Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Igreja Indígena Pataxó comemora 9 anos de existência

Vestido com tangas, cocares na cabeça e corpo pintado com tinta de jenipapo, um grupo de indígenas pataxó dança e canta em sua língua materna ao som de maracás. Curiosos, os visitantes filmam e tiram fotos. Ao final, todos tomam açaí e comem beiju de mandioca, celebrando um ato religioso: a Santa Ceia. Foi assim o encerramento da celebração do nono aniversário da Igreja Indígena Pataxó, localizada na Terra Indígena Fazenda Guarani, no município de Carmésia, Minas Gerais.

Nos dias 19 e 20 de maio, sob a coordenação do pastor Izaías Hitoha Pataxó, irmãos e irmãs da Igreja Indígena Pataxó receberam cerca de cem pessoas para a celebração de mais um aniversário da igreja. Moradores da aldeia e caravanas de cidades como Viçosa, Ipatinga, Timóteo e Belo Horizonte, participaram da comemoração.

Ao abrir as portas para receber os visitantes, a igreja queria promover um momento de sensibilização missionária, encorajando os irmãos não-indígenas a se envolverem com a causa indígena, apoiando, orando e fortalecendo a igreja indígena para que o evangelho chegue a outra etnias que ainda não conhecem o evangelho.

No sábado à tarde aconteceram duas palestras: “Indígenas Urbanos: Um novo desafio missionário para a igreja brasileira” e “Direito Previdenciário”. À noite, houve culto com músicas, apresentações especiais e pregação, que ficou sob a responsabilidade do pastor Jony Almeida, da Igreja Presbiteriana de Viçosa. A celebração encerrou no domingo de manhã, com apresentação da dança tradicional Pataxó, celebração da Santa Ceia e um almoço servido a todos os presentes.

Mudanças culturais: sobrevivência, tradição e tecnologia

Todo o figurino usado pelos indígenas durante a dança são adornos exclusivos para ocasiões especiais. Na verdade, tanto a aparência quanto o modo de vida dos Pataxós podem deixar muitas pessoas surpresas, pois não correspondem àquela imagem estereotipada que muitos têm sobre os povos indígenas.

Na aldeia onde se localiza a Igreja Indígena Pataxó, o visitante encontra motos e carros circulando pela comunidade, casas de alvenarias cobertas com telhas de barro, energia elétrica, sistema de água mineral encanada, sinal de telefonia móvel, serviço de TV a cabo e internet Wi Fi. Há anos as tangas deram lugar às bermudas, calças, camisas e vestidos, os pés descalços foram cobertos com tênis, sapatos e botas, e as pinturas com tinta jenipapo e os outros adereços foram substituídos por maquiagens, brincos de ouro e piercings.

O visitante também não precisa se preocupar quanto à língua, pois os Pataxós falam e entendem perfeitamente o português. Infelizmente, após quase ser extinta, pouco restou do patxohã, a língua materna do povo Pataxó. Mas há iniciativas de revitalização e manutenção para preservar o que ainda existe.

O Fogo de 51

Toda essa mudança cultural não se deu por motivos religiosos. Foi uma adaptação que iniciou por instinto de sobrevivência. Originalmente, o povo Pataxó habitava o extremo sul da Bahia, mas a partir de 1951 muitos foram obrigados a deixar suas terras e migrar para o norte do estado de Minas Gerais.

A migração se deu por conta do episódio que ficou conhecido como o Fogo de 51, ou Revolta de Barra Velha, quando policiais militares atacaram violentamente a aldeia Barra Velha. Contam que alguns indígenas foram enganados por dois homens que haviam prometido ajuda. Na verdade, tratava-se de uma armadilha para incriminar os indígenas. O conflito resultou na morte de indígenas, queima de ocas, estupro de mulheres e tortura de crianças.

Após o ocorrido, os indígenas se dispersaram pela região. Por causa do medo de repressão e da violência, passaram a omitir a identidade indígena e cessaram o uso da língua materna. Casamentos entre indígenas e negros ou brancos, também foi outra maneira de sobreviver, o que provocou uma grande miscigenação.

O povo Pataxó guarda uma história de resistência e luta, assim como muitas outras etnias do Brasil. Nesse contexto, a Igreja Indígena Pataxó se empenha no resgate da cultura, acreditando que o evangelho de Cristo redime vidas, transforma comunidades e valoriza a beleza cultural de cada povo.

Clique aqui e veja a galeria de fotos da celebração do 9º aniversário da Igreja Indígena Pataxó.


Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1096 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.