Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Colunas — História

Panamá 1916: Um Congresso Missionário Pioneiro

Alderi Souza de Matos

  

No início do século 20 uma questão foi muito discutida nos círculos missionários do hemisfério norte: seria a América Latina, com sua longa história de presença e atuação católica romana, um campo legítimo de atuação para as missões protestantes? Algumas sociedades missionárias inglesas e alemãs entendiam que não. Por insistência dessas organizações, a célebre Conferência Missionária Mundial, reunida em Edimburgo em 1910, excluiu de suas considerações a América Latina, por considerá-la um continente cristão. Daí o objetivo oficial da conferência: “Para considerar problemas missionários em relação ao mundo não-cristão”. As únicas missões latino-americanas convidadas a participar foram aquelas que trabalhavam entre povos indígenas pagãos.

 

Ocorre que, ao realizar-se a Conferência de Edimburgo, as missões protestantes já estavam atuando na América Latina há mais de meio século. Como resultado desse trabalho, haviam surgido centenas de igrejas de diferentes denominações. Aceitar a tese dos organizadores da Conferência Missionária Mundial significava pôr em dúvida a legitimidade desse esforço e da própria comunidade evangélica latino-americana. Assim, durante a conferência, vários líderes missionários interessados na região se encontraram informalmente para tratar dessa questão. Três anos depois, em março de 1913, reuniu-se em Nova York uma pequena conferência sobre missões na América Latina. Na ocasião foi criado o Comitê de Cooperação na América Latina (CCAL), tendo como presidente Robert Eliott Speer, secretário-geral da Junta de Missões Estrangeiras da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos.

 

O CCAL patrocinou o Congresso sobre o Trabalho Cristão na América Latina, que se reuniu de 10 a 19 de fevereiro de 1916 no Hotel Tívoli, em Ancon, na Zona do Canal. O local foi escolhido por causa da proximidade dos Estados Unidos e da recente abertura do Canal do Panamá, tido como um grande símbolo da integração americana. A representação foi fortemente anglo-americana. Dos 230 delegados oficiais, 145 moravam na América Latina, mas somente 21 eram naturais da região. A delegação brasileira incluiu vários missionários estrangeiros e apenas três líderes nacionais, os pastores presbiterianos Álvaro Reis, Eduardo Carlos Pereira e Erasmo Braga. Este último escreveu uma excelente narrativa do evento: “Pan-Americanismo, Aspecto Religioso”. Embora o congresso tenha sido presidido por Eduardo Monteverde, um professor universitário uruguaio e membro atuante da Associação Cristã de Moços, os principais dirigentes das sessões foram Robert Speer, Samuel G. Inman e John R. Mott.

Oito comissões apresentaram os estudos preliminares, que foram discutidos amplamente: (1) levantamento e ocupação; (2) mensagem e método; (3) educação; (4) literatura; (5) trabalho feminino; (6) a igreja no campo missionário; (7) a base doméstica e (8) cooperação e promoção da unidade. Após o congresso, foram realizadas conferências regionais no Peru, Chile, Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica e Cuba, tendo por objetivo divulgar as propostas do encontro. Com o mesmo objetivo, nos anos seguintes foram criadas sucursais do movimento em vários países, como foi o caso da Comissão Brasileira de Cooperação. Mais tarde, foram realizados dois congressos regionais para dar prosseguimento à agenda do Panamá, um para a América do Sul (Montevidéu, 1925) e outro para o Caribe (Havana, 1929), nos quais a participação de latino-americanos natos foi muito mais expressiva.

 

Qual a importância do Congresso do Panamá? Foi o primeiro encontro das forças evangélicas da América Latina e imprimiu sobre os participantes a necessidade de maior cooperação e unidade em áreas como educação religiosa, missões, literatura e treinamento ministerial. Pablo Alberto Deiros, pastor batista em Buenos Aires, argumenta que o congresso marcou uma importante transição no entendimento da missão evangélica no continente -- de uma expansão espontânea e inarticulada para um trabalho orgânico e planejado, com alvos definidos. Embora tenha sido antes de tudo uma reunião de juntas missionárias estrangeiras, esse evento produziu a primeira discussão séria do protestantismo latino-americano.

 

No Brasil, o impacto do Congresso do Panamá foi bastante significativo. Sob a hábil liderança do pastor, professor e intelectual Erasmo de Carvalho Braga, a Comissão Brasileira de Cooperação promoveu um grande esforço colaborativo entre as principais denominações protestantes da época. Alguns frutos valiosos desse trabalho foram o Seminário Unido do Rio de Janeiro, a Federação Universitária Evangélica, a Missão Evangélica Caiuá e a Confederação Evangélica do Brasil. Todavia, o movimento do Panamá teve também algumas características que o tornaram pouco atraente para algumas igrejas: teologia progressista, ênfase ecumênica e entusiasmo pelo chamado evangelho social. Mais tarde, seguindo o precedente do Panamá e seus sucessores imediatos, seriam realizadas outras séries de encontros missionários no continente. Duas delas foram especialmente marcantes: as Conferências Evangélicas Latino-Americanas (CELA -- 1949, 1961, 1969) e os Congressos Latino-Americanos de Evangelização (CLADE -- 1969, 1979, 1992, 2000, 2012).

 

Com o seu pioneirismo e as suas propostas, esse congresso centenário é um marco expressivo na trajetória das igrejas e das missões protestantes em terras ibero-americanas. Muitas das realidades com que se defrontou continuam relevantes nos dias atuais. Muitas de suas preocupações e análises permanecem válidas e dignas de consideração. A comunidade evangélica da América Latina tem muito a aprender com o Congresso do Panamá ao refletir sobre o seu lugar e a sua missão neste continente complexo e conturbado.

 

Alderi Souza de Matos é doutor em história da igreja pela Universidade de Boston e professor no Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. É autor deErasmo Braga, o Protestantismo e a Sociedade Brasileira”, A Caminhada Cristã na História e “Fundamentos da Teologia Histórica”. Outros artigos de sua autoria estão disponíveis neste site.

 

LEIA TAMBÉM

Erasmo Braga: um líder singular no protestantismo brasileiro

 

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.