Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Mais do que uma rima, amor e dor combinam com a fé cristã

Por Paulo F. Ribeiro

[Contém spoilers do livro]

Uma Misericórdia Severa apresenta uma história de amor, tragédia, luta e fé. É uma espécie de autobiografia arrebatadora, que surpreendente e comove pelos elementos inesperados. Sheldon Vanauken narra o nascimento de um “amor pagão”, fruto do relacionamento e dos sonhos que compartilha com sua esposa, Jean Davy.

Publicado em 1977, Uma Misericórdia Severa é vencedor do “National Religious Book of the Year”, em 1980, nos Estados Unidos, e relata o amor de Sheldon e Davy e sua amizade com C.S. Lewis
 
Sheldon e Davy estudaram juntos na Universidade de Yale e, depois, passam o verão navegando antes de se transferirem para a Universidade de Oxford, onde as suas vidas começam a mudar. Entre os novos amigos estava C.S. Lewis. 
 
O casal fica impressionado com Lewis e seus amigos, os quais consideram “cristãos inteligentes”, espirituosos e começam a se perguntar se não haveria algum mérito na fé cristã.  
 
Vanauken e Davy leem todos os livros de Lewis e começam a se abrir para Deus e o cristianismo. Embora ambos estejam desejosos de seguir a caminhada cristã, Davy está bem mais convencida da existência de Deus. Van prefere ser livre e ler sobre Cristo eventualmente.  
 
O casal retorna aos Estados Unidos e Vanauken aceita uma posição de professor no Lynchburg College (hoje Lynchburg University, onde por coincidência, conclui meu MBA), na Virgínia. Eles iniciam um grupo de estudos cristãos com alguns alunos e Davy se envolve fortemente com o grupo. É nesse ponto que Van começa a sentir ciúmes de Deus e de Cristo, e percebe que a religião está quebrando o relacionamento com Davy, pois sua fé é pessoal e não pode ser compartilhada com ele.  
 
Logo depois, Davy é diagnosticada com um vírus mortal. Ela recebe um ano de vida, mas morre alguns meses depois. Em seguida, o livro concentra-se na jornada de luto e de aceitação de Van enquanto lida com a morte daquela que era única e tudo para ele. 

Com a ajuda de C.S. Lewis, Vanauken conclui que Davy, ao morrer, o libertou para explorar sua própria fé. Ele acredita que seu apego a Davy o impediu de ceder totalmente ao seu amor a Deus. Sem ela, ele finalmente é capaz de fazer isso e sabe que era isso que Davy desejava para ele. Assim, seus próprios desejos para a felicidade dela também foram cumpridos: ela agora está realmente feliz por estar com Deus.
 
Uma Misericórdia Severa ganhou leitores cristãos e admiradores em várias partes do mundo. Além da discussão sobre a natureza da religião, a espiritualidade e o amor, Vanauken também apresenta algumas questões importantes como a beleza e a amizade. 
 
Li Uma Misericórdia Severa há 35 anos e, a cada nova leitura, experimento a mesma emoção ao perceber a fé, a vida e a morte, a tristeza e a eternidade vividas nessa história.

A influência e, especialmente, o relacionamento com C.S. Lewis é algo fascinante. Algumas das cartas de Lewis para Sheldon apontam o cerne dos dilemas de muitos daqueles que sofrem com depressão e a tentação do suicídio. Boa parte de sua correspondência – 18 cartas – é revelada no livro. 
 
Tive o prazer de convidar Vanauken para jantar em nossa casa, em 1995, quando morávamos em Lynchburg, Virginia. E, nesse encontro, foram consolidadas a minha apreciação do autor – e do livro –, bem como a amizade de alguém que conviveu com C.S. Lewis diretamente.

Um aviso: não se esqueça de ter uma caixa de lenços bem próxima do livro.  


UMA MISERICÓRDIA SEVERA  |  SHELDON VANAUKEN


“Nenhuma crítica breve pode fazer justiça à profundidade humana deste livro.”
– WASHINGTON POST

Vencedor do National Book Award e do Gold Medallion AwardUma Misericórdia Severa é um relato comovente de uma história de amor em meio à dor e à descoberta da fé. O livro traz dezoito cartas de C. S. Lewis, que, além de testemunhar sua amizade e influência na relação de um homem e uma mulher, apresentam algumas questões universais sobre a fé, a existência de Deus e as razões por trás do sofrimento.

Lançamento nacional em dezembro. 
Doutor em engenharia elétrica pela Universidade de Manchester, na Inglaterra, é pesquisador e professor na Universidade Federal de Itajubá, MG. É originário do Vale do Pajeú e é torcedor do Santa Cruz.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.