distribuindo Bens para Crianças ao Ar Livre | Carel Fabritius, 1645 | WikiArt.org

É editora assistente da Editora Cultura Cristã, responsável pelos materiais infanto-juvenis.
  • Textos publicados: 19 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.