Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias — Mais do que notícias

A esperança cristã deve ocupar o lugar das utopias

“Um outro mundo talvez seja possível”, escreve o brasileiro Gilberto Dupas, 65, presidente do Instituto de Estudos Econômicos Internacionais (IEEI) e autor de “O Mito do Progresso”. Para ele, esta frase seria o exercício da utopia e a negação do narcisismo, “porque é a utopia que nos obriga a olhar em direção a uma sociedade menos injusta”. Dupas não confunde a utopia com a esperança e chega a afirmar que “assim como a esperança, a utopia não morrerá nunca”. 

A esperança cristã é muito superior à capacidade humana de sonhar com um mundo melhor. Os versos de Eduardo Galeano, que Gilberto Dupas transcreve em seu artigo “Acabaram as utopias?” (“Folha de São Paulo”, 05/05/08, p. A3), mostram os limites da utopia: 

“Para que serve a Utopia?
Ela está diante do horizonte
Me aproximo dois passos
E ela se afasta dois passos.
Caminho dez passos
E o horizonte corre
Dez passos mais à frente.
Por muito que eu caminhe
Nunca a alcançarei.
Para que serve a utopia?
Serve para isso: para caminhar.”

Com o exercício da utopia fica-se apenas com os sonhos. É bom sonhar com aquilo que “olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou” (1Co 2.9). Mas o exercício da esperança é incomparavelmente melhor. No bojo da utopia encontramos “imaginação” fértil e otimista. No bojo da esperança encontramos “certeza” fértil e otimista. Enquanto a utopia se distancia cada vez que nos aproximamos dela, a esperança não foge e cada vez estamos mais perto dela. 

Sob a ótica da utopia, a frase “um outro mundo ‘talvez seja possível’” está correta. Sob a ótica da esperança cristã, a declaração está errada. Com o óculo da esperança fundamentada na pessoa de Jesus Cristo, não haveria margem para a dúvida. Então diríamos “um outro mundo ‘é possível’”. A incômoda palavra “talvez” cairia por terra definitivamente. 

A utopia precisa se transformar em esperança. Ela até pode ser um degrau para se chegar à esperança. A caminhada do sonho é bem mais curta que a caminhada da certeza. A utopia produz uma alegria forçada, mas não enganosa, pois todos conhecem sua natureza: ela não promete nada. Comporta-se como um comprimido para afugentar a dor e não a doença. Já a esperança produz uma alegria gerada pela fé, que abraça algo que de fato virá a seu tempo. 

O compromisso com a esperança e não com a utopia usa termos mais absolutos. Não diz “sociedade menos injusta” nem se contenta com o pouco. Mas garante que a justiça fará habitação na nova ordem, nos “novos céus e nova terra” (2Pe 3.13). 

A ponta inicial da corda da esperança foi colocada nas mãos dos homens quando a harmonia do gênero humano e da natureza com o Criador foi quebrada (Gn 3.15). A outra ponta está na consumação do século, no fim da história, na plenitude da salvação. Nossa caminhada não é indefinida nem eterna, como se nada acontecesse em algum ponto do enredo, como se a glória por vir não estivesse na agenda de Deus. Quem usa a corda que liga o paraíso perdido ao paraíso recuperado como guia de corrimão não precisa da utopia. Ele está absolutamente certo de que o pecado, a injustiça e a morte (“os céus e a terra que agora existem”) serão realmente banidos para dar lugar àquilo que “olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou” (“novos céus e nova terra”). Graças à soberania e ao amor de Deus, que nos enviou Jesus Cristo para remover o pecado do mundo (Jo 1.29) e fazer novas todas as coisas (Ap 21.5)!

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.