Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

C. S. Lewis, amor e sexo

Por Paulo F. Ribeiro
 
Entre os muitos tópicos que o C. S. Lewis abordou em seus escritos, um deles, pouco explorado, é o sexo. Lewis trata sobre sexo, ato sexual, sexualidade, castidade, casamento etc, de forma objetiva, direta, sem constrangimento e sem puritanismo.
 
Para uma visão geral, listo abaixo uma série de citações de grande profundidade e até humor sobre um assunto tão polêmico e controverso. Algumas citações foram resumidas e as principais referências são Os Quatro Amores, Milagres, Cristianismo Puro e Simples, entre outros, atualmente publicados pela editora Thomas Nelson.
 
Para facilitar a leitura incluo os hiperlinks por tópico:
 

“O propósito biológico do sexo é a procriação, assim como o propósito biológico de comer é reparar o corpo. Agora, se comermos sempre que sentirmos vontade e o quanto quisermos, é bem verdade que a maioria de nós comerá demais: mas não terrivelmente demais. O apetite vai um pouco além de seu propósito biológico, mas não enormemente. Mas se um jovem saudável satisfizesse seu apetite sexual sempre que tivesse vontade, e se cada ato produzisse um bebê, então em dez anos ele poderia facilmente povoar uma pequena aldeia. Esse apetite está em excesso ridículo e absurdo de sua função.”
 

“Se alguém disser que o sexo, em si, é ruim, o Cristianismo o contradiz imediatamente. Mas, é claro, quando as pessoas dizem: "Sexo não é nada para se envergonhar", elas podem querer dizer "o estado em que o instinto sexual chegou agora não é nada para se envergonhar". Se eles querem dizer isso, acho que estão errados. Acho que é tudo para se envergonhar. Não há nada para se envergonhar em saborear sua comida: haveria tudo para se envergonhar se meio mundo fizesse da comida o principal interesse de suas vidas e passasse o tempo olhando fotos de comida e babando e lambendo os lábios.”
 
“Você encontra pouquíssimas pessoas que desejam comer coisas que realmente não são comida ou fazer outras coisas com comida em vez de comê-la.” Em outras palavras, as perversões do apetite alimentar são raras. Mas as perversões do instinto sexual são numerosas, difíceis de curar e assustadoras. A razão disso é que você e eu, nos últimos tempos, fomos alimentados o dia todo com boas e sólidas mentiras sobre sexo. Disseram-nos, até que nos cansamos de ouvir, que o desejo sexual está no mesmo estado que qualquer um de nossos outros desejos naturais e que se abandonássemos a velha ideia vitoriana tola de silenciá-lo, tudo no jardim seria encantador.
 
 

“Não digo que você e eu somos individualmente responsáveis pela situação atual. Nossos ancestrais nos entregaram organismos que são deformados a esse respeito, e crescemos cercados pela propaganda a favor da impureza. Existem pessoas que querem manter nosso instinto sexual inflamado para ganhar dinheiro com a gente. Porque, claro, um homem com uma obsessão é um homem com pouca resistência à compra e consumo. Deus conhece nossa situação; Ele não nos julgará como se não tivéssemos dificuldades para superar. O que importa é a sinceridade e perseverança de nossa vontade para superá-los.”
 
 

“Em primeiro lugar, nossas naturezas distorcidas, os demônios que nos tentam, e toda a propaganda contemporânea da luxúria, combinam-se para nos fazer sentir que os desejos aos quais estamos resistindo são tão "naturais", tão "saudáveis" e tão razoáveis, que é quase perverso e anormal resistir a eles. Cartaz após cartaz, filme após filme, romance após romance, associe a ideia de indulgência sexual com as ideias de saúde, normalidade, juventude, franqueza e bom humor. Agora, essas associações são uma mentira. Como todas as mentiras poderosas se baseiam em verdades, a verdade neste caso é que o sexo em si (além dos excessos e obsessões que cresceram em torno dele) é "normal" e "saudável", e tudo o mais. A mentira consiste na sugestão de que qualquer ato sexual a que você se sinta tentado no momento também é saudável e normal. . . Isso não faz sentido . . . Para qualquer felicidade, mesmo neste mundo, muita contenção será necessária. . ..”
 
 

“A castidade é a mais impopular das virtudes cristãs.” Não há como escapar disso: a velha regra cristã é: “Ou o casamento, com fidelidade total ao seu parceiro, ou então a abstinência total.” “[A castidade] é tão difícil e tão contrária aos nossos instintos, que obviamente ou o Cristianismo está errado ou nosso instinto sexual, como está agora, está descontrolado.”
 
“Muitas pessoas são dissuadidas de tentar seriamente a castidade cristã porque pensam (antes de tentar) que isso é impossível. Mas quando algo precisa ser tentado, nunca se deve pensar sobre possibilidade ou impossibilidade. Na guerra, escalando montanhas, aprendendo a patinar, nadar ou andar de bicicleta, até mesmo amarrando uma gola rígida com dedos frios, as pessoas muitas vezes fazem o que parecia impossível antes de fazê-lo. A castidade perfeita, assim como o caráter perfeito, não será alcançada por esforços meramente humanos. Você deve pedir a ajuda de Deus. . . [e] após cada falha, peça perdão. . . e tente novamente.”
 
“Na segunda-feira C. W. [Charles Williams] palestrou nominalmente sobre Comus, mas na verdade sobre castidade. Simplesmente como crítica, foi excelente - porque aqui estava um homem que realmente começou do mesmo ponto de vista de Milton e realmente se preocupou com cada fibra de seu ser sobre "a sábia e séria doutrina da virgindade", que nunca ocorreria ao comum crítico moderno para levar a sério. Mas era mais importante ainda como sermão. Foi uma bela visão ver uma sala inteira cheia de rapazes e moças modernos sentados naquele silêncio absoluto que não pode ser fingido, muito intrigante, mas enfeitiçado... Fiquei impressionado... aquela sala bela e toda esculpida, provavelmente não tenha testemunhado algo tão importante desde algumas das grandes palestras medievais ou da Reforma. Por fim, pelo menos uma vez, vi uma universidade fazendo o que foi fundada para fazer: ensinar Sabedoria.”
 
 

“Muitos de nós lembramos as pessoas nos dizendo: "Porque todo esse puritanismo? Vamos tratar sexo assim como tratamos todos os outros impulsos". Muitos de nós éramos tolos ao acreditar que eles queriam realmente dizer o que diziam. Não demorou muito a entender que eles queriam dizer exatamente o oposto. Eles queriam dizer que sexo era para ser tratado como nenhum outro impulso em nossa natureza jamais foi tratado pelas pessoas civilizadas. Todos os outros impulsos, nós admitimos, devem ser domados. Obediência absoluta aos seus instintos para a autopreservação é o que chamamos de covardia; ao impulso de propriedade, avareza. Até o sono deve ser resistido se estiver de guarda. Mas toda falta de gentileza e desrespeito parece ser perdoada posto que o objeto desejado sejam quatro pernas nuas em uma cama!”
 
 

“Uma sociedade na qual a infidelidade conjugal é tolerada, será necessariamente, a longo prazo, uma sociedade mais adversa à mulher, as quais se tornam mais frequentemente as vítimas do que as culpadas. Além disto, a felicidade doméstica é mais importante para elas que para os homens. Portanto, na impiedosa guerra da liberdade sexual, as mulheres estão em dupla desvantagem. Elas arriscam mais e também têm as maiores chances de perder.”
 
 

“A sexualidade pode operar sem Eros ou como parte de Eros. Apresso-me a acrescentar que faço a distinção apenas para limitar nossa pesquisa e sem quaisquer implicações morais. Não estou de forma alguma adotando a ideia popular de que é a ausência ou presença de Eros que torna o ato sexual "impuro" ou "puro", degradado ou belo, legal ou ilegal. Se todos os que se deitarem juntos sem estar no estado de Eros fossem abomináveis, todos nós seríamos de uma linhagem espúria. As épocas e lugares em que o casamento depende de Eros são uma minoria. A maior parte de nossos ancestrais se casou cedo com parceiros escolhidos por seus pais por razões que nada tenham a ver com Eros. Prestavam-se ao ato sem qualquer outro estimulo além do simples desejo animal. E agiram bem; maridos e mulheres cristãos honestos, obedecendo aos pais, cumprindo suas "obrigações conjugais", e educando suas famílias no temor ao Senhor.”
 
 

“Ela [Vênus] é um espirito zombador, maldoso, muito mais elfo do que deidade, e brinca conosco. Quando todas as circunstâncias externas parecem estar exatamente preparadas para o seu serviço, ela faz com que um ou os dois amantes se sintam totalmente indispostos para o ato ... Uma hora mais tarde, quando o tempo e o lugar são propícios, ela se retira misteriosamente; talvez de um só deles. Que perturbação isso deve causar – quantos ressentimentos, suspeitas, vaidades feridas e toda a conversa corrente sobre as "frustrações" - naqueles que a deificaram! Mas os amantes sensatos riem. Tudo faz parte do jogo; um jogo de luta-livre, e as escapadas, quedas e colisões de cabeça devem ser tratadas como uma brincadeira. Fica difícil para mim deixar de considerar como uma brincadeira de Deus o fato de uma paixão tão sublime, tão aparentemente transcendente como Eros, ser assim ligada numa simbiose incongruente com um apetite físico que, como qualquer outro apetite, revela sem qualquer tato suas relações com fatores mundanos tais como tempo, saúde, dieta, circulação e digestão. Em Eros parecemos estar às vezes voando; Vênus nos dá o beliscão súbito que nos faz lembrar de que somos na verdade balões cativos. Trata-se de uma demonstração continua da verdade de que somos criaturas complexas, animais racionais, identificados de um lado com os anjos, do outro com gatos... Que não podem aceitar uma brincadeira. Pior ainda, não aceitar uma brincadeira divina; feita às nossas custas, mas também (quem duvida disto) em nosso beneficio eterno.”
 
 

“Finalmente, embora eu tenha tido que falar um pouco sobre sexo, quero deixar bem claro que o centro da moralidade cristã não está ali. Se alguém pensa que os cristãos consideram a falta de castidade o vício supremo, está completamente errado. Os pecados da carne são ruins, mas eles são os menos ruins de todos os pecados. Todos os piores prazeres são puramente espirituais. O prazer de colocar outras pessoas no erro, e caluniar; os prazeres do poder, do ódio. Pois há duas coisas dentro de mim: o eu animal e o eu diabólico; e o eu diabólico é o pior dos dois, esses sim são piores. É por isso que um frio fariseu pedante que vai regularmente à igreja pode estar muito mais perto do inferno do que uma prostituta. Mas é claro que é melhor não ser nenhum dos dois.”
 
 

“Um jardim é uma coisa boa, mas essa não é a espécie de bondade que ele possui, pois permanecerá um jardim, distinto de uma selva somente se alguém fizer todas essas coisas para ele. Sua verdadeira glória é de um tipo muito diferente. O próprio fato de necessitar cuidados constantes dá testemunho dessa glória. Ele fervilha de vida. Ele resplandece em cores e aromas celestiais e apresenta a cada hora de um dia de verão belezas que o homem jamais poderia ter criado nem mesmo imaginado com seus próprios recursos. Se você quiser ver a diferença entre a contribuição dele e a do jardineiro, coloque o mato mais comum que nele cresce lado a lado com as enxadas, ancinhos, tesouras de podar e pacote de inseticida; você colocou beleza, energia e fecundidade ao lado de coisas mortas, estéreis. Assim também a nossa "decência e bom senso" se mostram cinzas e cadavéricos ao lado da genialidade do amor. E, quando o jardim se encontra em plena glória, as contribuições do jardineiro para essa glória continuarão desprezíveis quando comparadas às da natureza. Sem a vida brotando da terra, sem a chuva, a luz e o calor descendo do céu, ele nada poderia fazer. Depois de ter feito tudo, simplesmente encorajou aqui e desencorajou ali, poderes e belezas de uma fonte diferente. A sua contribuição, porém, embora pequena, é indispensável e laboriosa. Quando Deus plantou um jardim, Ele colocou um homem sobre o mesmo e este debaixo das suas ordens. Quando Ele plantou o jardim da nossa natureza e fez com que amores brotassem e frutificassem nele estabeleceu que `cuidássemos´ deles.”
 
 
 
“Muitas vezes, o que Deus primeiro nos ajuda não é a virtude em si, mas apenas o poder de sempre tentar novamente. Por mais importante que seja a castidade possa ser, esse processo nos treina em hábitos da alma que são ainda mais importantes. Cura nossas ilusões sobre nós mesmos e nos ensina a depender de Deus. Aprendemos, por um lado, que não podemos confiar em nós mesmos nem mesmo em nossos melhores momentos, e, por outro lado, que não precisamos nos desesperar nem mesmo nos piores, pois nossas falhas são perdoadas”. Finalmente, que não nos esqueçamos da recomendação do Apóstolo Paulo em 1 Cor. 6.12: 
 
“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.”
 
 

“A letra e o espírito das Escrituras e de todo o Cristianismo nos proíbem de supor que a vida na Nova Criação será uma vida sexual; e isso reduz nossa imaginação às alternativas de corpos dificilmente reconhecíveis como corpos humanos ou de um jejum perpétuo. No que diz respeito ao jejum, acho que nossa visão atual pode ser a de um menino que, ao ser informado de que o ato sexual é o maior prazer corporal, deve imediatamente perguntar se você comeu chocolates ao mesmo tempo. Ao receber a resposta "Não", ele pode considerar a ausência de chocolates como a principal característica da sexualidade. Em vão você diria a ele que a razão pela qual os amantes em seus arrebatamentos carnais não se importam com chocolates é que eles têm algo melhor em que pensar. O menino conhece o chocolate: não conhece o positivo que o exclui. Estamos na mesma posição. Conhecemos a vida sexual; não sabemos, exceto em relances, a outra coisa que, no Céu, não deixará lugar para ela. Portanto, onde a plenitude nos espera, antecipamos o jejum. .. A sexualidade é o instrumento tanto da virgindade como da virtude conjugal; nem homens nem mulheres terão que jogar fora a arma que usaram vitoriosamente. São os derrotados e os fugitivos que jogam fora suas espadas. Os conquistadores embainham as suas e as retêm.”
 
 
“Parece que Nosso Senhor acha que nossos desejos não são muito fortes, mas muito fracos. Somos criaturas apáticas, brincando com bebida e sexo e ambição quando a alegria infinita nos é oferecida, como uma criança ignorante que quer continuar fazendo tortas de lama em uma favela porque não consegue imaginar o que significa a oferta de férias na praia. Somos facilmente satisfeitos.”
 

Doutor em Engenharia Elétrica pela Universidade de Manchester, na Inglaterra, foi Professor em Universidades nos Estados Unidos, Nova Zelândia e Holanda, e Pesquisador em Centros de Pesquisa (EPRI, NASA). Atualmente é Professor Titular Livre na Universidade Federal de Itajubá, MG. É originário do Vale do Pajeú e torcedor do Santa Cruz.
>> http://lattes.cnpq.br/2049448948386214
>> https://scholar.google.com/citations?user=38c88BoAAAAJ&hl=en&oi=ao

  • Textos publicados: 37 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.