Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Capa

Isaías mostra a inutilidade do acordo com a morte

Um dos amigos de Jó refere-se à morte como o “rei dos terrores” (Jó 18.14), uma espécie de deus cujo lábio inferior toca a terra e o superior toca o céu, de modo a engolir tudo que está à sua frente. A morte é o pior desmancha-prazer do ser humano e o último inimigo a ser destruído no organograma de Deus (1Co 15.26). Ela é a mais temível de todos os maiores flagelos.

 

Portanto, é muito estranho o que os líderes políticos de Jerusalém diziam presunçosamente: “Fizemos um acordo com a morte, já combinamos tudo com o mundo dos mortos” (Is 28.15). Em outras versões, diz-se que eles fizeram um pacto ou uma aliança com o além, a sepultura, o abismo, a terra do silêncio, o mundo dos mortos (sheol, em hebraico, ou “hades”, em grego). A paráfrase de Peterson sugere que os judeus fizeram um “seguro de vida” com a morte.

 

No pensamento deles, esse acordo com a morte obrigava-a a poupar o povo da “terrível desgraça” que estava por vir, por determinação divina. As autoridades estavam convictas de que a inundação passaria sem os atingir. Dominados pela falsa esperança, eles diziam com toda segurança que “quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós” (Is 28.15, ARA) ou “quando o flagelo do extermínio chegar, não nos atingirá” (KJ).

 

Na verdade, esse pacto com a morte não seria de fato com a morte, mas com “alguma espécie de aliança com forças ocultas, sem dúvida ligada à idolatria”, como supõe o exegeta africano Edouard Kitoko-Nsiku (Comentário Bíblico Africano, p. 857). A confiança nessas práticas ocultistas, com as quais especialmente os africanos estão familiarizados, é altamente arrogante e mentirosa. É por isso que Isaías declara logo em seguida: “Os abrigos em que vocês confiam não são seguros [e] serão destruídos por chuvas de pedra e por trombas d’água” (Is 28.17). Mais ainda: “O acordo que vocês fizeram com a morte será anulado, o que vocês combinaram com o mundo dos mortos será desfeito e, quando chegar a “terrível desgraça”, ela os arrastará como se fosse uma enchente” (Is 28.18).

 

Uma segurança desfeita, uma esperança desfeita, um alicerce desfeito, não são experiências de menor importância. O desmoronamento de algo que nós construímos ao longo do tempo e no qual nos dependurávamos é uma sensação terrível. Somos avisados várias vezes pela Palavra, pelo Espírito e pela voz interior a respeito dessa loucura e não mudamos de atitude. O último tema abordado por Jesus no Sermão da Montanha é sobre isso: “Se vocês usarem minhas palavras apenas para fazer estudo bíblico, e sem nunca aplicá-la à própria vida, não passarão de pedreiros tolos, que constroem sua casa sobre a areia da praia [e] quando for atingida pela tempestade e pelas ondas, ela irá desmoronar como um castelo de areia” (Mt 7.26-27, AM).

 

O povo de Judá não fazia acordos só com a morte. Pouco depois de ridicularizar esse acordo, Isaías condena outro acordo, o acordo com o Egito em troca de ajuda: “Ai dos que confiam num povo que tem muitos cavalos e carros de guerra, num país que tem cavaleiros valentes, mas não confiam no Santo Deus de Israel, não pedem ajuda ao Senhor”. Nada vai adiantar, acrescenta o profeta, porque o Senhor “sempre cumpre o que promete” e os egípcios não são deuses e os seus cavalos “são apenas animais mortais e não espíritos imortais”. “Quando o Senhor levantar a mão para castigá-los, todos cairão mortos de uma vez só, tanto o Egito, a nação forte, como Judá, a nação fraca” (Is 31.1-3).

 

A tendência de escapar ao juízo de Deus agarrando-se a qualquer providência, a não ser o arrependimento e a conversão, nada adianta. Sete séculos depois de Isaías, João Batista é mais duro do que o profeta. Ele diz aos fariseus e saduceus que vinham a ele para serem batizados sem antes se arrependerem de seus pecados que, só porque eram descendentes de Abraão, não lhes dava o direito de fugir da ira vindoura (Mt 3.7-9). Nem mesmo as boas obras são suficientes para o pecador ser salvo. Livremo-nos da tentação do acordo com a morte, com os egípcios e com qualquer outro ponto de referência!

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.