Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

À revelia

"Responderam-lhe os judeus: Nós temos uma lei e, segundo a [nossa lei], deve morrer, porque se fez Filho de Deus" Jo 19;7.

O termo "Judeu" segundo a Bíblia define um membro da tribo de Judá [termo que significa abençoado ou louvado], e também denominado "Povo de Deus". Segundo a história, surgiu aproximadamente dois mil anos antes de Cristo com Abraão, o qual, a Bíblia chama de "Hebreu" Gn 14;13. O pai dos Judeus.

Não obstante este aparato histórico, o contexto abarca também a conotação grega do nome "Judá" que significa Judas; o ladrão, que o vendeu e traiu. Apesar de terem sido escolhidos para ser bênção, conforme escrito: "Farei de ti uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei teu nome; e tu serás uma bênção" Gn 12;2, tornaram-se desventurados, ímpios e apóstatas.

A prevaricação da Nação Eleita é tal, que é difícil mensurar, pois chega à raia da subversão. O absurdo se revela em parte na expressão supra: "segundo nossa lei". Começa que a dita "lei" não era judaica mas divina. Ademais, não se aplica a Deus, mas ao ser humano. Por outro lado, a lei preceitua: "não matarás" Ex 20;13. Que contravenção!

O agravante é que em oposição à lei, o veredito foi "deve morrer!" A acusação? Ter-se "feito" filho de Deus. O sofisma a que recorrem é algo inconcebível, afinal, não se trata de um homem "fazendo-se" filho de Deus, mas do próprio Deus feito "filho" do homem. "Ele esvaziou-se, assumindo a forma de servo, tornando-se semelhante aos seres humanos. E, [reconhecido] em figura humana" Fp 2;7. Que tenebrosa interpretação!

O termo "reconhecido" implica identificar o que de antemão já se conhece. Portanto, neste drama é perceptível a dinâmica da psicologia inversa, da alma avessa sob influência maligna. O "re" conhecimento, é feito tanto pela alma distanciada de Deus, a qual o reconhece, visto que d’Ele procede, quanto por seu manipulador oculto, que fora expulso do Céu.

O contexto revela o estado abissal e deplorável da alma tenebrosa pois, a sentença aplicada a Cristo é uma prevaricação, uma antítese, uma injustiça, uma inversão, um sacrilégio; o cúmulo do absurdo, uma blasfêmia, o maior anátema, enfim faltam palavras para definir, afinal, era interpretada em sentido distorcido, e contra o próprio Legislador.

O disparate incide sobre o fato que conheciam as profecias acerca Daquele que nasceria da "semente da mulher", Gn 3;15. O Espírito Santo revela quem é o menino nascido da virgem: "Deus forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz" Is 9;6. Entretanto ali estava a "semente" da serpente; uma raça de víboras! Mt 23;33. Estes, erram, porque não conhecem as escrituras nem o poder [Espírito] de Deus. Mt 22;29.

"Segundo a nossa lei deve morrer!" Porém, Jesus lança em rosto a excentricidade do legalismo cego: "Não está escrito na vossa lei: Eu disse: Sois deuses?" Jo 10;34. Que dilema segundo a lei da carne, Deus deve morrer! Entretanto, Ele não morre em si mas, é morto no coração do ímpio. Talvez por esta razão Nietzsche afirmou: "Deus está morto!", pois também ele o tinha matado, no abismo do ceticismo.

Jesus os confrontou com a lei, que alegavam cumprir: "Pois, se a lei chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida, e a Escritura não pode ser anulada, Aquele a quem o Pai santificou, e enviou ao mundo, vós dizeis: Blasfemas, porque disse: Sou Filho de Deus?" Jo 10;35,36.

Está escrito: "Os deuses que não fizeram os céus e a terra desaparecerão da terra, e debaixo deste céu" Jr 10;11. Parece que aqueles deuses aplicaram ao Deus imortal invisível, a pena que lhes era cabível pois, se fizeram como Deus. Isso foi dito pelo próprio Senhor: "Eis que o homem é [como] um de nós, sabendo o bem e o mal". Gn 3;19.

Inegavelmente a "lei" estava sendo cumprida, entretanto se tratava da lei do pecado e da morte, que resiste à lei do espírito de vida, conforme Rm 8;2. A lei da carne que inclina-se para a morte, a lei da religião que consiste em preceitos humanos, a lei dos instintos que rege o "império" dos sentidos. Porém, a lei de Deus estava sendo profanada.

Portanto nesta situação revel aqueles que foram chamados para "ser uma bênção" se tornaram execráveis, e os que para louvor blasfemavam, os que diziam-se filhos de Abraão obedeciam o pai da mentira, e os que afirmavam-se servos de Deus, serviam ao deus deste século. 2 Co 4;4.

Segundo a "nossa lei" também deve ser entendido no contexto da alma, a qual está predestinada, para morte ou para vida, tudo depende de escolha. O texto sagrado diz: "Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis" Rm 8;13. Ambos contextos podem afirmar com propriedade que: segundo a "sua" lei deve morrer. Condena-se Cristo no coração, ou o coração em Cristo!

Como disse Shakespeare "Ser ou não ser, eis a questão!" Cristo escolheu "não ser", despindo-se da glória de Deus fazendo-se semelhante aos homens; de igual forma o ser humano precisa despir-se do pecado para ser feito imagem de Deus.
Caxias Do Sul - RS
Textos publicados: 35 [ver]
Site: http://luminar7.blogspot.com
Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.