Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Colunas — Ética

Espiritualidade cristã e vida intelectual: alguns modelos históricos

Paul Freston

Nos últimos anos, muito se tem falado nas igrejas brasileiras da necessidade de viver a vida cristã fora do contexto eclesiástico. A falta de ensino e de modelos de vida cristã prática nos mais diversos ramos profissionais tem contribuído para a deterioração da imagem evangélica na sociedade. Em parte por causa disso, a necessidade de modelos se faz ainda maior para os estudantes, professores e pesquisadores ligados à vida universitária. Aqui, quero compartilhar três “achados” que têm me ajudado a refletir sobre algumas dimensões cristãs da vida intelectual.

Beda: um modelo de intelectual cristão em plena “era das trevas”
Estive recentemente no Nordeste da Inglaterra, na cidade de Durham, onde está enterrado Beda, o Venerável. Beda (673-735) foi um dos homens mais cultos de sua época em toda a Europa, apesar de morar nos limites setentrionais do “mundo civilizado” no período após a desintegração do Império Romano que conhecemos como a “era das trevas”. Beda é conhecido principalmente por sua “História Eclesiástica do Povo Inglês”, obra pela qual chegou a ser chamado “pai da historiografia inglesa”. Porém ele também escreveu muitos comentários e homilias sobre textos bíblicos. Suas “Homilias sobre os Evangelhos” tiveram uma influência imensa durante muitos séculos.

O interessante em Beda não é só a combinação de interesses acadêmicos que atravessava a divisória entre o que hoje chamaríamos o “secular” e o “religioso” (história e exegese bíblica), mas também os valores que ele expressava em sua vida intelectual. Numa introdução moderna a sua “História Eclesiástica”, lemos que ele “combinava a paixão evangelística dos missionários celtas e a devoção disciplinada dos monges beneditinos”. Contudo, à paixão evangelística e devoção disciplinada, acrescentava virtudes relacionadas especificamente com a atividade intelectual. Nas suas obras históricas, “nunca distorcia as ações das pessoas cujas convicções ele não compartilhava”; um excelente ideal não só para todos que trabalham nas ciências humanas, mas também para todos os cristãos que se envolvem em polêmicas inter- ou intrarreligiosas! Mais ainda, avaliando as ações dos atores históricos, Beda era “generoso em reconhecer méritos, piedoso em reverenciar a santidade, mas sábio em perceber defeitos”. Por isso, o legado que deixou era duplo: a inspiração de uma “vida santa” e o valor de uma “grande obra”.

Tomás de Aquino: oração e estudo
Tomás de Aquino foi um dos maiores intelectuais de todos os tempos, e a influência de sua obra é imensa desde os últimos séculos da Idade Média. Infelizmente, para muitos evangélicos, este italiano do século 13 é associado ao catolicismo medieval contra o qual a Reforma Protestante se insurgiu. Porém diz-se que a única de suas obras que ele próprio carregava consigo em viagens era a “Catena Áurea”. O título significa “cadeia dourada”; trata-se de um comentário bíblico (em vários volumes) sobre os quatro Evangelhos. Mas este comentário não é uma obra original de Tomás de Aquino. Todo o texto consiste de frases tiradas dos grandes autores patrísticos (pessoas como Agostinho, João Crisóstomo, Ambrósio, Hilário, Orígenes, Jerônimo, Gregório, o Grande, e outros); Tomás somente escolheu as frases e as ordenou numa sequência lógica. Onde os autores divergem entre si, ele oferece as várias interpretações alternativas. Para quem ama os Evangelhos, é uma verdadeira mina, ainda mais porque a era patrística, em alguns sentidos, guarda mais semelhanças com a nossa época do que as épocas que vieram depois.

Este grande intelectual Tomás de Aquino, que amava a Bíblia e pouco tempo antes de morrer teve uma profunda experiência mística com Cristo, também escreveu uma fascinante “Oração antes do Estudo”. Apresento aqui uma versão resumida.

Criador de todas as coisas, verdadeira fonte de luz e sabedoria:

Que um raio do teu esplendor penetre minha mente,
e tire de mim a dupla escuridão do pecado e da ignorância.

Dá-me uma compreensão clara, uma memória aguçada
e a capacidade de captar a essência das coisas de maneira correta.

Concede-me o talento de ser preciso nas minhas explicações, com esmero e graça.
Indica-me por onde começar, guia-me no caminho e ajuda-me a terminar.
Por Cristo nosso Senhor. Amém.

O apelo à iluminação divina não pretende substituir, claro, a dedicação ao estudo, mas sim reconhecer duas coisas. Primeiro, que (como diz o grande sociólogo Max Weber em seu ensaio “A Ciência como Vocação”) a inspiração científica não é garantida nem pela dedicação, nem pelo entusiasmo, mas depende “de um destino que nos está oculto, e além disso da posse de um dom”. Segundo, a doutrina cristã de que a “queda” do ser humano afetou todas as suas funções, mesmo as intelectuais. Por isso, a nossa escuridão é dupla: não só da ignorância, mas também do pecado.

A oração de Tomás reconhece também, sabiamente, a dificuldade não só de começar, mas de terminar; uma dificuldade que muitas vezes resulta do perfeccionismo. Gosto também do duplo pedido por precisão nas explicações “com esmero e graça”, outra combinação difícil!

A Oração Anglicana das Vocações
O último “achado” que quero compartilhar aqui é uma brevíssima oração tirada da Grande Litania da Igreja Anglicana. Baseia-se no reconhecimento protestante das profissões “seculares” como vocações cristãs. Diz a oração:

Inspira-nos, na variedade de nossas vocações, a fazer o trabalho que nos deste com singeleza de coração, como teus servos e para o bem comum.

Primeiro, reconhece-se a variedade de vocações legítimas no reino de Deus. E, se essas vocações são tão diversas, também o deve ser a variedade de talentos e personalidades no reino de Deus. Em seguida, roga-se pelas qualidades comuns que devem caracterizar todos os vocacionados cristãos. Consistem de um meio (singeleza de coração) e dois fins (para servir a Deus e ao bem comum). Na quase infinita variedade de vocações no reino, a busca dessas qualidades é o que nos une.


• Paul Freston, inglês naturalizado brasileiro, é professor colaborador do programa de pós-graduação em sociologia na Universidade Federal de São Carlos e professor catedrático de religião e política em contexto global na Balsillie School of International Affairs e na Wilfrid Laurier University, em Waterloo, Ontário, Canadá.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.