Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Capa

Reforma -- O que é

“Reformada, sempre reformando em direção ao Verbo”

Se a Reforma fosse apenas uma reação negativa a um problema puramente histórico, então não seria relevante hoje para os evangélicos. Contudo, quanto mais de perto se observar, mais claro isso se torna: a Reforma não foi, principalmente, um movimento negativo, um distanciamento de Roma; foi um movimento positivo, um mover-se emdireção ao evangelho. E mover-se em direção ao evangelho significa descobrir o cristianismo original, bíblico, apostólico, que àquela altura estava enterrado debaixo de séculos de tradições humanas. É isso que mantém a validade da Reforma nos dias de hoje, pois a Igreja deve estar sempre reformando e constantemente chegando mais perto do evangelho. Essa ideia é sintetizada por duas palavras que escutamos com frequência: “semper reformanda”. Porém, seu contexto é importante, pois a frase completa em latim diz: “Ecclesia reformata et semper reformanda secundum verbum Dei” (“A igreja reformada e sempre reformando de acordo com a Palavra de Deus”). A Reforma não pode acabar. Deve ser uma bandeira evangélica, carregada com humildade e firmeza.

O que estava no coração da Reforma?
A partir do momento em que Lutero compreendeu de Romanos 1 que a justiça de Deus é uma dádiva totalmente imerecida, ele percebeu que essa era a verdade mais importante do mundo. A justificação estava no coração da Reforma, seu elemento essencial.

Para reformadores como Lutero e Calvino, “justificação” queria dizer uma declaração divina de que a justiça de Cristo é atribuída ao que crê somente por causa da graça de Deus (sola gratia). Essa justificação, portanto, é somente pela fé (sola fide) em Cristo, o que significa que toda a glória da salvação é dada somente a Deus, e não a nós. “Nada nesse artigo [da fé] pode ser renunciado ou comprometido”, escreveu Lutero, “mesmo que o céu e a terra e todas as coisas temporárias sejam destruídas.” É a convicção, disse ele, “na qual a igreja se apoia ou cai”.

Se a justificação somente pela fé é o “elemento” essencial da Reforma, a autoridade suprema da Bíblia é seu “meio”. Para obter uma reforma substancial, foi necessária a defesa de Lutero de que as Escrituras são a única base segura para a convicção da fé (sola Scriptura). A Bíblia precisava ser reconhecida como autoridade suprema e autorizada a contradizer e anular todas as outras afirmações, ou ela mesma seria anulada. Em outras palavras, a simples reverência pela Bíblia e o reconhecimento de que ela tem alguma autoridade jamais seriam suficientes para possibilitar a Reforma. "Sola Scriptura" era uma chave indispensável para uma mudança profunda e saudável.

*Trechos extraídos do artigo “A História e a Importância da Reforma”, de Michael Reeves, publicado no livro A Reforma -- O que você precisa saber e por quê.

Leia mais
Textos, vídeos e outros recursos sobre a Reforma

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.