Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Nada ficará encoberto: está de pé? Veja que não caia!

Na infância nunca quebrei um braço, perna, dedo sequer como é comum às crianças; era comportadíssimo demais para a idade; houve, todavia, um episódio que não devo encobrir:

- por volta dos 9 anos de idade, estava pulando de carroça em carroça, com minha irmã, em uma carroceria em frente de casa; o tombo foi terrível, ocasionando 3 pontos na cabeça.

Dizia minha mãe que "quem não fratura na infância, fratura quando adulto" - já cinquentão, engessei um pé [para ir trabalhar usei muletas]; em outra oportunidade, fraturei o braço esquerdo, sendo necessária uma cirurgia, pois esfarelou a cabeça do rádio; no punho estilhaçaram as duas extremidades.

O ortopedista afirmou que eu ficaria com redução de movimentos no braço, o que não ocorreu, pela graça de Deus e por intensas fisioterapias (70).

Melhor é não discorrer sobre os tombos familiares, as quedas dos "Torres Alves", pois não caberiam em uma página as histórias dos engessamentos de um dos meus filhos.

Afirma a Palavra de Deus: "Não há nada escondido que não venha a ser revelado, nem oculto que não venha a se tornar conhecido" (Mateus 10 26); Deus não escondeu os escorregões de seus servos mesmo que importantes; revelou-os todos, mas perdoou todos aqueles que se arrependeram, confessaram e deixaram a prática de pecados:

"O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa [abandona] alcançará misericórdia" (Provérbios 28. 13).

Tomo a liberdade, respeitosamente, de narrar alguns casos de servos de Deus que tropeçaram e se viram em "maus lençóis", mesmo que momentaneamente.

• Tropeçou Adão em sua desobediência e foi cair nos braços de satanás travestido de serpente (Gênesis 3. 1-24);

• Tropeçou Caim na sua inveja e culminou matando o próprio irmão, Abel, cometendo o primeiro crime de morte da história mundial (Gênesis 4. 8);

• Tropeçou o rei Saul em sua arrogância e foi consultar uma médium [pitonisa], com o que desagradou a Deus, perdeu o trono e terminou por enfiar a sua espada no peito (1 Crônicas 10 13-14), caindo sobre ela [primeiro suicídio da história];

• Tropeçou o rei Davi em sua realeza, pela concupiscência, e caiu no leito do adultério com Bate-Seba (2 Samuel 11 4), que engravidou, mas perdeu o filho;

• Tropeçou o rei Salomão em sua sapiência e tombou nos braços da idolatria, perdendo o seu reinado (1 Reis 11. 9-11);

• Tropeçou Pedro em suas bravatas e se viu envolvido com o medo, por causa do qual negou três vezes conhecer o Senhor Jesus (João 18. 27);

• Tropeçou Judas em sua ganância e foi parar no abismo do suicídio (Atos 1. 18) como um ser desesperado pela ação de ter traído e entregue o Senhor Jesus;

• Tropeçou Esaú em sua gula, por um prato de lentilhas, e ficou sem o seu direito e bênção da progenitura (Gênesis 25. 32-34 e 27. 1-46);

• Tropeçou o profeta Jonas em sua desobediência e foi parar no estômago de um peixe grande [a Bíblia não fala em baleia] jogado que foi ao mar pelos tripulantes do navio, no qual fugia de Deus (Jonas 1. 17).

A humanidade nada mudou e, como nos primórdios, continua tropeçando, escorregando e levando solavancos.

"Mas o solavanco de Deus é necessário, é curador, é restaurador (...). É muito melhor ser corrigido por Deus do que ser encostado para sempre por ele" (Rev. Élben César – Pastorais para o Terceiro Milênio).

Concluindo, não há correção de rumo, de caráter, de princípios, de pecados por eventuais qualidades próprias que tenhamos, ou por esforços humanos, pois "Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus" (Romanos 3. 23-24).

Citei algumas histórias narradas [não encobertas] pela Palavra de Deus; nelas houve os que se arrependeram, confessaram os seus pecados, abandonaram-nos e, assim, alcançaram o perdão pela Graça desse Deus que é o perdoador daqueles que o buscam com sinceridade de propósitos.

Foi na cruz do Calvário que o perdão já foi dado pelos nossos pecados passados, presentes e futuros, bastando-nos, servos infiéis e recalcitrantes, tão somente a ação íntima, pessoal, em vida, de nos apropriarmos dessa graça derramada sobre nós mediante a fé no Senhor Jesus:

"A todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de SEREM FEITOS filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus" (João 1.12-13).

Alerta-nos a Palavra de Deus: "Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia" (1 Coríntios 10.12).

"Portanto, se, depois de terem escapado das contaminações do mundo mediante o conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, se deixam enredar de novo e são vencidos, tornou-se o seu último estado pior que o primeiro. Pois melhor lhes fora nunca tivessem conhecido o caminho da justiça do que, após conhecê-lo, volverem para trás, apartando-se do santo mandamento que lhes fora dado" (2 Pedro 2.20-21).

Melhor refletir nisso!
São Paulo - SP
Textos publicados: 792 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.