Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Seções — Abertura

Quem tem o direito de “queimar navios” somos nós, e não os Hernán Corteses da vida

Muita gente sabe que Hernán Cortés -- o mais famoso conquistador espanhol do século 16 -- mandou queimar os navios que haviam trazido seus marinheiros e soldados da Europa até a América, com o objetivo de impedir que eles tivessem a tentação de voltar à Espanha. Os homens permaneceram no continente americano para conquistar o Império Inca não por decisão própria, mas por imposição. Porém, pouca gente sabe que um personagem bíblico queimou os próprios navios por decisão pessoal, para servir a Deus.

O convite a um jovem chamado Eliseu para ser auxiliar e, depois, substituto de Elias -- um dos mais famosos profetas de Deus (aquele que aparece na cena da transfiguração) -- foi muito interessante. Ele estava arando a terra com um par de bois, na companhia de outros doze pares de bois, quando Elias, passando pelo local, jogou seu manto sobre ele. Ao entender que aquele grande gesto era a oportunidade de deixar sua profissão e sua família, Eliseu largou imediatamente os seus bois e correu atrás de Elias para pedir-lhe uma única coisa: “Deixe que eu vá beijar o meu pai e a minha mãe e depois eu irei com você”. A resposta do profeta idoso foi muito simpática: “Está bem, pode ir, eu não estou impedindo”. Antes ou depois dessa despedida dramática, Eliseu “queimou os seus navios”, isto é, matou os seus bois, “fez fogo com a madeira da canga e cozinhou a carne”. Em seguida, ofereceu aquela carne toda aos que estavam por ali. Foi um churrasco de despedida de sua profissão, de seus instrumentos e de seus companheiros de trabalho. Era o fim da linha. De livre e espontânea vontade. Algo consciente e pra valer (1Rs 19.19-21).

A experiência de Eliseu é semelhante à de outras pessoas mencionadas no Evangelho. A dupla de irmãos -- André e Pedro, Tiago e João -- eram pescadores no mar da Galileia, e Mateus (ou Levi) era coletor de impostos. Os cinco tinham empregos fixos. A todos os cinco Jesus convidou: “Venham comigo”. Os quatro primeiros largaram as redes, os barcos e os sócios para serem pescadores de almas (Mt 4.18-22). Mateus, por sua vez, estava sentado na coletoria quando Jesus o chamou e, então, “se levantou, deixou tudo e seguiu Jesus” (Lc 5.27-28). Os cinco tornaram-se apóstolos responsáveis pela igreja em seus primeiros anos. Três deles vieram a escrever dois dos quatro Evangelhos (Mateus e João), cinco das 21 cartas (as três cartas de João e as duas cartas de Pedro) e o Apocalipse.

Quanto a Eliseu, seu ministério durou cinquenta anos e se realizou durante o reinado de quatro reis do reino do Norte, entre os anos 850 e 800 antes de Cristo. Todos eles fizeram coisas erradas que não agradavam a Deus e cometeram os mesmos pecados de Jeroboão (2Rs 13.2,11).

Embora tenha trabalhado algum tempo com Elias, Eliseu era de índole bem diferente. O ministério dele foi mais aceito e mais tranquilo. Ele tornou-se uma figura conhecida também no exterior, como se pode ver no seu encontro com Naamã, comandante do exército sírio (2Rs 5.1-14). Eliseu fez mais milagres que Elias.

Qualquer serviço prestado a Deus e aos homens sem que os outros queimem os nossos navios por nós é muito mais tranquilo e bem-sucedido. Não precisamos da interferência dos muitos Hernán Corteses que há por aí!

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.