Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias — --

Uma “maluquice” abençoada!

Que coisa esquisita: uma moça de 19 anos que havia acabado de se converter de fato arrumou a trouxa dela e foi morar com os “malucos” -- nome que se dava aos hippies -- na Praça XV de Novembro, em Florianópolis, SC. Ela se apaixonou por eles por terem tudo em comum (como na igreja primitiva): casa, roupa, comida, trabalho e maconha. De coração, ela se tornou hippie naquilo de bonito que havia, amou-os do jeito que eram. Só depois de três meses, a moça e o namorado dela abriram o jogo, apresentaram-se e disseram a serviço de quem estavam vivendo ali com eles. Depois de alguns questionamentos, os “malucos” daquela praça começaram a chamar a moça de “crente hippie”. Nídia -- esse é o nome dela -- passou a ser uma carta lida e a ter a oportunidade de espalhar o perfume de Cristo naquele ambiente malcheiroso.

Aos membros da Igreja Presbiteriana Independente de Estreito da qual Nídia e João também eram membros e a muitos outros crentes assustados com a iniciativa,eles explicavam: “Deus não nos chamou para usar maconha com eles, mas mostrar para eles que era possível ter paz sem maconha”; “Deus não nos mandou usar cocaína com eles, mas revelar para eles que era possível ter coragem e força sem precisar cheirar uma carreira de droga”; “O Senhor não nos enviou para o meio deles para tomar cerveja com os carinhas, mas para eles verem que era possível ser feliz e alegre sem encher a cara com o álcool”.

Isso aconteceu há 34 anos, em 1979. Trinta e cinco “malucos” foram transformados por Deus e 28 deles hoje são missionários em vários países -- Nicarágua, Cuba, Angola, Moçambique, Rússia e dois países árabes. Esse ministério foi oficialmente organizado em 1990 com o nome de Projeto Siloé e se dedica ao socorro de dependentes químicos, alcoólatras e moradores de rua, além de desenvolver um bom trabalho de prevenção de drogas e HIV. Nídia Mafra, que gosta de ser chamada de Bugra (como sinônimo de aguerrido e bravio), acaba de chegar de uma viagem à Itália, onde organizou o Projeto Siloé na cidade de Benevento!

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.