Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Capa

Cânticos fúnebres

Os cânticos fúnebres são uma característica do judaísmo e do cristianismo. Somos convidados a cantar: “Adorem o Senhor com alegria e venham cantando até a sua presença” (Sl 100.2). Somos impelidos a não cantar apenas os mesmos cânticos de sempre: “Cantai a Deus uma nova canção” (Sl 33.3; 149.1).
Além dos cânticos de adoração, de ações de graça (como os de Moisés, Miriã e Ezequias), de alegria e dos quinze cânticos de romagem que eram cantados pelo povo a caminho de Jerusalém por ocasião da Páscoa (Salmos 120 a 134), havia também os cânticos fúnebres, que não eram necessariamente cânticos de sepultamento, mas cânticos tristes entoados sobre uma pessoa ou sobre um país em situação de calamidade causada pelo pecado. As profissionais do choro (carpideiras) eram pagas para entoar cânticos chorosos em ocasião da crise. Elas deveriam ir depressa (Jr 9.12-19).
Quem mais canta cânticos fúnebres na história do Antigo Testamento por ordem expressa de Deus é Ezequiel. O profeta canta uma canção de tristeza a respeito de dois reis de Israel (Ez 19.1), a respeito da cidade de Tiro (Ez 27.1), a respeito do rei de Tiro (Ez 28.12) e a respeito do rei do Egito (Ez 32.1-2). A mais comovente é a primeira.

Mulheres que sabem cantar músicas tristes
Jr 9.17-19 -- O Senhor Todo-Poderoso disse: “Atenção! Chamem mulheres que são pagas para chorar, mulheres que saibam cantar músicas tristes”. O povo disse: “Que elas venham depressa e cantem uma canção triste para nós para que os nossos olhos se encham de lágrimas e fiquem molhados de tanto chorar!”. Ouçam o povo de Sião chorando e dizendo: “Estamos perdidos! Estamos muito envergonhados! As nossas casas foram derrubadas, e temos de deixar a nossa terra”.

Ensinem suas amigas a cantar canções tristes
Jr 9.20-22 -- “Mulheres, ouçam o que o Senhor Deus disse e deem atenção às suas palavras. Ensinem as suas filhas a chorar; ensinem as suas amigas a cantar canções tristes. A morte subiu pelas nossas janelas e entrou nos nossos palácios. Acabou com as crianças nas ruas e com os moços nas praças dos mercados. Os corpos dos mortos cairão, serão como esterco espalhados nos campos”.

Uma canção triste para ser cantada muitas vezes
Ez 19.13-14 -- Agora, a parreira [antes cheia de galhos e de uvas porque estava plantada onde havia bastante água] está plantada no deserto, numa terra seca e sem água. O seu tronco pegou fogo; e o fogo destruiu os seus galhos e as uvas. Os seus galhos nunca mais serão fortes, nunca mais serão cetros reais. Esta é uma canção de tristeza que tem sido cantada muitas vezes.

O profeta dos cânticos fúnebres
Ez 19.1 -- O Senhor Deus me mandou cantar uma canção de tristeza a respeito dos reis de Israel.
Ez 27.1-2 -- O Senhor me disse o seguinte: Ezequiel, cante um cântico fúnebre para Tiro.
Ez 28.12 -- O Senhor falou comigo outra vez: Ezequiel, cante uma canção de tristeza por causa do fim que o rei de Tiro vai ter.
Ez 32.1-2 -- O Senhor me disse: Ezequiel, cante um cântico fúnebre a respeito do rei do Egito.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.