Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

As moscas no mel

"Come mel, meu filho, porque é bom... é doce ao teu paladar. Assim será para tua alma o conhecimento da sabedoria..." Pv 24.13-14

Interessante figura; como mel ao paladar, o conhecimento da sabedoria, à alma.
Ezequiel quando se lhe deu um livro com as Palavras do Senhor para que comesse registrou: "Filho do homem, dá de comer ao teu ventre, enche tuas entranhas deste rolo que eu te dou. Então o comi; era na minha boca doce como mel." Ez 3.3

Porém, João teve dupla sensação; "Tomei o livrinho da mão do anjo, e comi-o; na minha boca era doce como mel; havendo-o comido, meu ventre ficou amargo." Ap 10.10

Se, crescer em conhecimento, tem um quê de doce, também tem uma parcela de amargo, como versou Salomão; "Porque na muita sabedoria há muito enfado; o que aumenta em conhecimento, aumenta em dor." Ec 1.18

Não que o conhecimento seja doloroso; mas, pela luz que enseja nos leva a ver coisas que doem. Inicialmente nossas próprias maldades; depois, maldades adjacentes, mal disfarçadas com as pífias máscaras humanas; e tantas obscenas, sem disfarce nenhum.

A própria vida de Salomão foi, de certa forma, um reflexo desse trânsito entre doce e amargo, nas coisas que escreveu. Seu lado doce pintou o amor nos Cantares; "As muitas águas não podem apagar este amor, nem os rios afogá-lo; ainda que alguém desse todos os bens de sua casa pelo amor, certamente desprezariam." Cap 8.7

No tempo amargo, na velhice, quando escreveu o Eclesiastes desprezando quase tudo, inclusive à sabedoria, como mera vaidade. "... me engrandeci, sobrepujei em sabedoria a todos os que houve antes de mim em Jerusalém; meu coração contemplou abundantemente a sabedoria e o conhecimento. Apliquei meu coração a conhecer a sabedoria os desvarios e loucuras; vim a saber que também isto era aflição de espírito." Cap 1.16-17

No intermédio foi um filósofo escrevendo Provérbios; "Ele (O Senhor) reserva a verdadeira sabedoria para os retos. Escudo é para os que caminham na sinceridade, para que guardem as veredas do juízo. Ele preservará o caminho dos seus santos." Cap 2.7-8

As sensações de doçura, ou, amaras, não são testemunhas confiáveis; muitas delas não têm relação com os fatos circunstantes, mas com nossa percepção deles; se essa for doentia, fabricaremos nossas próprias amarguras.

"Sábio é quem não se aflige com o que lhe falta e se alegra com o que possui." Demócrito.

Assim a sabedoria não seria uma ferramenta para produzir coisas, mas para ensinar como reagir a elas, algo com o qual Salomão também concordava; pois, dissera: "No dia da prosperidade goza do bem, mas no dia da adversidade considera; porque Deus fez a este em oposição àquele, para que o homem nada descubra do que há de vir depois dele." Ec 7.14

O alvo da sabedoria espiritual não é o produto de sensações, ainda que essas acompanhem seres sensíveis; sua excelência reside nos frutos preciosos aos quais conduz; "Riquezas e honra estão comigo; assim como bens duráveis e justiça. Melhor é meu fruto que o ouro; que o ouro refinado, e meus ganhos mais que a prata escolhida. Faço andar pelo caminho da justiça, no meio das veredas do juízo. Para que faça herdar bens permanentes aos que me amam, e eu encha seus tesouros." Pv 8.18-21

Assim, invés de "doçuras" eventuais quase sempre enganosas, o cardápio predileto no restaurante dos falsos profetas, a sabedoria espiritual insta conosco para que, nela busquemos bens permanentes; ou seja: Vida Eterna.

Por isso, Aquele que a dá, quando chamou a si cansados e oprimidos, não lhes acenou com doçura; antes, com um "Jugo suave", cujo "peso" ensejaria "descanso às almas".

E, Paulo aconselhando ao jovem Timóteo lhe prescreveu que exercitasse mais à alma nas virtudes celestes, que o corpo, tendo em vista os bens permanentes propostos; "... exercita a ti mesmo em piedade; porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir." 1 Tm 4.7-8

O duplo sentir de João, doce na boca e amargo no ventre também nos ensina algo; Na boca a Palavra de Deus é doce; fácil recitar. Agora no ventre, comer, praticar, traz o concurso do amargo; luta contra nossa natureza inclinada ao vício.

Cheias estão as redes sociais de trechos da Palavra de Deus partilhado por gente que nem liga para ela. Mel é produto de abelhas, no qual as moscas se lambuzam gostosamente.

Não que seja vetado a ninguém fazer isso; mas excelência é ter a Palavra nos lábios e comê-la também. Diamante não foi feito para usar na funda.
Soledade - RS
Textos publicados: 301 [ver]
Site: http://ofarol21.blogspot.com.br

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.