Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Capa

O Martin Luther do século 20: “Eu tenho um sonho...”

Filho e neto de pastores batistas negros, Martin Luther King nasceu em Atlanta, capital do Estado norte-americano da Geórgia, em 1929. Foi o mais notável defensor cristão de mudanças sociais por vias não-violentas dos Estados Unidos. Fez teologia no Seminário Teológico Crozer e obteve o grau de doutor em Filosofia pela Universidade de Boston, após defender uma tese sobre o teólogo alemão naturalizado americano Paul Tillich, de quem foi contemporâneo até 1965.

Desde os 20 anos admirador e estudioso do famoso pacifista indiano Mahatma Gandhi, assassinado em 1948, aos 79 anos, Luther King, no início de seu pastorado à frente da Igreja Batista da Avenida Dexter, em Montgomery, no Alabama, soube que uma tal de Rosa Parks, negra, havia sido presa por assentar-se na parte da frente de um ônibus, reservada por lei aos brancos. A essa altura, King já não se conformava com a discriminação salarial dos operários negros, que recebiam menos que os brancos embora fazendo o mesmo trabalho. Então partiu para a sagrada luta pela igualdade social, organizando um bem-sucedido boicote ao sistema de transportes urbanos. Afinal, a maioria dos usuários de ônibus eram negros. Certos de que “era mais honroso andar pelas ruas com dignidade do que andar de ônibus e serem humilhados”, os negros, ao fim de um ano, venceram a batalha da segregação.

Em 1957, com 28 anos apenas, King organizou a Conferência Sulista de Liderança Cristã e começou a viajar pelas cidades do sul (Jackson, Selma, Meridian e Birmingham). Tornou-se conhecido em todo país e no exterior no início da década de 1960. Em 1963 foi preso por ter liderado uma marcha de protesto em Birmingham. Em sua Carta de Uma Prisão, King denunciou: “A injustiça em qualquer lugar ameaça a justiça em todo lugar”. Alertado por alguns conservadores de que deveria caminhar mais devagar, respondeu: “Quando você for acossado durante o dia e assombrado à noite simplesmente pelo fato de ser negro, e tiver de andar continuamente pisando em ovos, sem nunca saber o que esperar, além de ser incomodado por temores interiores e ressentimentos exteriores — então você entenderá por que achamos difícil esperar”.

Seu mais notável feito foi a chamada Marcha sobre Washington, realizada em agosto de 1963, com a participação de mais de 200 mil pessoas. Nessa ocasião, pregou o seu mais conhecido sermão:

“Eu tenho um sonho. Um dia, meus quatro filhos vão viver num país onde não serão julgados pela cor da sua pele, mas pelo seu caráter... Com esta fé, seremos capazes de extrair da montanha do desespero a pedra da esperança. Com esta fé, seremos capazes de transformar as contendas desarmoniosas de nossa nação em uma maravilhosa sinfonia de irmandade. Com esta fé, seremos capazes de trabalhar juntos, orar juntos... na certeza de que um dia seremos livres”.

O sonho de King começou a se cumprir no ano seguinte (1964) com a aprovação da Lei de Direitos Civis. Nesse mesmo ano, recebeu o prêmio Nobel da Paz. Em 1965, a Lei de Direito ao Voto foi aprovada pelo Congresso. Nessa ocasião, King declarou que “injustiça social, racismo, pobreza e guerra estão indissoluvelmente unidos”.

Apoiado a princípio apenas pelos ministros protestantes negros, entre eles Jesse Jackson, em pouco tempo King passou a ter o apoio de brancos, católicos e judeus. Alguns dos seus principais oponentes também eram evangélicos.

No dia 4 de abril de 1968, Martin Luther King, menos de três meses depois de completar 39 anos, enquanto conversava com alguns amigos no corredor de um hotel em Memphis, no Tenessee, onde estava em apoio a uma greve dos coletores de lixo, foi mortalmente alvejado por um opositor. Teve a mesma sorte de Mahatma Gandhi, porém viveu apenas metade do tempo que viveu o pacifista indiano.

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.