Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Seções — Abertura 2

Dedo mínimo grosso demais


Autoridade e tirania são duas prerrogativas muito diferentes. É mais fácil acatar a autoridade do que a tirania. O princípio da autoridade promana de Deus, enquanto a tirania é produzida pelo pecado. A autoridade é o direito ou o poder de governar, de superintender, de manter a ordem e, portanto, de se fazer ouvir e obedecer. A tirania é o exercício desse poder ou dessa autoridade de forma opressiva e ditatorial. Os ingredientes da tirania são a vaidade, a prepotência, a injustiça, a crueldade e o rigor excessivo.

A tirania é um círculo vicioso, pois, para se manter, precisa cada vez mais de muita propaganda, muita justificativa, muita força e muita violência. Quanto mais brutal, mais se enfraquece a tirania. O capítulo final de qualquer tirania é a sua completa derrocada, mais cedo ou mais tarde, depois da qual canta-se o motejo: “Como cessou o opressor! Como acabou a tirania!” (Is 14.4.)

Deus tem o costume de quebrar “a vara dos perversos e o cetro dos dominadores” (Is 14.5), de calar “o hino triunfal dos tiranos” (Is 25.5) e de dissolver “a multidão dos tiranos como a palha que voa” (Is 29.5). Ele faz isso sozinho ou por meio dos próprios oprimidos, quando estes se enchem de impaciência e se rebelam contra os tiranos.

A lei de Moisés proíbe a prática da tirania até nas relações sociais: os israelitas que têm uma boa condição econômica não devem se assenhorear com tirania de seu irmão empobrecido (Lv 25.43, 46 e 53).

Esse é o pecado de alguns governantes, de alguns senhores, de alguns mestres, de alguns ministros de religião, de alguns maridos e de alguns pais. Daí as exortações bíblicas: “Maridos, amai as vossas esposas, e não as trateis com amargura” (Cl 3.19) e “Pais, não irriteis os vossos filhos, para que não fiquem desanimados” (Cl 3.21).

Quando o povo pediu a Roboão que aliviasse um pouco o pesado jugo imposto por seu pai, Salomão, o rei o ameaçou e respondeu: “Meu dedo mínimo é mais grosso do que os lombos de meu pai” (1 Rs 12.10). Porque governou a nação desse jeito, com jugo mais pesado do que o anterior, o reino se dividiu para sempre. O sucesso da tirania é apenas aparente e dura muito pouco.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.