Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Seções — Pastorais

É chegada a hora de confessar o seu erro!

Há uma grande riqueza nas palavras proferidas pelo chefe dos copeiros de Faraó, dois anos depois de voltar ao seu emprego no palácio: “Chegou a hora de confessar um erro que cometi” (Gn 41.9, NTLH). O erro ao qual ele se refere é muito mais do que um mero erro. É uma ingratidão sem medida, um pecado grave, cometido contra o já sofrido José, quando estava preso com ele na fortaleza onde eram colocados os presos do rei.

Certa manhã, ao observar que os semblantes do copeiro-mor e do padeiro-mor apresentavam sinais de tristeza, José os interpelou: “Por que vocês estão com essa cara tão triste hoje?” (Gn 40.7, NTLH). A prostração era devido aos estranhos pesadelos que eles haviam tido durante a noite. José mostrou ao copeiro-mor que, no caso dele, o sonho não era nenhum pesadelo, mas a revelação de que ele seria solto e reconduzido à posição anterior, o que aconteceu três dias depois (Gn 40.12-13).

José, que estava preso por causa da calúnia da mulher de Potifar, solicitou ao funcionário do palácio anistiado o mesmo que o ladrão da cruz pediu a Jesus: “Quando você estiver muito bem lá lembre de mim e por favor tenha a bondade de falar a meu respeito com o rei, ajudando-me assim a sair desta cadeia” (Gn 40.14, NTLH). Porém, o chefe dos copeiros se esqueceu de José completamente, demonstrando o alto grau de seu egocentrismo. O filho de Jacó, um rapaz de 28 anos, teve de suportar mais dois anos de cadeia por culpa desse infeliz pecado de omissão. Quando surgiu a necessidade de alguém interpretar os sonhos das vacas gordas e magras de Faraó, o então copeiro-mor se lembrou de José e disse as tais palavras: “Chegou a hora de confessar um erro que cometi”.

No caso do copeiro-mor, foram dois anos de pecado não reconhecido, não confessado e não reparado. No caso dos irmãos de José, o período foi no mínimo dez vezes mais longo. Quando José tinha pouco mais de 17 anos, seus irmãos o venderam a uma caravana de ismaelitas, que por sua vez o vendeu a Potifar, no Egito, e ainda contaram ao pai a falsa informação de que o filho de sua velhice tinha sido dilacerado por um animal selvagem (Gn 37.12-36). Vinte e poucos anos depois, quando José já era governador do Egito (desde os 30) e quando já haviam se passado os sete anos de vacas gordas, os irmãos de José disseram uns aos outros: “Estamos sofrendo por causa daquilo que fizemos com o nosso irmão. Nós vimos a sua aflição quando pedia que tivéssemos pena dele, porém não nos importamos. Por isso agora é a nossa vez de ficarmos aflitos” (Gn 42.21, NTLH).

A confissão pública mesmo só ocorreu por ocasião da segunda ida ao Egito para comprar cereais. Em nome dos irmãos, Judá declarou ao governador ainda sem saber que ele era José: “Deus descobriu o nosso pecado” (Gn 44.16, NTLH). O que o confessando queria dizer não era que, naquele episódio, Deus havia tomado conhecimento dos pecados deles, mas que, no meio daquelas circunstâncias, Deus estava descobrindo diante de todos o pecado até então cuidadosamente escondido.

Mais cedo ou mais tarde, todo mundo, um por um, será obrigado, se não pela consciência, por ser atropelado pela história, a repetir a confissão do copeiro-mor: “Chegou a hora de confessar o meu erro!”.

A necessidade de admitir e confessar o pecado é tão grande que um dos ministérios do Espírito é convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8).

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.