Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Capa

O mal de Asafe

Existe o mal de Alzheimer e o mal de Asafe. Este último ainda não está catalogado como doença, mas tem feito mais vítimas do que o terrível mal de Alzheimer. Enquanto a doença de Alzheimer corrói a mente, vai apagando todas as lembranças e transforma o corpo outrora vibrante num saco de carne e ossos, a doença de Asafe também corrói a mente, vai apagando todas as certezas e transforma a alma outrora vibrante num saco de dúvidas e revolta.

O mal de Alzheimer chama-se assim por causa do médico alemão Alois Alzheimer, que reconheceu e localizou a doença cem anos atrás (1906). O mal de Asafe chama-se assim por causa do seu mais famoso paciente, um tal de Asafe, ministro de música, cuja experiência está num dos cânticos do saltério hebraico. No salmo 73, ele mesmo se queixa da doença, dá o diagnóstico e descreve sua cura.



As vítimas do mal de Asafe são propensas à zombaria, à militância ateísta, à agressão, ao álcool, às drogas, à devassidão, ao suicídio. Não poucos personagens bíblicos padeceram desse grave distúrbio. Há muito mais pacientes da doença de Asafe do que da doença de Alzheimer. Nem todos alcançam a graça da cura, como aconteceu com o próprio Asafe. Um dos casos de “não-cura” mais chocantes é o de um canadense chamado Charles Templeton, curiosamente vítima de ambas as doenças, primeiro a de Asafe, depois a de Alzheimer. Esse senhor de oitenta e tantos anos (se é que ainda está vivo) mora em Toronto, no Canadá. Era um evangelista de mão cheia, amigo íntimo de Billy Graham, mas o mal de Asafe o tornou militante ateu. Templeton não soube entender a dor, não soube conciliar o sofrimento com a existência de Deus e acabou naufragando na fé. Basta ler o título de um de seus livros: Farewell to God: my reasons for rejecting the Christian faith (Adeus a Deus: minhas razões para rejeitar a fé cristã). É com a triste história de Templeton que o americano Lee Strobel, ex-jornalista do Chicago Tribune e ex-ateu, hoje pastor de uma igreja evangélica na Califórnia, começa o seu mais recente livro, Em Defesa da Fé, publicado no Brasil pela Editora Vida.

É preciso tomar mais cuidado com o mal de Asafe do que com o mal de Alzheimer, principalmente em tempos de guerra, por razões óbvias.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.