Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Descanso para sentir. Silêncio para ouvir

Por Gladir Cabral

Depois de um ano inteiro de correria, de trabalhos acumulados e estendidos, de rotina exaustiva de tantas buscas, metas a serem alcançadas, produção e mais produção, trabalho e mais trabalho, eis que chegamos ao tempo das férias de verão. Nosso corpo cansado e nossa cabeça atucanada já se haviam desacostumado a descansar. Sentimos que falta algo. Incomodam-nos o ócio, o tédio e a improdutividade. Diria até que uma pitada de culpa vem empanar o brilho destas tão merecidas férias.

No entanto, é preciso lembrar que o descanso entra nas Escrituras primeiramente como parte do movimento criativo de Deus que, após criar o mundo e tudo o que nele há, em seis dias, escolheu o sétimo para descansar, dando-nos um grande exemplo. Como bem lembra Jacques Ellul, a história humana começa quando Deus resolve descansar. E não por acaso, as Escrituras colocam o descanso como mandamento para nossas vidas. Está nas tábuas divinas concedidas a Moisés: “Lembra-te do dia de sábado...”.

Não precisamos de pressa nem de morosidade. Vivamos com atenção o presente, pois afinal “esse é o tempo que importa” (Leon Tolstoy). Aprendamos com a natureza. Os ursos hibernam a cada inverno, assim como vários tipos de árvores, que deixam amarelar e cair suas folhas, à espera do ressurgimento da vida na próxima primavera. Não apenas nosso dia é intercalado com períodos preciosos de descanso (o sono), mas também nossa semana de trabalho é intermeada por dias de repouso e devoção (Sabath). Num ciclo mais longo, precisamos ao fim de um ano de lutas, encontrar lugar e tempo para descanso.

Thomas Merton disse certa vez: “Se não temos nenhum descanso, Deus não abençoa nosso trabalho”, tão importante é o descanso para nossa vida. E assim, aproveitamos o período de repouso para renovar nossa vida espiritual e refletir sobre a caminhada até aqui e os próximos passos a serem trilhados. O descanso é oportunidade para exercício da contemplação, da oração, da meditação. Como sugere filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard, o tempo livre contribui para nosso alimento espiritual. Ou como me disse certa vez um amigo meu, mecânico de caminhão, “no domingo a gente sente a vida”.

O descanso é também uma oportunidade para escapar do poder encantatório do tempo planificado, regulado pela modernidade e pelo mercado. Esse é um grande desafio, já que até mesmo o tempo de lazer está comprometido pela lógica do consumo e do controle. Há, portanto, um quê de resistência no ato de descansar. Configura-se num gesto político autêntico, que rejeita até mesmo a sedução do mercado turístico e da indústria do lazer. O filósofo protestante Jacques Ellul denuncia o caráter idolátrico, religioso do mercado e suas prerrogativas absolutas.

O descanso torna-se mais significativo ainda quando acompanhado de silêncio e arte. No silêncio, na pausa, podemos contemplar a beleza da criação e saborear o mistério da vida. É preciso parar para pensar. É preciso parar para sentir. É preciso parar para digerir o que se passa. Sem silêncio não há palavra, nem poema, nem música. Sem pausa não há movimento nem direção. Como diria Josef Pieper, “o tempo livre é uma condição da alma”.

Em seu livro sobre a arte do silêncio, Pico Iyer escreve que “só os que estão em silêncio podem ouvir”. Parece óbvio, mas no dia a dia acabamos nos esquecendo desse princípio e perdendo pouco a pouco a capacidade de silenciar e, portanto, de ouvir. A própria leitura se enriquece com o descanso, como recomenda Thomas Merton: “Penso que preciso desta colina, deste silêncio, desta geada, para realmente entender este grande poema, viver nele”.

O descanso é providencial também para fertilizar nossa criatividade e inspirar nossa imaginação. É nesse contexto de relaxamento que a arte se torna possível. Nascem canções, quadros, poemas, livros. E ouvimos Mário Quintana ao dizer: “O que prejudica a minha preguiça prejudica o meu trabalho”, pois não há como ser criativo sem certa medida de ócio santo.

Talvez a melhor definição de descanso seja esta de Thomas Merton: “Para esta tarde tornar-se minha própria eternidade, ela deve ser minha própria tarde, e eu devo possuir a mim mesmo nela, não ser possuído por livros, por ideias que não são minhas, por uma compulsão para produzir o que ninguém necessita. Mas simplesmente glorificar a Deus ao aceitar seu dom e seu trabalho. Servi-lo é trabalhar de modo que eu mesmo possa viver”.

*****

Comece sua semana ouvindo a canção “Lindrin”, de Gladir Cabral, interpretada por Airô Barros:



Além da canção, Gladir tem outras duas indicações: o livro Meditatio, de Osmar Ludovico, publicado pela Mundo Cristão (2007), e O Caminho do Coração, de Ricardo Barbosa de Sousa, publicado pela Encontro (2004).

Leia também
Para que descansar? [Esly Regina Carvalho]
O ritmo da criação [Valdir Steuernagel]
Férias de que? O desafio de desplugar-se [Taís Machado]
Problema espiritual ou falta de fperias? [John Stott]
Trabalho, Descanso e Dinheiro – Uma abordagem bíblica [Timóteo Carriker]

Foto: Blickpixel/Pixabay.com.
É pastor, músico e professor de letras na Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc). Acompanhe o seu blog pessoal.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.