Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A importância dos colportores na evangelização do Brasil

Por Rute Salviano Almeida

No livro História da Evangelização no Brasil, Elben César discorre sobre a evangelização desde os primórdios, com os missionários católicos, até à chegada das denominações evangélicas tradicionais. É um rico e completo panorama.

Muitas vezes, o relato da história se inicia com os missionários pregadores e plantadores de igrejas e são esquecidos seus importantes precursores: os colportores, que foram responsáveis pela distribuição de livros e Bíblias para o povo.

O trabalho maravilhoso desses valorosos homens de Deus lembra um trecho da poesia de Castro Alves, O Livro e a América.

Oh bendito o que semeia, livros, livros a mão cheia
E manda o povo pensar!
O livro, caindo n’alma
É germe – que faz a palma,
É chuva – que faz o mar!
Castro Alves (1870)

Se um livro pode causar uma revolução, há de se considerar o impacto da distribuição da Bíblia Sagrada. E, o pastor Elben não olvidou os colportores, destacando que:

O missionário metodista americano Daniel Parish Kidder (1815-1891) foi o primeiro correspondente da Sociedade Bíblica Americana a se fixar no Brasil. Com a idade de 22 anos, já casado, ele percorreu o país de norte a sul. Kidder era destemido e criativo. Em uma de suas viagens a São Paulo, propôs à Assembleia Legislativa o uso da Bíblia nas escolas primárias de toda a província e se comprometeu a doar doze exemplares para cada escola, caso a proposta fosse aprovada. Ele fazia de tudo para tornar a Bíblia conhecida [1].

Kidder viajou extensivamente pelo Brasil e os relatos de suas viagens constam do seu livro “Reminiscências de viagens e permanências no Brasil”. Como representante da Sociedade Bíblica Americana distribuiu largamente as Escrituras: em navios, escolas, vilarejos, enfim, em lugares que somente exploradores audazes teriam ido. Ele pregava em navios de guerra norte-americanos, estabelecia depósitos de Bíblias nas cidades costeiras e se preparava para realizar culto em português no Rio de Janeiro [2].

Vale a pena destacar também sua esposa, Cynthia Kidder, que enfrentou a solidão por muitas vezes enquanto seu esposo viajava. Sobre ela foi escrito:

Ah! Cynthia, esposa e companheira de missionário, mãezinha que ficavas só nesta terra estranha enquanto o teu marido viajava longe, meses a frio, distribuindo a Palavra de Deus e anunciando as boas novas! Quantos receios e quantas saudades não terás sentido! Contudo, fervorosamente cristã, como teu marido descreveu-te, não hesitaste em aceitar o peso da solidão, do medo e da incompreensão de tua missão! [3]

Quando o missionário voltava de uma longa viagem, feliz pela sementeira lançada, ansioso pela oportunidade de pregar em português e pelo reencontro com esposa e filhinhos, encontrou sua mulher passando mal e piorando dia a dia com a “cruel moléstia”, como ele a chamou.

Cynthia Kidder faleceu de febre amarela, em 16 de abril de 1840, com apenas vinte e dois anos de idade. Ela deixou dois filhos pequenos e foi considerada a primeira mártir do metodismo brasileiro e a primeira missionária na América do Sul a falecer em seu campo de trabalho.

A repercussão de sua morte foi grande e resultou no despertamento de muitas vocações. Vale a pena destacar esse fato, pois: "As esposas, muitas das quais fizeram sacrifícios de proporções heróicas, foram tão importantes para a difusão do evangelho quanto seus maridos." [4]

Notas
[1] CÉSAR, Elben M. Lenz. História da evangelização do Brasil. Dos jesuítas aos neopentecostais. Ultimato: Viçosa, 2018, p. 69.
[2] ALMEIDA, Rute Salviano. Vozes femininas no início do protestantismo brasileiro. São Paulo: Hagnos, 2014, p. 335.
[3] LONG, Eula Kennedy. Do meu velho baú metodista, 1968, p. 35.
[4] McIntire Robert L. Portrait of half a century, 7/54-55, citado por MATOS, Alderi de Souza. “Para memória sua”: a participação da mulher nos primórdios do presbiterianismo no Brasil, p. 103.


>>> Conheça a série Ultimato 50 Anos <<<

• Rute Salviano é licenciada em Estudos Sociais, bacharel em Teologia (especialização em Educação Cristã), mestre em Teologia (concentração em História Eclesiástica), pós-graduada em História do Cristianismo pela UNIMEP e autora de Uma Voz Feminina na Reforma, Uma Voz Feminina Calada Pela Inquisição e Vozes Femininas no Início do Protestantismo Brasileiro, publicados pela Editora Hagnos.

Leia mais
De olho (e ouvido em pé) em Jesus
O fazer que vem do nosso (in) consciente
Para quem quer aprender a orar como gente

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.