Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Advogado desmente libertação de Meriam Ibrahim

O advogado de defesa da sudanesa Meriam Ibrahim, Elshareef Ali Elshareef Mohammed, afirmou que as notícias de que sua cliente seria libertada em pouco tempo são inverídicas e “absurdas” e que a família não foi notificada sobre sua soltura.

Em uma entrevista ao Channel 4 News, o advogado esclareceu que Meriam está em um hospital prisional superlotado, depois de ter dados à luz à filha Maya na semana passada. Ele assegurou que o local não é apropriado para uma mãe e que ela teria sido submetida ao parto com os pés presos em correntes.

Meriam foi condenada à morte por professar a fé cristã e ter se casado com um cidadão americano e também cristão, Daniel Wani. O sistema judicial local, que segue a estrita Lei islâmica Sharia, a considerou porém muçulmana pelo fato de seu pai professar a fé em Alá. Pela regra, somente a religião paterna é considerada e ela estaria incorrendo em apostasia por ter abandonado o Islã.

No último sábado (31/05), um oficial da chancelaria sudanesa disse à BBC que Meriam seria libertada nos próximos dias mas estaria “aguardando os procedimentos legais que seriam aplicados pelo poder judicial e o ministério da Justiça”.

Elshareef esclareceu que qualquer decisão de libertar a prisioneira deve ser feita através de uma apelação à corte, e isso poderia levar meses. Para ele, a intenção do oficial sudanês foi de interromper a campanha mundial em favor de Meriam com ao fato inverídico sobre sua libertação.

Pela lei sudanesa, uma mulher grávida sentenciada à morte pode cuidar do bebê por dois anos antes de ser executada. Pelo crime de apostasia, ela também foi condenada a receber 100 chibatadas, o que pode ocorrer a qualquer momento,

O caso repercutiu internacionalmente e autoridades como o Primeiro Ministro britânico David Cameron se manifestaram sua posição em favor da libertação da sudanesa.

• Com informações do Gospel Voice. Texto: Jussara Teixeira.

Foto: Meriam Ishag foi considerada culpada de “apostasia e adultério” (Foto: Reprodução/catholic.org)
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1220 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.