Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Ultimato na rua

Não tenho dúvidas: quem faz a Ultimato andar por ruas e rincões do Brasil são os seus leitores. São eles que, ao apropriarem-se do conteúdo escrito, dão "vida e pernas" às convicções da Ultimato. São eles também que fazem ressoar as vozes dos editores em cada contexto próprio, dando dimensões infinitamente maiores e novas a letras, parágrafos e imagens.

Neste fim de semana conheci dois deles: o pastor Gilson Ricardo e a professora Mana Lobão. Gilson é um paraense com cara de índio. Seu trabalho é evangelizar indígenas da tribo Kanela, em Barra do Corda (MA). Tem 33 anos, é pastor da AICEB (Aliança das Igrejas Cristãs Evangélicas do Brasil) e missionário da MEIB (Missão Evangélica aos Índios do Brasil). Gilson é assinante da revista Ultimato há nove anos. Apesar das dificuldades financeiras pelas quais um missionário geralmente passa, ele já doou assinaturas da revista e de livros da editora para várias pessoas. Gilson não cansa de dizer o quanto a Ultimato é importante para sua vocação. Ele gosta de mostrar fotos da esposa Iara e da pequena Dara, sua primeira filha. É daqueles caras que dificilmente não gostaríamos de conversar. Extremamente simpático, depois de alguns minutos você já estaria rindo de suas histórias.

Mana Lobão é mais séria, mas quando você gasta mais tempo conversando vai perceber também seu bom humor. Faz questão de revelar suas duas maiores paixões: ensinar e vender. Sem qualquer constrangimento, conta que, quando criança, fez uma barganha com uma amiguinha de 5 anos: em troca de um curativo na perna machucada, a amiga teria que lhe dar sua bonequinha de palha. Enquanto dá aulas no Seminário Cristão Evangélico do Norte (MA), Mana indica livros da Editora Ultimato e os vende aos alunos. Ela se orgulha ao dizer que tem contato com várias editoras evangélicas. Um dos seus sonhos é voltar a ter uma livraria. O mais interessante é que as palavras de Mana não são movidas pela ganância, e sim pelo prazer em vender, em possibilitar às pessoas a oportunidade de obter bens importantes.

Tanto o pastor Gilson quanto a Mana são leitores convictos da revista e dos livros da Ultimato. São formadores de opinião em seus contextos. São servos de Deus, ensinando o povo e revelando as Boas Novas do Evangelho a grupos distantes no interior do Brasil. São pessoas valiosas que merecem honra e reconhecimento pelo que são e pelo que fazem.

É muito bom saber que a Ultimato os acompanha pelas ruas e pelos rincões empoeirados do nosso país, e que eles dão cara e coração à editora enquanto semeiam a semente eterna.


Siga-nos no Twitter!
Jornalista, é editor de web da Editora Ultimato e escreve regularmente em seu blog pessoal Fatos e Correlatos. Colabora também na área de comunicação com a Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS). É um dos organizadores de Uma Criança os Guiará e do e-book Vocação e Juventude: a fascinante jornada entre o ser e o fazer.
  • Textos publicados: 36 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.