Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias — --

Tanto na Síria no século 21 como no Japão no século 17

O mundo ficou assustado com a notícia de que dois cristãos teriam sido crucificados numa cidade ao norte da Síria no final de abril de 2014. Qual seria o tamanho do nosso horror se vivêssemos na primeira metade do século 17 e ficássemos sabendo da morte de milhares de japoneses cristãos por ordem judicial, quase sempre em público e de maneira violenta? Calcula-se que, no período de 30 anos compreendidos entre 1614 e 1644, 5 mil pessoas passaram pela morte por meio da fome (na prisão), tortura, decapitação, fogueira ou afogamento (de cabeça para baixo num poço ou em águas sulfúreas bem quentes). Alguns foram crucificados de cabeça para baixo na praia durante a maré baixa. Algumas mulheres foram para a estaca com seus filhos pequenos nos braços. A perseguição começou quando o governo publicou um édito acusando os cristãos de tentarem “disseminar uma lei maligna, depor a verdadeira doutrina, de modo a poderem mudar o governo do país e conquistar a posse da terra”. Entre os mortos, alguns eram missionários europeus.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.