Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Colunas — Meio Ambiente e Fé Cristã

Diminuindo a nossa pegada ecológica

 

Todos nós dependemos do meio ambiente para sobreviver e, por isso, precisamos garantir que os recursos naturais continuem disponíveis para as gerações futuras.

 

Cada vez mais me dou conta de que as nossas escolhas e hábitos de consumo têm uma relação direta com o impacto que causamos no meio ambiente.

 

Tenho aprendido que a nossa “pegada ecológica” pode ser diminuída por meio da aplicação de medidas relativamente simples e econômicas – em nossas casas, igrejas, comunidades, locais de trabalho e outros espaços. Apresento, a seguir, algumas das medidas que vêm sendo implementadas com sucesso na rede internacional de organizações ambientais A Rocha, onde trabalho, na esperança de que isso sirva como incentivo para outras pessoas.

 

Em viagens mais curtas, procuramos compartilhar veículos e fazer uso dos transportes públicos, sempre que possível. Devido ao nosso trabalho em quase vinte países, procuramos planejar e coordenar bem as viagens internacionais que fazemos. O uso de novas tecnologias de comunicação nos tem ajudado a viajar menos de avião. As emissões de gás carbônico relacionadas às viagens dos nossos colaboradores e voluntários são compensadas com doações para projetos de reflorestamento em cooperação com a Climate Stewards (Mordomos do Clima).

 

Há um compromisso crescente em diminuir o uso de energia em nossos espaços de trabalho. Procuramos fazer compras e contratar serviços perto de onde estamos localizados para evitar o desperdício de combustível e a emissão desnecessária de gases de efeito estufa.1 Sempre que possível, optamos por comprar produtos de empresas comprometidas com o meio ambiente. Desligamos os nossos equipamentos elétricos quando não estão sendo utilizados, não deixando-os em modo de espera. Cada vez mais, as lâmpadas usadas em nossos escritórios e centros de estudo são energeticamente eficientes. Portas e janelas são mantidas abertas, sempre que possível, para garantir uma ventilação natural e evitar o uso de ventiladores ou ar-condicionado.

 

Muitos dos nossos colaboradores trabalham em casa, em horários flexíveis, evitando a necessidade de deslocarem-se diariamente para um escritório. Em vários países, nossos colaboradores vivem em comunidade e fora do contexto urbano.

 

Procuramos não imprimir e-mails ou documentos desnecessariamente e, sempre que possível, usamos ambos os lados do papel. Envelopes e embalagens são reutilizadas ou recicladas e damos preferência à correspondência eletrônica.

 

Os restos de alimentos e os resíduos de cozinha em nossos centros de estudo costumam ser usados para fazer adubo ou para alimentar os animais, evitando-se desperdícios, e alguns deles já são utilizados na produção de energias renováveis. Frutas excedentes são transformadas em doces e geleias. Quando nos reunimos, evitamos o uso de pratos e copos plásticos descartáveis.

As comunidades onde estamos inseridos são incentivadas e convidadas a contribuir para a identificação e implementação de soluções de problemas ambientais locais.

 

Outras ideias que requerem mais tempo e recursos também estão sendo consideradas.

 

Ao planejarmos e implementarmos iniciativas como as descritas, vale a pena pedirmos a ajuda e orientação da Secretaria de Meio Ambiente do nosso município, bem como consultar recursos informativos na internet e colaborar com iniciativas e organizações ambientais que atuam em nossa cidade. Converse com os seus familiares, amigos, líderes da sua igreja e organizações sobre como as ideias mencionadas poderiam ser implementadas com sucesso no seu próprio contexto.

 

Nota

1. A liberação de gases de efeito estufa (dióxido de carbono, metano, óxido nitroso e outros) cria e intensifica uma barreira na atmosfera que dificulta ou impede a propagação do calor, assim como acontece em uma estufa. Alguns deles são liberados pelos meios de transporte que utilizamos ou que transportam alguns dos produtos que consumimos.

 

• João Martinez da Cruz é de São Paulo, SP, mestre em gestão de desenvolvimento e gerente operacional da organização cristã ambiental A Rocha Internacional no Reino Unido.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.