logo ultimato
  • Seja bem-vindo Visitante!
  • Cadastre-se
  • facebook
  • twitter
  • rss
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Esqueci minha senha

Exclusivo Online — A redenção das sete artes: pintura

A redenção das sete artes: pintura

Rafaela Coelho

A identidade da arte está na criação, assim como todos os valores humanos. Deus fez o ser humano criativo e concedeu-lhe a capacidade de ver, conhecer, conceber e reinterpretar com criatividade. Como os demais valores humanos, o processo criativo também foi afetado pela queda. A arte produzida ficou atrelada às funções do sistema. Nos impérios Romano e Napoleônico a arte serviu ao poder; na Idade Média e no Renascimento, serviu à religião com o apelo pela captação de fiéis que sustentavam a posição ociosa do clero; no modernismo, afirmou o pensamento iluminista do ceticismo, se transformando numa arte rasa e niilista. Não ousaremos negar que os valores da arte enquanto técnica são belos e refinados; em todos os períodos da história podemos contemplar obras admiráveis. No entanto, a arte em quase todo o tempo estava -- e está -- presa a funções. Somente na Reforma Protestante ela se faz livre.

No século 16, os artistas que se convertiam ao protestantismo questionavam a posição da Igreja em relação às artes e passavam a buscar outros caminhos. Se aperfeiçoavam na pintura de retratos, naturezas mortas, naturalismo; pintavam cenas cotidianas como aldeões, trabalhadores do campo, casamentos etc. Até quando representavam episódios da Bíblia faziam-no com sinceridade ao representar os personagens, a vestimenta e os lugares; a arte era despretensiosa e não visava anunciar nenhum tipo de poder, nem mesmo o do próprio artista. Os artistas da Holanda protestante foram os precursores dos novos caminhos da arte para o resto da Europa e se tornaram os grandes mestres inovadores da pintura nos séculos 16 e 17. Entre eles estão Rembrandt, Peter Bruegel, Vermeer e Frans Hals.

Segundo Hans Rookmaaker, acadêmico das artes, protestante e fundador do L’Abri1 (Holanda, 1971), “A arte não precisa ser justificada e sim apreciada pela experiência estética que é enriquecedora da vida. A arte foi criada por Deus e tem sua dignidade própria. Não é a função que a faz ser válida; a arte é uma modalidade da vida criada por Deus e tem a função de trazer beleza e enriquecer a vida e não de ser reduzida a funções sistemáticas”.

A arte cristã deve refletir a identidade criacional. Deve haver dimensão sensitiva, unidade na diversidade, fenômeno de estilo e até dimensões éticas. Até a representação do “feio” pode ter sua complexidade, porque ela faz parte da dimensão da vida e tem um sentido dentro da distorção da criação. Um exemplo são as obras do pintor Hieronymus Bosch (século 15), que retratava cenas de pecado e tentação, recorrendo à utilização de figuras simbólicas complexas, originais, imaginativas e caricaturais, muitas das quais eram obscuras, mesmo em seu tempo.

A realidade da vida e do contexto cultural do artista está inserida na obra; não é obrigatório o artista cristão representar cenas bíblicas, mas ele deve voltar os olhos para a criação e perceber que tudo o que é belo em sua complexidade, sublime e digno de valores faz parte do plano de Deus para a humanidade.

Nota
1. O L’Abri (o abrigo, em francês) é uma organização cristã fundada por Francis Schaeffer e sua esposa, Edith, na Suíça, em 1955. Eles abriram sua casa como um ministério para os viajantes curiosos e como um fórum para discutir as crenças filosóficas e religiosas.


• Rafaela Coelho mora em Belo Horizonte, MG, escreve para revistas de arte e dá aulas sobre arte e cristianismo na Caverna de Adulão.

Opinião do leitor

comentar
Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.