Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Sete lições que aprendi com a viúva empreendedora

Por Marília César

Reflexão sobre o texto bíblico que está em II Reis 4, no Antigo Testamento:

... “O que você tem em casa?
Nada! Apenas um pouco de azeite”.

... “Não temos mais nenhuma vasilha.
Então, o azeite cessou”.


O texto conta a história de uma viúva que recorre a um homem de Deus, em busca de ajuda. Seu marido, que acabara de morrer, era discípulo do profeta, era um homem justo e digno. Mas deixara a mulher endividada. E o credor, por direito legal, queria levar seus filhos para serem vendidos como escravos, a fim de quitar a dívida. Sua situação era desesperadora.

Primeira lição: homens que temem a Deus também fazem bobagem. Eles também contraem dívidas e muitas vezes podem colocar a família em situação crítica.

Segunda: a mulher sábia não se aconselha com qualquer um quando enfrenta um problema. Ela busca conselho com pessoas reconhecidas por sua idoneidade, trabalho honesto e por sua sabedoria. Como era o caso de Eliseu.

O profeta a orienta: peça muitas vasilhas emprestadas para seus vizinhos, vá para casa, feche a porta, você e seus filhos, e comece a encher, uma a uma, as vasilhas com azeite, a partir do único frasco que você tem. Ela o obedece.

Por que o profeta manda que ela feche a porta da casa antes de começar a presenciar o milagre? Por que Jesus diz para que fechemos a porta quando entrarmos para buscar a Deus, em nosso quarto?

Terceiro ponto: fechar a porta é um símbolo de isolamento, mas também de proteção. O que vai acontecer ali dentro pertence ao Senhor e a mim, e a ninguém mais. Fechar a porta me dá liberdade para me despir, pois a mais ninguém é permitido acesso aos meus segredos, a minha intimidade, apenas ao Senhor.

Fechar a porta me ajuda a me concentrar, e me guarda de interferências indevidas. Se o profeta vivesse hoje, talvez acrescentasse... e desligue o celular!

O profeta sabe que a hora é sagrada, o momento em que Deus irá se revelar. Isso requer atenção e reverência.

Porta fechada, o milagre da multiplicação do azeite vai começar. Uma a uma, as vasilhas são cheias de óleo, como se repetiria alguns séculos mais adiante, com Jesus, na experiência da multiplicação dos pães e peixes. Os discípulos iam partindo e repartindo, e o pão não acabava.

Ouvi uma vez uma pessoa explicando, de forma racional: o milagre se deu porque os que tinham pães, na multidão, ofereceram o que tinham, e o que foi obtido com essas ofertas foi suficiente para suprir a todos e ainda sobrar.

Quem sabe os que emprestaram vasilhas para a viúva necessitada as entregaram já com algum azeite dentro, e esse ato de generosidade foi o solo do qual brotou o milagre.
(Talvez essas alternativas acalmem os mais céticos.)

Mas chega uma hora em que acabam as vasilhas e o milagre cessa.

Ela, então, volta ao profeta, que vira como que um consultor de negócios: agora venda o óleo e pague sua dívida. Ainda vai sobrar dinheiro. Use para o seu sustento e de seus filhos. Ela, mais uma vez, o obedece.

Quarta lição: a multiplicação depende de uma matriz geradora e de uma oferta. O milagre nunca parte do zero, ele demanda uma unidade - um pão, um peixe, um frasco de azeite.

A unidade que gera o milagre sempre se origina em nós, e não em Deus. Deus usa nossos recursos concretos como alicerce de sua obra – ele usa o que temos, não o que gostaríamos de ter. A mulher vulnerável tinha um frasco de azeite. É isso o que ela oferece.

Quinta lição: o milagre fica limitado ao alcance de nossa fé, que pode ser medida pelo número de vasilhas que estamos dispostos a coletar. Mais vasilhas, mais milagre. Terminam os recipientes, o milagre cessa.

Quantas vasilhas você teria pedido? Cinco? Dez? Quarenta vasilhas? Pedir emprestado dá trabalho, você precisa percorrer toda a vizinhança, talvez cada casa lhe ofereça uma vasilha, ou nenhuma, é preciso gastar sola de sapato e ter uma boa dose de humildade.
Mas tudo começa mesmo com a oferta a Deus do único e essencial recurso de que ela dispunha: seu frasco de azeite.

O azeite era essencial para cozinhar o pão, o elemento da vida. O azeite também era essencial para ungir as pessoas, elemento essencial da vida espiritual. O azeite é o símbolo de ambos, vida física e espiritual, e do Espírito Santo, elemento essencial da vida em plenitude.

Sexta lição: seja empreendedora. Venda o azeite.

Ainda havia um movimento a fazer: tornar-se uma comerciante. O milagre nos tira do trivial e nos empurra para o novo. A viúva não era uma vendedora, mas se tornaria uma. Sua ação obediente salva sua família da escravidão. Para proteger seus filhos, uma mulher vulnerável e só arregaça as mangas e se torna, em tempo recorde, uma empresária do ramo dos óleos essenciais.

Sétima e última lição
: se estou diante da dívida, que é um tipo de escravidão, entrego a Deus meu único recurso hoje, meu pote de azeite. Peço sabedoria e disciplina, como a desta viúva empreendedora, para direcionar o resultado dessa entrega, que certamente será um azeite abençoado e multiplicado.

Tudo o que entrego no altar de Deus, com um coração humilde, estou certa, pela fé, que será multiplicado e usado para o meu bem e de meus filhos, para que nunca tenhamos de ser escravos de nada.

• Marilia de Camargo Cesar
é jornalista e escritora. Trabalha no Valor Econômico como editora-assistente.


QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.