Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Colunas — Ponto final

O enigma da cruz

Rubem Amorese

Tempos de Páscoa me parecem misteriosos.

A paixão, a morte e a ressurreição de Cristo são inexauríveis em seus enigmas (Sl 78.2b). Não me refiro tanto ao fato de uma pessoa boa ser condenada à pena capital por seus irmãos; ou à sua anunciada e, todavia, surpreendente, ressurreição; ou mesmo à repetida mensagem de que cada detalhe acontecia porque era preciso; para que se cumprissem as Escrituras. Nem mesmo à ideia de batalha, a permear cada gesto, cada ação ou reação: vitória, derrota, triunfo, despojo (Cl 2.15).

Talvez o maior enigma, desde os tempos antigos, seja aquele que envolve todos; o mais presente, o mais corriqueiro. De tão próximo, não o percebemos como mistério, embora nos atinja com o mesmo tom dramático de batalha -- o da nossa batalha da cruz. Refiro-me às turbulências que agitam o nosso coração enquanto ele espera, enquanto busca; quando se decepciona, quando se ressente; quando é atingido, desamparado, ou abandonado -- enfim, o mistério do coração que sofre. A batalha consiste em mantê-lo “devoto”.

Como aquela alma atribulada haveria de resistir à antiga sugestão de amaldiçoar seu Deus e morrer (Jó 2.9)? Como reagir com submissão à percepção de que Deus o havia desamparado (Mt 27.46)?

A adoração implica uma harmonia de coração -- afetiva e afetuosa -- com o que Deus é e faz. O caminho da “vitória” consiste em “oferecer” nossas dores a Deus, como gesto de adoração: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito” (Lc 23.46). Essa devoção, essa “oferta” que vem do nosso coração, tende a ser interrompida pela contrariedade, pelo ressentimento a que as tribulações nos induzem. O caminho mais comum é o da ruptura, temporária ou definitiva, com o “autor” delas.

O livro de Jonas nos conta de um coração assim. Que, embora ainda diga boas coisas de Deus (Jn 4.2b), já não consegue adorá-lo, porque discorda de seus planos. Deus busca conciliá-lo, dizendo: “É razoável essa tua ira?”. Jonas responde: “É razoável a minha ira até à morte” (Jn 4.9).

Sim, tudo o que nos é mais familiar e humano nos empurra para distanciamentos e separações, quando a tribulação bate à porta. Isso torna a cena da cruz ainda mais enigmática. Em especial quando aprendemos que aquela vitória consistiu em “ser obediente até a morte” (Fp 2.8) -- Foi devoto e morreu. E o que ganhou com isso?

Talvez a solução desse enigma da cruz esteja em olhar para o lugar certo. Enquanto todos pensavam que a morte seria o fim e, portanto, a derrota, houve olhos que viram nela apenas o final da guerra. No coração dócil e devoto -- até o fim --, a vitória.

Não, a derrota nunca esteve na morte do corpo, mas na blasfêmia do coração. O desafio não é sobreviver. Este é o engano, pois, afinal, todos nós morreremos. A grande questão é o tipo de coração que teremos cultivado quando ele parar de bater.

Onde encontrar as forças para tão tremenda batalha do coração (Pv 4.23)? No amor de Deus, “que é derramado em nossos corações, pelo Espírito Santo” (Rm 5.5). Minha tradução: nossa força vem da certeza de que “ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte [...] tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam” (Sl 23.4).

• Rubem Amorese é presbítero na Igreja Presbiteriana do Planalto, em Brasília. Foi professor na Faculdade Teológica Batista por vinte anos e também consultor legislativo no Senado Federal. É autor de, entre outros, Fábrica de Missionários e Ponto Final. Acompanhe seu blog pessoal.

Leia mais
POR QUE JESUS MORREU?
Cruzes há em abundância, mas quando será, aqui, arvorada a doutrina da cruz?

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.