logo ultimato
  • Seja bem-vindo Visitante!
  • Cadastre-se
  • facebook
  • twitter
  • rss
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Esqueci minha senha

Capa

Isaque e Rebeca

Isaque, o filho da promessa, era um quarentão quando se casou com Rebeca, neta do irmão de Abraão, residente na Mesopotâmia (atual Iraque). A essa altura, Sara havia morrido três anos antes e Abraão já não era viúvo.

O casamento de Isaque foi precedido de muitos cuidados e muita oração. Os noivos se juntaram certos da inequívoca direção de Deus. Mas Isaque não se ligou a Rebeca apenas porque era a mulher indicada: ele também a amou (Gn 24.67). À semelhança de Sara, Rebeca era “muito bonita” (Gn 24.16) e solícita.

O primeiro problema do casal foi a esterilidade de Rebeca durante os primeiros 20 anos de casamento. Todavia Rebeca não arranjou nenhuma “Hagar” para o marido. Isaque fez questão de enfrentar a situação adversa por meio da oração. O Senhor ouviu o perseverante clamor de Isaque, e Rebeca engravidou. Quando nasceram os gêmeos Esaú e Jacó, o casal comemorava suas bodas de porcelana (20 anos) e Isaque estava com 60 anos (Gn 25.26).

Houve um episódio desagradável que poderia ter sido evitado se Isaque tivesse aprendido com o erro do pai. Estando muito tempo em Gerar, Isaque espalhou a notícia de que Rebeca era sua irmã. Mas ele se traiu, ao ser flagrado em carícias íntimas com sua esposa pelo olhar indiscreto do rei de Gerar do alto de uma janela (Gn 26.8). Abimeleque estava de olho em Rebeca e queria levá-la para o palácio certo de que ela era irmã, e não esposa, de Isaque.

Porque Rebeca amava mais a Jacó do que a Esaú e porque Isaque amava mais a Esaú do que a Jacó (Gn 25.28), a harmonia conjugal e familiar tornou-se cada vez mais difícil. O casamento de Esaú com duas mulheres hititas no ano em que os pais comemoravam bodas de diamante (60 anos) complicou ainda mais a vida do casal, pois as duas noras “amarguravam a vida de Isaque e de Rebeca” (Gn 26.25). O caldo entornou quando Isaque resolveu abençoar Esaú e não Jacó, e quando Rebeca resolveu enganar o marido em favor de Jacó e em detrimento de Esaú. A família estava dolorosamente partida: de um lado Isaque e Esaú; do outro, Rebeca e Jacó. Os esforços em contrário de um e de outro produziram muita sujeira ética: engano, mentira, trapaça, desrespeito pelas cãs e pela cegueira de uma pessoa idosa, ira, desejo de vingança etc. Para evitar o pior — a repetição do que acontecera com Caim e Abel —, Jacó fugiu para a casa dos avós maternos, na Mesopotâmia, onde viveu muitos anos. Esaú, por sua vez, para agradar o pai, foi à casa de Ismael, seu tio paterno, e tomou para si mais uma mulher. Chamava-se Maalate e era, como ele, neta de Abraão (Gn 28.1-9). A essa altura, Isaque, que era meio-irmão de Ismael, tinha mais seis meios-irmãos, pequenos, filhos de Quetura, segunda esposa de Abraão (Gn 25.1-4).

Opinião do leitor

comentar
Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.