Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Seções — Quadro de avisos

A respeito da reconquista do paraíso perdido

1.
Sob o ponto de vista secular, humanista, materialista, cético e pessimista, a cada pôr-do-sol, ou a cada ano que passa, mais nos distanciamos do dia do nosso nascimento e mais nos aproximamos do dia da nossa morte. A marcha do tempo significa inexoravelmente o recuo da vida terrena, a diminuição do período de tempo compreendido entre o parto e a morte, entre o berço e a urna funerária, entre o primeiro e o último suspiro, entre o alvorecer e o entardecer da existência.

2.
Sob o ponto de vista cristão, diz-se o mesmo, mas não apenas isso. Deve-se acrescentar que, a cada pôr-do-sol, ou cada ano que passa, mais nos distanciamos do paraíso perdido e mais nos aproximamos do paraíso reconquistado; mais nos distanciamos do Gênesis e mais nos aproximamos do Apocalipse; mais nos distanciamos da queda e mais nos aproximamos da redenção; mais nos distanciamos da longa noite de pecado, sofrimento e morte e mais nos aproximamos da esperada manhã de glória.

3.
Em sua epístola escrita por volta do ano 57 e dirigida aos cristãos que viviam em Roma, Paulo trata desse assunto: “Chegou a hora de vocês despertarem do sono, porque agora a nossa salvação está mais próxima do que quando cremos” (Rm 13.11). A cada pôr-do-sol, ou a cada ano que passa, mais nos distanciamos daquele momento em que cremos no evangelho e mais nos aproximamos da salvação e do seu clímax, em sua totalidade, em sua plenitude.

4.
A cada pôr-do-sol, ou a cada ano que passa, estamos cada vez mais perto da parúsia, pois Jesus mesmo prometeu: “Todos os povos da terra verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens com poder e muita glória” (Mt 24.30). A cada pôr-do-sol, ou a cada ano que passa, estamos cada vez mais perto da ressurreição dos mortos, pois Jesus prometeu também: “Está chegando a hora em que todos os que estiverem nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão” (Jo 5.28-29).

5.
A cada pôr-do-sol, ou a cada ano que passa, estamos cada vez mais perto da “transformação dos vivos”, pois “nem todos dormiremos [morreremos], mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta” (1Co 15.51-52). A cada pôr-do-sol, ou a cada ano que passa, estamos cada vez mais perto dos novos céus e nova terra, pois essa promessa esta contida nas profecias de Isaías (Is 65.17; 66.22), nas palavras de Jesus (Mt 19.28) e nas epístolas de Paulo (Rm 8.18-25) e Pedro (2Pe 3.13).

6.
A cada pôr-do-sol, ou a cada dia que passa, estamos cada vez mais perto da presença real de Deus, como João registra em Apocalipse: “Agora o tabernáculo de Deus está com os homens, com os quais ele viverá” (Ap 21.3). Por esta razão, o apóstolo não viu templo algum na Nova Jerusalém, “pois o Senhor Deus todo-poderoso e o Cordeiro são o seu templo” (Ap 21.22). O resultado desse relacionamento final e definitivo entre Deus e o seu povo é a ausência de coisas como dor, lágrimas, luto e morte.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.