Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Freud versus Deus -- Como a psiquiatria perdeu a alma e o cristianismo perdeu a cabeça

Freud versus Deus

Como a psiquiatria perdeu a alma e o cristianismo perdeu a cabeça

Dan G. Blazer

Páginas 288
ISBN 85-86539-48-1
Formato 14x21
Assunto Apologética, Liderança, Vida Cristã
Ano 2002
Editora Ultimato
Código 40.48
Preço
sugerido
56,60   (INDISPONÍVEL NO MOMENTO)
Avise-me Quando Estiver Disponível
R$ 56,60
 
No início do século 20, os teólogos cristãos e psiquiatras raramente falavam um com o outro sobre o sofrimento emocional.

Quando Freud trouxe a psiquiatria para fora dos asilos e a colocou na vida diária, os cristãos não puderam mais ignorá-la. O que se seguiu foram décadas de freqüentes hostilidades e raros debates construtivos entre teólogos e psiquiatras.

Em grande parte, o debate cessou. No entanto, para o psiquiatra (e cristão) Dan Blazer, ele terminou muito cedo e, de um modo geral, insatisfatório. Por sua parte, os cristãos têm estigmatizado e adotado alguns dos piores aspectos da psiquiatria e os psiquiatras deixaram-se mutilar da “alma” — questões profundas sobre significado e comunidade que animam toda vida genuinamente humana.

Freud versus Deus tem como objetivo reviver o debate, abalar a “comodidade” entre o cristianismo e a psiquiatria e, ao mesmo tempo, restaurar a “alma” à psiquiatria e a “cabeça” ao cristianismo. Uma leitura fundamental para todo psiquiatra, teólogo, pastor, clérigo, conselheiro e leigo interessado.

***

A aceitação sem questionamentos das práticas psicoterapêuticas diagnosticadas tanto por conselheiros religiosos quanto por psiquiatras e as causas históricas que levaram e ainda levam as pessoas a buscar esses profissionais com tanta freqüência em nossos dias, são os desafios propostos em Freud versus Deus.
 
Apresentação

Introdução: O cristão e a psiquiatria

1. Casos e questões

2. Conversação e debate

3. A psiquiatria perde a alma

4. O cristianismo perde a mente

5. Preenchendo o vazio

6. O cuidado de almas e mentes 

Estimulando o diálogo entre a psiquiatria e o cristianismo
Notas
Índice
Dan G. Blazer (M.D., Ph.D.) é decano da educação médica e professor de psiquiatria da Duke University School of Medicine. É autor de Freud Versus Deus e editor de dezenove livros, e co-autor de livros e artigos para revistas.
Psiquiatra reconhecido, Dan Blazer leva o leitor a uma emocionante jornada, explorando as tensões e conflitos aparentes entre sua profissão e muitos daqueles que abraçaram suas profundas convicções cristãs… Qualquer um, interessado em entender a mente, a alma e o relacionamento entre as duas não pode prescindir desse relato despretensioso, das tentativas do autor em integrar sua profissão à sua fé.
- Armand M. Nicholi Jr. — Professor Adjunto de Psiquiatria, Harvard Medical School, autor de Deus em Questão.

Realmente, não há nada parecido com este livro… O Dr. Blazer redefine muitas das questões que desafiam os trabalhos nas fronteiras entre o cristianismo e a psiquiatria. Intuitivamente, ele agita as águas do debate no momento em que estão em perigo de estagnação.
- Leight C. Bishop — The Menninger Clinic.

Nesta era do Prozac e dos projetistas de drogas sob encomenda, Dan Blazer levanta uma questão provocativa, mas largamente ignorada: “Como os cristãos evangélicos chegaram a uma coexistência cômoda com a psiquiatria moderna?” … Ninguém na psiquiatria americana ou nas lideranças evangélicas fala com maior credibilidade a esta questão do que o Dr. Dan Blazer.
- Roger Sider — Diretor Executivo, Family Institute, Pine Rest Christian Hospital.

Fui acordado por este livro — como quem é acordado repentinamente de um sono profundo… O Dr. Blazer, corajosamente reabriu uma conversação extremamente necessária.
- George W. Christison — Loma Linda University School of Medicine.


Este livro deveria ter uma tarja na capa: “Não apenas para cristãos!” Provocativo, pessoal e profundo, é uma obra rara — uma exploração cândida e sofisticada sobre as tensões entre fé e medicina apresentada por um ilustre médico e cientista… Um livro surpreendentemente útil.
- H. Keith H. Brodie — Presidente Emérito, Duke University.

O Dr. Dan Blazer está na vanguarda do treinamento profissional, da prática clínica e da pesquisa acadêmica na psiquiatria por mais de uma década… Creio que Freud vs. Deus se tornará um clássico na literatura acadêmica sobre a integração da fé cristã e da psicologia.
- Warren S. Brown — Professor de Psicologia, Fuller Theological Seminary.

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
#1

Jamil Dimas Lopes Ribeiro

São José Dos Campos - SP

Sugiro assistir o DVD Psicologia e a igreja da chamada da meia noite.

Postado em 23/12/2006 às 12:22:38
#2

Eduardo Vasconcellos

Maceio - AL

Com todo o respeito e sinceridade, não compartilho da idéia de que os líderes cristãos devam procurar em outras "ciências" respostas, técnicas ou diretrizes para realizar a tarefa de pastor e sacerdote. Creio que esse caminho rebaixa a presença do Espírito Santo e diminue a sua atuação num processo de aconselhamento. A Bíblia está repleta de passagens que sevem de referencial para os erros e os acertos dos líderes, sejam eles reis, profetas, sacerdotes ou autoridades seculares. É também um manual de relacionamento interpessoal riquíssimo cujas pérolas não devem ser desprezadas.

Postado em 25/04/2008 às 23:10:33
#3

Filipe Degani Carneiro

Mesquita - RJ

Acho que uma visão teológica que não considere o que a ciência tem a dizer, se torna uma teologia e um sacerdócio "sem pé [se chão] nem cabeça [nem razão]". Problemas emocionais não se resolve SOMENTE com leitura de Bíblia e oração. Existem princípios relacionais que Deus estabeleceu para nosso crescimento. Não dá pra desconsiderá-los em nome de um purismo ou um ascetismo ou um sentimento de querer desconsiderar a psicologia. Deve ser reconhecida sim, porém, é claro, não confundida com aquilo que é do campo próprio do exercício pastoral.

Postado em 15/12/2009 às 10:37:10
#4

Nadine

Joao Pessoa - PB

Acredito que tentar fazer com que um ramo da ciencia se aproxime com o ramo da fé divina, não é algo plausivel.

Querer comparar ciencia, um algo empirico; com a fé, algo imaginario, é um ato de imensa contradiçao nao só pelas diretrizes que ambas levam, mas tambem uma contradiçao interior deste ser.

Postado em 16/01/2010 às 16:06:05
#5

André Vadão

Sao Paulo - SP

Disse Jesus: amem a Deus c/ 100% do entendimento (além de 100% do coração, alma e forças). Ou seja, Jesus não nos chama à uma obediência cega, pois obedecemos por amor, e o amor em Jesus não é cego. O Mestre não via a fé como inimiga da razão. Deus nos deu a capacidade de pensar, um dom p/ se usar à serviço da fé. Mas muitos evangélicos desconhecem Cristo c/ seu preconceito às ciências humanas, confundindo ignorância c/ santidade. Incapazes de entender linguagens diferentes: ver Deus onde ñ se fala de Deus, ver a Palavra fora da escritura. Psicanálise diagnostica, mas a cura vem do evangelho.

Postado em 22/01/2010 às 13:07:17
#6

Eduardo

P - RN

Sugiro a leitura da resenha oferecida pelo AMAZON BOOKS do livro.

Postado em 23/11/2010 às 14:08:51
#7

Carlos

Jacutinga - MG

Sou psicologo. Sou cristão. adoro o Todo Poderoso Deus que na sua ininitude nos proveu do muitissimo. Crentes com tapa olhos sao um problema para Jesus. Sao irrasciveis, donos da verdade, etc. Em tudo considero este versiculo:João 10:10-a "O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir".Tudo o mais é obra de Deus.Medicina, psicologia é obra de Deus. Inclusive esta internet e este computador que estamos usando.A biblia nao trata de engenharia, quimica, etc mil, no entanto sao de Deus. E usamos com muito gosto o que a Ciencia nos provê. Carro, microondas, etc mil.

Postado em 27/08/2012 às 09:25:00
#8

Claudinei Barbosa De Souza

Poá - SP

É sempre bom lembrar, que em meio aos primeiros cristãos do primeiro século, existiu um que era médico (Lucas). Todo aquele que lida com pessoas, deve se dedicar ao estudo do comportamento humano, pois as suas crises emocionais, nem sempre são oriundos de sua espiritualidade e, sim de tantas outras variáveis que pode interferir na pessoa (cristão), até mesmo por consequência de sequelas no ser humano do conhecido pecado original. A medicina dos tempos dos apótolos até agora evoluiu e muito, se Paulo em sua época não dispensou a medicina de Lucas, será que ele dispensaria a psicologia de hoje, sendo um braço da psicolgia?

Postado em 14/09/2012 às 00:20:20