Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Como falar de ética e política para crianças

Por Márcia Barbutti

Nunca fomos tão ávidos por manifestar nossas opiniões sobre os mais variados assuntos.

Estamos, em geral, prontos para colocar a “boca no trombone”, ou melhor, “os dedos no teclado” do notebook ou smartphone e, rapidamente, nos tornamos especialistas em esportes, religião e política, sem mencionar os compartilhamentos de memes nas redes sociais e no WhatsApp que, em muitos casos, ridicularizam pessoas das diferentes esferas da sociedade.

As crianças não estão alheias a toda essa forma de expressão. E quando o assunto é política fica o tremendo desafio: como pais (e professores) devem falar sobre ética, respeito e política em meio a um mar de lama e corrupção?

Para início de conversa é necessário salientar dois pontos.

O primeiro é sobre como a criança aprende. Ela aprende por meio da observação. Ou seja, as suas palavras durante um noticiário, comentários em rodas de amigos e a forma como você trata pessoas com posições contrárias a sua, influenciarão diretamente na forma de agir da criança. Ela aprende por meio da instrução. Os pais têm o dever de instruir seus filhos a serem respeitosos em toda ocasião e que esse respeito se estende a todas as pessoas e em todos os lugares. Ela também aprende pela correção. Corrigir da forma apropriada mostra com clareza que existem limites e encoraja o respeito mútuo.

O segundo ponto tem a ver com o quando tratar desse assunto. É importante que os pais estejam atentos às indagações e comentários do seu filho. A conversa que se inicia a partir das perguntas, da curiosidade ou comentários da criança tende a ser mais eficaz. Por isso, responda de forma sucinta e clara, mostre-se aberto para que a criança pergunte mais e assim vocês poderão estender a conversa. Lembre-se que você também pode indagar a criança, fazendo-a refletir sobre uma situação ou sobre o que ela falou ou sentiu. Não force a barra para ter essa conversa séria com ela. Porém, é necessário que ela seja instruída para saber como nós, cristãos, devemos agir frente aos nossos governantes.

A seguir, um papo com uma criança entre 5 e 7 anos com base no texto de 1Pedro 2.13-17. Leia antes de continuar, combinado?

Peça para a criança desenhar um rei, ou improvise uma roupa real para um boneco ou veja uma imagem no Google. Amplie a brincadeira fazendo-a imaginar que se trata de um rei muito bom e querido por todos os seus súditos e que vocês dois estão diante dele. O que devemos fazer? Façam as reverências, demonstrem a alegria e emoção. Em seguida, mude o cenário: imaginar um rei muito mau. O que ele faz para todos dizerem que ele é mau? Falem das atitudes erradas desse rei. Ainda no campo da imaginação, diga que vocês estão diante desse rei mau, muito mau. O que devemos fazer? Seu filho deve se expressar sem interferências nesse momento, mesmo que você não concorde com suas ideias.

Veja aqui uma breve apresentação em PowerPoint para essa conversa.

Você sabia que a Bíblia fala como a gente deve tratar o rei, ou melhor, como tratar todas as autoridades? Mas será que fala até de rei mau? Vamos ver.

Para começar, a gente precisa lembrar de um dos discípulos de Jesus, Pedro. O que você sabe sobre ele? Depois que Jesus morreu, ressuscitou e voltou para o céu, Pedro se tornou um dos líderes da igreja. Ele ensinava as pessoas sobre Jesus, mas isso nem sempre acabava bem. Pedro foi preso muitas vezes. Mas quem mandava prender um homem que não estava fazendo nada de mal ou de errado? (Tempo pra comentar). No começo foram os líderes dos judeus (líderes religiosos), mas depois foram os governantes. Começou com os governantes da cidade, depois passou para autoridades maiores, maiores... até o próprio Imperador, um tipo de rei que manda em tudo e em todos, mandou maltratar e prender os cristãos, inclusive Pedro. E eles não estavam fazendo nada de errado. Você acha que um imperador assim é bom ou mau? Isso mesmo, muito mau. O nome desse imperador era Nero e ele foi um dos piores que já existiu. Ele era mau com as pessoas da sua família, ele só fingia que se importava com o povo, mas ele nem queria saber deles, era maldade todos os dias.

Agora vamos voltar para Pedro. Ele era o líder da igreja lembra? Uma das coisas que um líder faz é ensinar as pessoas sobre Deus e sobre como viver para agradar ao Senhor. Pedro fazia isso falando e também escrevendo cartas (se fosse hoje ele poderia ter um site, um canal no YouTube ou passar muitas mensagens pelo WhatsApp). Aqui na Bíblia tem duas cartas que Pedro escreveu. Ele escreveu a primeira carta para os cristãos de várias cidades que estavam sofrendo simplesmente porque acreditavam em Jesus e falavam que ele havia morrido e ressuscitado. Nessa carta, Pedro falou sobre como agir com as autoridades, inclusive com o imperador que era muito mau. O que você acha que ele escreveu? (Tempo pra comentar). Eu vou ler: “Por causa do Senhor, sejam obedientes a toda autoridade humana: ao Imperador, que é a mais alta autoridade” (1Pedro 2.13 NTLH). Será que eu li certo? Pedro está dizendo que os cristãos devem ser obedientes a um imperador mau? É isso mesmo. Sabe, Pedro entendia uma coisa muito importante: Deus, o nosso Senhor, tem tudo sob controle, mesmo que as coisas pareçam horríveis, Deus está atento a tudo (Pv 21.1). O imperador mau não estava ali porque Deus esqueceu de tirá-lo, ou porque não conseguia fazer nada nesse caso. Não é assim! Deus sabe de tudo e controla tudo e ele quer que seus filhos sejam obedientes e respeitosos em todo o tempo e com todas as pessoas, mesmo quando é difícil. A gente consegue fazer isso sozinhos? Não! Mas por amor ao Senhor e com a ajuda dele, a gente consegue!

Ah, mas isso quer dizer que não podemos fazer nada quando um Imperador, ou um presidente ou qualquer outro governante estiver fazendo coisas erradas? Nada disso. Nós podemos falar, escrever, protestar nas ruas, mas sem desrespeitar as autoridades com palavras feias, com raiva ou com piadinhas de mau gosto. E continuar fazendo o que é certo, mesmo que os outros estejam fazendo o contrário (Tt 3.1). E tem mais, nós podemos mudar de governante! Pra isso, os jovens e adultos ficam de olho nos candidatos, escolhem quem realmente quer trabalhar para o nosso país e votam nele.

Tem muita coisa ruim acontecendo no nosso Brasil, muitos governantes tem pensado mais em ficar rico do que cuidar do povo, por isso eles mentem e roubam. Mas não é por isso que vou sair por aí xingando ou maltratando essas pessoas ou quem os defende. O caminho melhor é fazer como Pedro e Paulo ensinaram: “Respeitem todas as pessoas, amem os seus irmãos na fé, temam a Deus e respeitem o Imperador” (1Pe 2.17 NTLH) e “Orem pelos reis e por todos os outros que têm autoridade, para que possamos viver uma vida calma e pacífica, com dedicação a Deus e respeito aos outros. Isso é bom, e Deus, o nosso Salvador, gosta disso” (1Tm 2.2-3).

Ore com seu filho.

>>> CLIQUE AQUI E BAIXE O MATERIAL EM POWER POINT<<<

• Márcia Barbutti é editora assistente da Editora Cultura Cristã, responsável pelos materiais infanto-juvenis.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.