Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Jesus, o candidato eterno

A candidatura do Rei dos Reis não é para um governo nacional. Também não é para um reino deste mundo.

Satanás tentou o Cristo oferecendo-lhe "todos os reinos do mundo, e a glória deles" (Mateus 4:8). Jesus recusou, ali, esta chance de uma vez por todas. O seu trono estava e está nos céus.

Então por que e para que Jesus é candidato? Ele já não reina? E por que eterno?!

Toda autoridade Lhe foi dada, nos céus e na terra. Jesus reina e sempre reinará. Neste sentido obviamente Ele não se candidata a nada e nem nunca se candidatou. Jesus é Deus Filho. Soberano, todo poderoso. Domínio e poder estão em suas mãos. Jesus não foi e nem é eleito pelo voto popular. Não é a maioria que diz se Ele reina ou reinará ou não. Assim, em sentido estrito e amplo nem todo poder emana do povo, mas somente de Deus. Ele é a fonte de todo poder.

Neste mundo há muita perversão. Perversão sexual, moral, e também do poder. Encontramos também, não tão frequentemente, o poder sobrenatural. O qual quando exercido sob a graça de Deus é bom. Todavia até esse pode ser pervertido em sua natureza e fins.

É justamente nesse interim que Jesus aparece como candidato. É o famoso, "eis que estou a porta e bato". Jesus está batendo à porta de igrejas, como fez em Laodiceia, querendo entrar. Ele se apresenta educadamente como uma opção – a única, é verdade – mas Ele não arrobará, nem muito menos a abrirá por fora. Ele se candidata, Ele espera, Ele dá um impulso, faz um sinal e espera a reação do lado de dentro. Um voto de confiança. A fé.

Se em comunidades cristãs, as quais (nominalmente) já lhe pertencem, Ele não força a barra, o mesmo princípio acontece com indivíduos que já são seus discípulos: "Quereis vós também retirar-vos?" (João 6:67) A porta está destrancada por dentro. Somos todos livres. Jesus não prende ninguém, contra sua vontade. Por quê? Às vezes gostaríamos que Ele atropelasse nossa vontade e fizesse tudo por nós e nos eximisse de todo peso de nossas responsabilidades. Ele pensa, Ele faz as escolhas, Ele sente, Ele age... E de certa forma é precisamente esta sua proposta! Ele se candidata para viver Sua vida em nós. Para ser o nosso DEUS.

Assim, Ele se candidata educadamente, já tendo sido eleito eternamente. É um período de tempo em que vamos sendo discipulados e aprendemos cada vez mais a confiar e depender somente dele de Seu Espírito. E nesse processo, não somos jogados para escanteio, pelo contrário, somos resgatados para o jogo, somos salvos e vamos sendo salvos, n’Ele.

Então a expressão "candidatura" de Jesus não sendo algo explicitamente bíblico, nos ajuda, todavia, a enxergarmos o fato de que cada um de nós, uma hora, terá que tomar posição frente a Sua oferta irresistível. E não raramente pessoas resistem ou tomam posição contrária a essa oferta, e por isso permanecem sob juízo. Em outras palavras eles oferecem o seu voto ao candidato da oposição, ao inimigo, ao Diabo.

Se entendemos o sentido do termo candidato, que possui algo de "cândido" em suas maneiras, podemos melhor compreender o porquê do adjetivo "eterno".

Primeiramente, não é a candidatura que é eterna, mas o candidato. Um dia o período da campanha chegará ao fim. Teremos que fazer um xis na cédula, apertar o botão da urna. Nosso voto será computado. Esse dia é geralmente hoje. Hoje escolhemos se temos Jesus como nosso Senhor, ou se nos rebelamos contra Ele. Se o temos por digno de confiança ou por um charlatão. Essa nunca é uma escolha que pode ser deixada para amanhã. Deixar para amanhã é votar no inimigo.

Feita a escolha, desfrutamos da eternidade de Jesus. E recebemos a salvação de nossas almas – que é eterna. Então percebemos que a campanha ainda está em curso... e de certa forma, num eufemismo, é uma campanha, que eu diria ironicamente, eterna. Ela não terminará, enquanto estivermos nesse mundo e é por um tempo determinado, é verdade. Mas como o próprio Cristo certa feita disse: até quando...

... um pouquinho de tempo! (Não uma eternidade) E o que há de vir virá, e não tardará. (Hebreus 10:37).

Não depositemos nossos votos em reinos deste mundo, em candidatos terrenos e passageiros. Fiquemos do lado vencedor. Busquemos as coisas de cima. "A nossa cidade (pátria) está nos céus" (Filipenses 3:20).

Estou assim pregando contra a política terrena? Não! Amo política... Votemos em quem quisermos, em quem nossa consciência direcionar. Mas quanta energia gasto em promover meu político de estimação e quanta gasto em promover o Reino dos céus? Em pregar o Evangelho? Quanta esperança deposito na paz interior oferecida por Jesus, ou naquela exterior oferecida por um governo secular? Onde está a linha divisória? Até onde flertamos com a mentira, com a distorção de fatos, com prioridades que não são necessariamente aquelas postas por Jesus e pelas sagradas escrituras?

Não percamos o foco, nem o nosso tempo! Os problemas nacionais (e até mesmo globais) não deverão sobrepor as soluções eternas propostas pelo candidato eterno: Jesus de Nazaré, o Cristo. Amém.
Fürth - EX
Textos publicados: 227 [ver]
Site: http://teologia-livre.blogspot.de/

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.