Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias — Mais do que notícias

A genealogia de Marina Themudo Lessa Mazzuchelli

Marina, por enquanto, só sabe mamar e fazer xixi na fralda. Nascida em São Paulo no dia 15 de janeiro deste ano, a menininha é o mais novo elo de uma corrente que amarra 138 anos da história da Igreja Presbiteriana do Brasil e 100 anos da história da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil. Ela é a sétima depois de Antonio Gouveia, em cuja casa o missionário Alexandre Blackford organizou a terceira igreja presbiteriana local (Igreja Presbiteriana de Brotas, nas proximidade de Rio Claro, no Estado de São Paulo), no dia 13 de dezembro de 1865. Marina é a quinta depois de Vicente do Rego Themudo Lessa, um dos sete pastores que organizaram a Igreja Presbiteriana Independente do Brasil, na capital de São Paulo, no dia 31 de julho de 1903, precisamente há 100 anos.

A genealogia de Marina, no estilo de Mateus é: Antonio Gouveia gerou Maximina Gouveia; Maximina Gouveia gerou Joaquim Honório Pinheiro; Joaquim gerou Henriqueta Pinheiro Themudo Lessa; Henriqueta gerou Benjamim Themudo Lessa; Benjamin gerou Roberto Vicente Cruz Themudo Lessa; Roberto Vicente gerou Juliana Themudo Lessa Mazzuchelli; e Juliana gerou Marina.



Padres da Diocese de Zé Doca batizam 171 adultos em rios

As doze paróquias católicas e os quinze padres da Diocese de Zé Doca, ao noroeste do Maranhão, comemoraram de maneira inusitada o dia do martírio do bispo africano Cipriano, morto em Cartago 12 anos depois de ter se convertido ao cristianismo, no ano 246. Nesse dia, 14 de setembro, os padres batizaram por imersão 171 adultos em cinco diferentes rios (Pindaré, Gurupi, Turi, Paruá e Maracassumã). A cerimônia começou com a bênção da água dos rios, quando todos os fiéis com as mãos estendidas em direção aos rios louvaram a Deus por eles. Então, os padres, acompanhados dos padrinhos, entraram na água e batizaram os novos convertidos, anteriormente sem religião alguma. Ao sair da água, os batizandos receberam a unção com o óleo da crisma, foram revestidos de uma veste branca e receberam uma vela acesa, que lembrava as palavras de Jesus: “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8.12). A Diocese de Zé Doca abrange vinte municípios e foi criada em 1983.



Conferência internacional lembra a vida e o legado de João Wesley 300 anos depois de seu nascimento

O nascimento de João Wesley, ocorrido há 300 anos, foi comemorado em quase todo o mundo, especialmente no Reino Unido, onde a principal figura do reavivamento evangélico do século 17 exerceu o seu ministério. Naquele tempo a Inglaterra era a maior potência do planeta. Nascido no seio de uma família muito piedosa e numerosa (dezenove filhos), numa aldeia a quase 160 quilômetros ao norte de Londres, Wesley começou a ser largamente usado por Deus quando tinha 35 anos, depois de entender de forma clara o plano de salvação por meio de Cristo e depois de ter o “coração aquecido de modo estranho”. Essa experiência marcante aconteceu durante uma reunião na rua Aldersgate, no dia 24 de maio de 1738, quando ele ouviu a leitura do prefácio do Comentário da Epístola de Paulo ao Romanos, escrito por Lutero em 1515, dois anos antes da afixação das famosas 95 teses em Wittemberg. A redescoberta e a pregação da salvação pela fé revolucionaram a Grã-Bretanha. Wesley começou a viajar por todo o país pregando e organizando novas congregações que iam surgindo. Durante 50 anos, de 1738 até quase o ano de sua morte, ele foi o líder inconteste do avivamento que se espalhou pelas Ilhas Britânicas. Ele pregou cerca de 40 mil sermões e viajou cerca de 400 mil quilômetros no lombo de um animal ou em carruagens pela Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda. Morreu aos 88 anos, em 1791. João Wesley é o pai dos metodistas, que hoje formam uma comunidade de 70 milhões de fiéis espalhados por todo o mundo. Entre as comemorações do terceiro centenário de seu nascimento, realizou-se na Universidade de Manchester uma conferência internacional sobre “A vida e o legado de Wesley”, com a participação de 400 professores acadêmicos.



Do homo ao hetero

“Paulo”, o primeiro grande missionário cristão

Estive em Corinto por ocasião da minha terceira viagem missionária, no ano 51. Lá permaneci pelo período de 18 meses. Tive a alegria de batizar alguns homossexuais passivos e ativos, que, encorajados pelo poder do evangelho e tocados pela graça de Deus, mudaram por completo seu estilo de vida (paráfrase de Atos 18.1-17 e 1 Coríntios 6.9-11).

“Ruth Bertilac”, casada há 14 anos com o ex-homossexual Carlos Henrique Bertilac da Silva

Por estar tão próxima de um ex-homossexual, trabalhando intensivamente na recuperação de pessoas e conhecendo aqueles que sofrem ou sofreram por causa dessa questão, quero dizer que creio que Deus realmente opera na vida do homossexual que crê e quer sair dessa vida.

Félix da Silva “(nome fictício), 30 anos, advogado, membro da Igreja Luz para os Povos”

Depois de uma viagem com meu antigo parceiro e com outros homossexuais, e de experimentar tudo que o mundo podia me oferecer, rasguei todas as fotos e, arrependido, fiz esta sincera oração: “Senhor, quero mudar de vida. Ajuda-me, pois nunca serei feliz seguindo este caminho.” A conversão se deu aí, quando aceitei a salvação por meio de Cristo. Mas minha transformação e libertação do pecado foram um processo que requereu e requer vontade, mudança de comportamento, renúncia, perseverança e fé naquele que pode todas as coisas. Essas atitudes são para hoje, para amanhã e para depois de amanhã, até ser dia perfeito, quando Cristo me levar para Ele.

“Dr. Jeffrey Satinover, psiquiatra americano, autor de Homosexuality and the Politics of Truth”

Tenho tido a felicidade extraordinária de encontrar muitas pessoas que saíram do estilo de vida gay.

“Dr. Lawrence Hatterer”, psiquiatra americano

Tenho curado muitos homossexuais. Qualquer pesquisador pode examinar meu trabalho, pois está todo documentado em dez anos de fitas gravadas. Muitos desses pacientes “curados” (prefiro usar a palavra “mudados”) se casaram, tiveram famílias e vivem uma vida feliz. O mito “uma vez homossexual, sempre homossexual” é destrutivo. Além disso, não só eu, mas também outros renomados psiquiatras têm registrado seus tratamentos bem-sucedidos dos homossexuais tratáveis.

“Dr. Robert Spitzer*”, renomado pesquisador da Universidade de Columbia, em Nova York

Estou convencido de que muitas pessoas fizeram mudanças substanciosas para se tornarem heterossexuais. Acho que isso é notícia... Cheguei cético a esse estudo. Mas agora afirmo que há evidências que podem sustentar essas mudanças.

Informação da Associação Médica Católica dos EUA

Há muitos relatos autobiográficos de homens e mulheres que uma vez criam estar irremediavelmente destinados à conduta e atração pelo mesmo sexo. Muitos desses homens e mulheres agora se descrevem como livres da conduta, fantasias e atração pelo mesmo sexo. A maioria dessas pessoas se libertou participando de grupos de apoio de natureza religiosa, embora alguns também tivessem recorrido a terapeutas.

* O Dr. Spitzer foi um dos psiquiatras diretamente envolvidos na decisão de 1973 de excluir o homossexualismo da lista de desordens mentais da Associação Psiquiátrica Americana. Mais tarde, em 2001, depois de entrevistar 134 homens e 53 mulheres que haviam se submetido à terapia reparadora, o cientista verificou que 66% dos homens e 44% das mulheres mudaram sua orientação de homo para heterossexuais.





Uma possível explicação teológica para a atual explosão homossexualEm março de 1523, Martinho Lutero publicou o tratado “Da Autoridade Secular, até que ponto se lhe deve obediência”. Lá pelas tantas, o reformador alemão pergunta: “Queres saber por que Deus leva os príncipes temporais a errar tão horrivelmente? Pois eu lhe direi: Deus lhes perverteu os sentidos e quer exterminá-los como exterminou os aristocratas religiosos” (“Obras Selecionadas”, vol. 6, p. 100).

Em outro tratado — Uma singela forma de orar —, escrito 12 anos depois, no começo de 1535, Lutero afirma: “Quando irado, Deus retira sua mão e solta as rédeas a todos os excessos” (Idem, vol. 5, p. 145).

Ambos os textos se aproximam muito daquilo que Paulo escreve na Epístola aos Romanos: “Por isso [por terem trocado a glória do Deus imortal por imagens] Deus os “entregou” à impureza sexual, segundo os desejos pecaminosos do seu coração, para a degradação do seu corpo entre si” (Rm 1.24). Pouco na frente, o apóstolo continua: “Por causa disso [por terem trocado a verdade pela mentira e o Criador pelos seres criados] Deus os “entregou” a paixões vergonhosas [entre elas o lesbianismo e o homossexualismo]” (v.26). Pela terceira vez, o autor da Epístola insiste: “visto que desprezaram o conhecimento, ele os “entregou” a uma disposição mental reprovável, para praticarem o que não deviam” (v.28).

À vista desses dois discursos, tudo leva a crer que a atual explosão homossexual seja uma repetição daquela estratégia primitiva de Deus, usada algumas vezes na história de Israel: “Por isso [porque o meu povo não quis ouvir-me] os “entreguei” ao seu coração obstinado, para seguirem os seus próprios planos” (Sl 81.12).


Nota: Textos bíblicos retirados da Nova Versão Internacional.





Dívida assumida por volta do ano 1.800 antes de Cristo é paga no ano 2003 depois de CristoUma dívida de quase quatro milênios acaba de ser paga. Pouco depois da morte de José, o último dos patriarcas, lá pelo ano 1.805 antes de Cristo, o rei do Egito deu ordem às parteiras os hebreus que matassem, ao nascer, todos os bebês do sexo masculino. Embora fosse uma ordem de cima, as parteiras, movidas pelo temor do Senhor, preferiram sofrer qualquer castigo a cometer aquele crime (Êx 1.15-22).

Em setembro de 2003, um grupo de 27 pilotos da Força Aérea Israelense se recusou a atacar alvos civis em território palestino. Os nove pilotos ainda na ativa estão proibidos de voar e os dezoito restantes que eram da reserva dificilmente tornarão a voar, mesmo como civis.

As parteiras desobedeceram a ordens contrárias aos judeus partidas de uma autoridade gentia. Os pilotos desobedeceram a ordens contrárias aos gentios partidas de uma autoridade judia (Ariel Sharon).

Viva as parteiras do Egito! Viva Daniel! Viva Mahatma Gandhi (1869-1942)! Viva Martin Luther King (1929-1968)! Viva os pilotos de Israel!

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.