Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Refletindo sobre a benignidade da dor

A dor é definida como uma sensação desagradável causada por lesão ou por estado anômalo dos órgãos; sofrimento físico ou moral; remorso e pena, e tem como função alertar que algo não vai bem, que algo está fora de lugar, que algo saiu do curso normal, ou seja, a dor na maioria dos casos funciona como um mecanismo de defesa.
Diante da definição do que é, e de sua função principal, o primeiro passo deve ser o de agradecer pela dor, pois se não fosse por ela muitas coisas em nossa vida não faria sentido.

É a dor do remorso que nos leva a pedir perdão pela ofensa feita ao próximo. É a dor causada pela tristeza, nos dias ruins, que nos leva a chorar em silêncio, nos leva a abraçar o travesseiro, e nos faz buscar as respostas no momento do desespero. É ela que nos leva a constatar os erros, nos traz o arrependimento, e nos obriga a movimentar a vida em um sentido diferente. É a dor sentida nos dias maus que nos faz entender o quanto praticar o mal é ruim, o quanto é sem sentido obstruir a nossa vida ou a do próximo por coisas banais, o quanto fazemos dramas por coisas insignificantes, o quanto a competitividade exacerbada, o se achar melhor machuca as pessoas. É a dor causada pelo prejuízo ou pela frustração que nos leva à conclusão do quanto agimos relaxadamente no cumprimento da tarefa, e nos impede de receber cada novo dia com um imenso sorriso.

Desde o jardim do Éden, a dor faz parte do cotidiano do ser humano. Para que a mulher iniciase o reconhecimento do mal praticado ao ouvir e seguir a voz da serpente, a condenação de Deus foi: "multiplicarei as dores de tuas gravidezes, na dor dará filhos".
Foi pela dor das chagas e do sofrimento físico, que Jó ao senti-la tanto no falar quanto no calar [Jó 16,6], pode declarar a Deus no momento em que ela cessou: "eu te conhecia só de ouvir, mas agora meus olhos te veem, e por isso, retrato-me e faço penitência no pó e na cinza."

Foi pelo sofrimento físico e moral, pela injustiça, pela angústia da alma estar triste até a morte [Mc 14,34], que Jesus Cristo, o Deus Encarnado, homem sujeito à dor, com muitas dores carregou sobre si nossas dores, e pelas feridas destas dores nos curou [Is 53, 3 e 4]. Foi pela dor de ter sobre si o pecado da humanidade, pela dor sentida na crucificação e no derramar do próprio sangue, foi que Ele nos libertou do poder do pecado, nos concedeu o direito de sermos feitos filhos de Deus, e estar ao seu lado eternamente.
Por tudo isso, tenhamos sempre gravado e escrito na mente, que em muitos momentos, de variadas formas: "a dor é algo benigno"!
OBS: "Foram as dores infligidas pelo pecado, em minha luta diária contra ele, que me possibilitou fazer esta reflexão".

Que tal todos refletirem?
Fabio S de Faria
Goiania - GO
Textos publicados: 25 [ver]
Site: http://cristaodebereia.blogspot.com
Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.