Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Crianças são vítimas de impactos duradouros da pandemia, aponta relatório

Por Phelipe Reis

Crianças e adolescentes são as principais vítimas ocultas da pandemia do novo coronavírus. Atingido por restrições educacionais, alimentares e de renda, esse público sofreu impactos que podem perdurar por toda a vida. A conclusão é de um relatório produzido por órgão da Organização das Nações Unidas (ONU), publicado em setembro de 2021.

A pandemia provocou uma queda significativa na renda de famílias com crianças e adolescentes, aumentou a insegurança alimentar, as desigualdades e seus efeitos sociais, econômicos e de saúde. De acordo com o documento “Covid-19 e Desenvolvimento Sustentável: avaliando a crise de olho na recuperação”, divulgado em setembro deste ano pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) , os impactos podem perdurar durante toda a vida e ampliar as desigualdades estruturais existentes. Parte da solução depende do reforço de programas sociais para mitigar os efeitos dessa crise sem precedentes, afirma o relatório.

Em outubro de 2020, o Brasil possuía um grupo de mais de 5 milhões de jovens sem direito à educação, seja por não estarem na escola remota ou presencialmente, seja por não terem recebido nenhuma atividade escolar. Na raiz do problema está o fato de que 28% das famílias no país não têm acesso à internet – percentual que é mais alto para famílias de renda menor, chegando a 48% em áreas rurais.

A falta de acesso à escola provoca a interrupção do acesso a serviços básicos importantes proporcionados pelas instituições de ensino, como merenda escolar programas recreativos, atividades extracurriculares, apoio pedagógico, bem como infraestrutura de saúde, água, saneamento e higiene. A situação pode gerar um aumento nas taxas de abandono escolar, trabalho infantil e gravidez na adolescência.

O relatório apresenta algumas propostas para direcionar a execução de políticas públicas. O texto defende que sejam priorizadas ações como a reabertura de escolas com segurança, a promoção de iniciativas para reduzir a exclusão digital, a busca pela redução da pobreza, o fim do trabalho infantil, a geração de oportunidades de formação e acesso ao trabalho a jovens de 14 a 24 anos, o apoio à saúde mental desse grupo e a continuidade de serviços de saúde e nutrição para crianças e adolescentes.

*Informações extraídas de matéria publicada no jornal Folha de São Paulo.
É natural do Amazonas, casado com Luíze e pai da Elis e do Joaquim. Graduado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e mestre em Missiologia no Centro Evangélico de Missões (CEM). É missionário e colaborador do Portal Ultimato.
  • Textos publicados: 168 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.