Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Jacó, a personificação da ovelha negra da família

Por Carlos “Catito” Grzybowski

Parece engraçado, ou melhor, tragicômico, que boa parte das famílias narra a presença de um membro dissonante no seio familiar que é identificado popularmente com o estigma de “ovelha negra”.

Esse “ramo torto” ou “problemático” na família não é algo novo no panorama das famílias no mundo. Vemos na Bíblia, na família dos patriarcas, que Jacó é identificado como “o enganador” (ou mentiroso), mas se realizarmos uma leitura mais minuciosa dos textos sagrados vamos verificar que a mentira e o engano estão presentes nesta família desde Abraão, seu avô!

A mentira era algo que Deus vinha tratando na família de Abraão desde seu chamamento. Já no capítulo 12 de Gênesis vemos um Abraão que, por medo, cria uma "meia-verdade" (Gênesis 12:12-13) e mais tarde repete o mesmo equívoco com a mesma motivação (Gênesis 20:1-18). Seu filho Isaque utiliza exatamente do mesmo argumento e com as mesmas motivações (Gênesis 26:6-11). Interessante observar que ambos mentem depois de terem recebido a promessa de Deus de cuidado e proteção e de multiplicação da descendência.

Quando Jacó mente para receber a benção do pai (Gênesis 27: 1-46) podemos verificar que quem elabora claramente a estratégia mentirosa é a mãe, Rebeca (Gênesis 27:8). Ela não somente articulou todo o plano como também colocou Jacó contra a parede. Suas opções eram: mentira ou desobediência (Gênesis 27:13).

Se observarmos também a família de Rebeca, veremos que a mentira era algo bastante comum naquela família. Labão, irmão de Rebeca, engana o genro e depois as próprias filhas (Gênesis 31:7; 31:15); a própria Rebeca mente duas vezes somente no episódio que estamos abordando (Gênesis 27: 9-10 e 45-46). A filha de Labão, por quem Jacó se apaixona perdidamente e por quem trabalha por 14 anos, Raquel, rouba os ídolos de seu pai e mente dizendo nada saber a respeito (Gênesis 31: 30-35).

Entretanto, em meio a tantos hábeis mentirosos, Jacó é personificado como enganador e seu irmão, Esaú, lembra que ele só poderia proceder assim porque "... justamente este é seu nome..." (Genesis 26:36).

Obviamente que não estamos afirmando que, nesta família, Jacó é isento de toda e qualquer responsabilidade, mas sim que, com toda a certeza, ele não é o único enganador, mas foi escolhido como o “porta-voz” da falibilidade familiar, ou, nos termos populares de hoje em dia, a “ovelha negra” da família.

Assim nos parece que Deus permite tais personificações das expressões do pecado (no caso da família dos patriarcas – a mentira) somente porque quer eliminar as mesmas, tratando com a pessoa por intermédio de sua graça.

Seguindo a leitura das Escrituras vamos observar que a restauração total de Jacó acontece muitos anos depois, quando ele se defronta com o próprio Deus e luta intensamente com Ele no vale da Jaboque. Ali Deus o faz lembrar-se de seu nome, sua origem, sua herança, a carga familiar da mentira que ele representava e então Deus lhe muda o nome (Gênesis 32:22-32).

O sinal mais visível da restauração vem encarnar-se na geração seguinte, em um de seus filhos, José, que é símbolo bíblico de integridade. José assumiu postos de poder (Gênesis 39:3-6; 39:21-23; 41:41-43), mas não deixa-se corromper pelo poder. Tampouco cede à sedução mentirosa do pecado e prefere voltar à prisão a mentir para seu amo! (Gênesis 39: 10-20).

José realmente rompe com a herança do engano, da mentira e torna-se posteriormente instrumento de libertação dessa mesma família.

Nós também somos chamados a rompermos cadeias de comportamentos expressos em nossas famílias de origem que sejam antivalores do Reino de Deus. Talvez alguns de nós tenhamos “personificado” a falibilidade familiar e sejamos estigmatizados como “ovelhas negras” dentro de nossas famílias, mas devemos ter a certeza que isso pode ser rompido!

Tal rompimento se dá através de um encontro real com o Deus Encarnado na pessoa de Jesus Cristo e com um compromisso profundo com os valores do Reino de Deus.

• Carlos “Catito” Grzybowski é psicólogo e terapeuta familiar, coordenador de EIRENE do Brasil.

Leia mais
Ovelhas negras da família - responsabilidade dos pais?
Acontece nas Melhores Famílias [Carlos “Catito” Grzybowski e Jorge E. Maldonado]
Pais Santos, Filhos Nem Tanto [Carlos “Catito” Grzybowski]

Foto: Pixabay.com.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.