Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Capa

A expressão “ficha limpa” está na Bíblia e deveria ser a condição sine qua non para a ordenação de diáconos e presbíteros

Um milhão e trezentos mil brasileiros assinaram o projeto de lei idealizado pelo juiz Márlon Reis que se tornou a Lei Complementar nº 135/2010, mais conhecida pelo nome popular Ficha Limpa, sancionada pelo Presidente da República em 4 de junho de 2010, depois de aprovada tanto na Câmara dos Deputados como no Senado Federal. A lei torna inelegível por oito anos o candidato que tiver mandato cassado, renunciar para evitar a cassação ou for condenado por decisão de órgão colegiado, mesmo que ainda exista a possibilidade de recursos.

Curioso é que a ideia de ficha limpa é um capítulo de grande importância na Bíblia. O candidato aos cargos de diáconos, presbíteros, pastores e bispos deveriam ser pessoas “que ninguém possa culpar de nada” (1Tm 3.2; Tt 1.7). Paulo diz a Timóteo que ele deveria fugir das paixões da mocidade e procurar viver uma vida correta (2Tm 2.22). Mais ainda, cada novo convertido à fé cristã “torna-se uma pessoa totalmente nova por dentro”, não é mais a mesma pessoa de antes, deve ser um crente de ficha limpa (2Co 5.17).

Há mais de 3 mil anos, já se falava em ficha limpa no Antigo Testamento. A pessoa que era perdoada tinha o seu pecado apagado, coberto, enterrado, relevado ou perdoado. Em outras palavras, a sua ficha, antes manchada, ficava limpa -- o que não a isentava, contudo, de reconhecer o erro cometido diante de Deus (Sl 51) ou da pessoa defraudada (Lc 19.1-8). A versão da Bíblia em linguagem contemporânea A Mensagem, de Eugene H. Peterson, traduz assim o primeiro verso do Salmo 32: “Considere-se afortunado, feliz mesmo: você que ganhou um novo começo e cuja ficha está limpa”.

Já bem velho e de cabelos brancos, depois de ter liderado o povo de Israel por muitos anos, o profeta Samuel encerrou sua carreira como um religioso de ficha limpa:

“Eu fiz o que me pediram: dei a vocês um rei para governá-los. Agora vocês têm um rei que os guiará. Quanto a mim, já estou velho, de cabelos brancos, e os meus filhos estão com vocês. Fui o seu líder desde a minha mocidade, até hoje. Aqui estou eu. Se fiz alguma coisa errada, me acusem agora, na presença do Senhor Deus e do rei que ele escolheu. Por acaso, tomei o boi ou o jumento de alguém? Enganei ou persegui alguém? Recebi dinheiro de alguém para torcer a justiça? Se fiz alguma dessas coisas, eu devolverei o que tirei” (1Sm 12.1-3).

Quando o velhinho fechou a boca, o povo abriu a sua boca e afirmou: “O senhor não nos enganou, nem nos perseguiu e não tomou nada de ninguém” (1Sm 12.4)

Quantas autoridades religiosas hoje ouviram as mesmas palavras que Samuel ouviu?

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.