Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Capa

Avivamento que não gera empolgação por Jesus não é autêntico

É de se esperar que um avivamento traga Jesus de volta ao púlpito e aos bancos da igreja. Não apenas aquele Jesus passado e repassado de geração em geração, mas também o Jesus assimilado, que empolga e perturba. Não apenas aquele Jesus de Belém, Nazaré, Cafarnaum, Jerusalém, Caná da Galileia, Sicar, Gerasa e da região mediterrânea, mas também o Jesus que no princípio mais remoto já era Deus e estava com Deus, que hoje está assentado à direita de Deus e amanhã voltará em poder e glória. Não apenas o Jesus conhecido por suas conversas, parábolas, respostas, orações, curas e milagres, mas também o Jesus plenamente divino e plenamente humano. Não apenas o Jesus condenado à morte pelo poder religioso e pelo poder civil, mas também o Jesus que “foi eliminado da terra dos viventes e por causa da transgressão do seu povo foi golpeado” (Is 53.8). Não apenas o Jesus que experimentou a morte cardíaca e a morte cerebral e que, uma vez morto, foi sepultado, mas também o Jesus que afastou do corpo as faixas de linho e da cabeça o lenço que lá estivera, que levantou-se do frio leito de pedra, que fez rolar a tampa do sepulcro e dele saiu, “depois de ter realizado a purificação dos pecados” (Hb 1.3).

Se em tempos de avivamento houver mais curas e milagres do que certezas e empolgação pela pessoa de Jesus, não seria juízo temerário duvidar da sua autenticidade. Quando houver derramamento do Espírito Santo, o joelho obrigatoriamente se dobrará ao nome dele e a língua obrigatoriamente confessará que Jesus é o Senhor, para a glória de Deus Pai (Fp 2.10-11). Porque o Espírito remove o véu que encobre a beleza de Jesus e nos livra de perder o Senhor de vista. O próprio Jesus deu testemunho a esse respeito quando instituiu a Ceia do Senhor em memória contínua dele, naquela sala grande, mobiliada (guarnecida de almofadas) e arrumada em Jerusalém na noite em que foi traído:

“O Espírito Santo que o Pai vai enviar em meu nome, ensinará a vocês todas as coisas e ‘fará’ com que lembrem de tudo o que eu disse a vocês” (Jo 14.26, NTLH).

“O Espírito da verdade, que vem do Pai, falará a respeito de mim” (Jo 15.26, NTLH).

“[O Espírito Santo] me louvará, e trará grande honra para mim ao mostrar para vocês a minha glória” (Jo 16.14, BV).

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.