Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Ramos: um domingo para nunca mais esquecer...

Derval Dasilio

Jesus chega a Jerusalém e comove a multidão (Lc 19.28-40). O povo é diferente das autoridades: aclama-o como Rei, os líderes ficam apreensivos. O povo tem esperança de libertação religiosa, política e econômica. A pobreza e as opressões são dominantes. Autoridades sentem-se ameaçadas no seu prestígio e autoridade e, sem dúvida, no exercício do poder (ah, o ‘pudê’!). E o povo alegre, festivo, cantante, dançando, recebe o Messias... mas logo virá a tristeza. Nesta mesma semana Jesus será preso, torturado, humilhado em sua realeza e esvaziado de qualquer proteção dos céus (Fl 2.6-11)! E então, enfraquecido, vulnerável, despedaçado, será levado ao martírio, sem que esse mesmo povo se comova: “Bem-feito!”, teriam dito. “Não tinha cacife, por que se arriscou e nos enganou?”

Que significados têm o discurso da paz e da justiça segundo o Evangelho, frente à multidão de homens e mulheres que vêm ao encontro de um rei sem poder político e sem domínio sobre a natureza (a não ser no uso “docetista”, espiritualizado)? Lemos os jornais, que falam de conflitos no Oriente Médio, guerra ao terrorismo, Iraque, Irã, Palestina, Israel, Estados Unidos, Inglaterra, França, enfim, mais de cinquenta pontos conflituosos no mundo inteiro. As imagens da mídia mostram campos de batalha sangrentos exigindo atenção e os mesmos pontos de discussão: parlamentos internacionais debatendo a paz.

Inaugura-se o milênio com eventos belicosos jamais imaginados. Al Qaeda, Bin Laden, Bush, invasão do Afeganistão e no Iraque, lutas tribais na África, genocídio no Timor Leste, tudo sob a influência de clamores de guerra animados por pruridos patrióticos fanáticos. Um soco no estômago, verdadeiro show de mortes, mutilações, lágrimas. Atos de crueldade, que costuram a história sangrenta vivida por muitos povos, agregam a destruição sistemática de bens culturais, o coração e a alma dos povos e das etnias. Conhecemos muito bem esses aspectos, desde a dizimação das culturas pré-colombianas, do Caribe e da América Latina. Mas o que significa a paz no âmbito do reinado de Deus?

No campo doméstico não é menor o impacto da violência das armas, perturbando-nos permanentemente. Todos os dias, observamos as notícias mais recentes sobre o crime organizado, combate ao tráfico de drogas, inocentes assassinados no meio das ruas, ontem, hoje, são 15 mil mortes violentas por ano, só no Brasil. O amanhã é pré-definido, só teremos que confirmar o estado de guerra permanente nos grandes centros urbanos vendo o noticiário, tão favorável às elites e aos bem-postos. Enquanto se espera por dignidade da pessoa humana nos setores mais corriqueiros da vida, necessita-se de pão para quem tem fome, morada para quem não tem teto, educação para quem não tem escola, saúde para quem não tem hospitais, trabalho para os alijados da sociedade moderna.

Domingo de Ramos... os cristãos estarão caminhando ao lado de Jesus no caminho da cruz? As implicações dessa caminhada envolvem o compromisso de levar a sério nossa adesão à causa de Jesus Cristo. Acompanhá-lo em sua última jornada a caminho da cruz implica em levar a sério as realidades que corroem o mundo e clamam pela paz. Ninguém mais duvida de que as causas geradoras dos grandes e dos menores conflitos sociais, nacionais e internacionais são encontradas nas desigualdades econômicas, na falta de oportunidades de trabalho e escola, nas políticas domésticas e internacionais, nas questões que passam pela fome de quase dois bilhões de habitantes do planeta. Questões que identificam os abismos das desigualdades em toda parte.

Pode ser que a solidariedade com o mártir do reino, como ocorreu com seus seguidores imediatamente ao seu martírio, nos obrigue a abandonar postulados religiosos quietistas, acomodatícios, fatalistas (Calvino, disse num triste momento: “Deus não somente previu a queda do primeiro homem, e nela a ruína de toda a posteridade, como também a quis; concordando com o Alcorão: Deus perdoa a quem quer e tortura a quem bem entende”). Talvez isso nos force a romper com ideologias e dogmas políticos ou religiosos, para cantarmos com sinceridade o cântico das multidões: “Hosanas! Bendito ‘somente’ aquele que vem em nome do Senhor”.


• Derval Dasilio é pastor da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil. www.derv.wordpress.com

Siga-nos no Twitter!
É pastor emérito da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil e autor de livros como “Pedagogia da Ganância" (2013) e "O Dragão que Habita em Nós” (2010).
  • Textos publicados: 94 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.