Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Não existe cristianismo sem Cristo

Por Ultimatoonline

A fé cristã e a vida cristã autênticas têm como base a centralidade de Jesus Cristo. O que isso significa?

Quais as implicações de uma fé e vida cristã cristocêntrica? Como desenvolver nosso relacionamento com Cristo? Como Jesus Cristo pode se tornar real a ponto de ocupar o lugar central em nossa vida? Para Stott, o processo de crescimento e maturidade cristã está, de modo misterioso e apaixonante, nas respostas a essas questões.

E, pode parecer estranho, mas é a “teologia das preposições” que torna fascinante, e também prática, a leitura de A Vida em Cristo. E não é por outra razão que o subtítulo original do livro é: “Uma investigação sobre a teologia das preposições”.

Para John Stott, tais preposições são indicadores de verdades teológicas profundas. E muitas são empregadas para retratar a riqueza da relação de um cristão com Cristo: “É-nos dito que devemos viver nossa vida “com” ele e “por” ele, e ser “como” ele. Nosso relacionamento com Cristo é, portanto, revelado como um diamante multifacetado de grande beleza”.

É verdade que o termo “cristianismo” não aparece na Bíblia. Esse “título” aparece apenas três vezes no Novo Testamento. E o próprio Jesus nunca o usou. O termo também não é encontrado em nenhum dos quatro Evangelhos. No entanto, não existe cristianismo sem Cristo.

Numa época cada vez mais pluralista, John Stott insiste na centralidade de Jesus Cristo como uma das marcas distintivas do cristianismo: “Se somos ’discípulos’ e ‘os que creem’, é Jesus que procuramos seguir e é nele que procuramos confiar. Se somos ‘povo santo’, é pela fé em Jesus que passamos a pertencer ao povo de Deus (At 26.18). Se somos ‘irmãos e irmãs’, é ele que chamou seus seguidores por esse nome e, assim, tornou-se nosso irmão mais velho na família de Deus (Mc 3.33-35; Hb 2.11-12)”.

Enfim, Deus quer nos tornar semelhantes a Cristo. Como? Com a palavra, JOHN STOTT.
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1187 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.