Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Seções — Abertura 1

O homem que não entendia nada de perdão

Os poderosos deste mundo ainda não sabem o que é perdão. Perdão não é só dispensar o pagamento de dívidas encurraladas, que jamais seriam pagas, como as dívidas externas dos países mais pobres do mundo, cuja renda per capita é inferior a 1 milhão de dólares. Esse perdão anunciado com euforia pelo presidente Bill Clinton no início de outubro “não resolve em nada a vida desses mais pobres nem significa dano financeiro algum aos ricos”, como explicou Dora Kramer. O verdadeiro perdão não é manobra política. O perdão só é virtude, só é beleza, só é prática cristã quando envolve compaixão frente ao devedor que não tem como pagar.

Os poderosos deste mundo precisam reler a parábola do devedor implacável, aquele homem que devia aos cofres públicos nada menos do que o equivalente a 174 toneladas de ouro e não tinha condições de pagar. As autoridades daquele país tiveram compaixão dele e simplesmente o perdoaram. No caminho entre o tribunal e sua casa, o ex-devedor encontrou-se casualmente com alguém que lhe devia o equivalente a 30 gramas de ouro. Então agarrou-o e o lançou na cadeia, não obstante o pedido de clemência que o pobre coitado lhe fez, não obstante a promessa de que lhe pagaria tudo dentro de certo tempo, não obstante o pequeno valor da dívida e não obstante o perdão que ele próprio tinha acabado de obter (Mt 18.23-35).

Não é possível ficar calado diante de tamanha injustiça, pois quem cala consente. É preciso “abrir o bué” e denunciar a trama, como fizeram os amigos do devedor injustiçado. Graças a essa providência, o rei voltou atrás, cancelou o perdão e entregou o homem que não entendia nada de perdão aos verdugos, “até que pagasse toda a dívida”.

Não é implicância política lembrar que os poderosos deste mundo têm uma grande dívida para com suas ex-colônias. Eles mataram os índios, escravizaram os negros, levaram para seus países as riquezas alheias, cometeram equívocos políticos cujas conseqüências são complexas e perduram até hoje, e humilharam os povos mais “atrasados”. Estes também cometeram muitos crimes contra seus próprios irmãos. Numa análise mais acurada, todos são grandes devedores. Todavia é bom decidir quem deve as 174 toneladas de ouro, quem deve os 30 gramas de ouro e quem deve os valores intermediários. Na verdade todos precisam de perdão, não do perdão orgulhoso, não do perdão chorado, não do perdão opressor.

O perdão começa primeiro nas relações individuais; só depois alcança as relações internacionais. Se ele não é praticado nem vinga numa esfera menor e menos complexa, como há de fluir numa esfera bem maior e mais complicada?

De uma coisa, porém, é necessário ter muita convicção: o perdão de Deus nos obriga a perdoar. É isso que afirmamos todas as vezes em que oramos o Pai Nosso: “Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores” (Mt 6.12). Jesus condicionou o perdão divino ao perdão humano: “Se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas” (Mt 6.14-15, NVI).

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.