Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Protestos sem utopia

Penso que as “manifestações” ocorridas no cenário político brasileiro recente sejam, na verdade, nada mais do que “protestos”. A manifestação, como o próprio termo diz, é a revelação de algo que estava inacessível à percepção. Por exemplo, o homem manifestou (ou revelou) sua paixão por uma determinada mulher. Ou seja, trata-se de algo teórico, subjetivo, imaginativo (vamos chamar de utópico), que é posto a descoberto, tornando-se concreto, “encarnado”.

Baseio esta minha reflexão no trecho de um livro1 que estou lendo. O referido trecho, que transcrevo a seguir, é uma citação das palavras de Alexandre Franco de Sá:

Ao homem de hoje, ao “senhor do ente” [Heidegger], capaz de realizar a utopia, já nem sequer uma “impostura utópica” pode entusiasmar. E é este fim da utopia política que assinala o fenômeno mais fundamental para a caracterização da situação política hodierna: num mundo totalmente mobilizado, a total incapacidade de mobilização (2004, p. 78).

Na verdade, a esperança utópica que se tinha, continua o autor, foi canalizada para longe da política e para perto da ciência e tecnologia. Eu diria que, no caso do Brasil, também para a economia. A ideia é que, se a tecnologia for devidamente estimulada e a economia estiver bem, os brasileiros estarão bem (ilusão essa que, aliás, não é oriunda daqui, mas “copiada” de outros países, particularmente, dos Estados Unidos).

O livro todo fala da importância da utopia, ou seja, do vislumbre de um não-lugar, para além do aqui e agora, para se configurar, planejar e, pasmem, também para pôr em prática a educação (tema que é recorrente em minhas palestras Brasil afora e que não tenho como aprofundar aqui).

O que importa frisar é que, na falta de desenvolvimento da habilidade natural do ser humano de sonhar, projetar e imaginar a realidade, em um sentido transformador, a humanidade apela para o que em alemão se denomina “Ersatz”, ou seja, substitutos, que passam a fazer o papel abandonado do utopismo, a partir de bases materialistas. E um desses substitutos é a tecnologia, que passa a “modelar” o futuro e concretizar os ideais humanos; e outro, muito relacionado a esse é a economia, que passa a ser o “termômetro” do bem-estar e, portanto, pensa-se, da felicidade humana na terra.

No entanto, um elemento vive se metendo nesses prognósticos da sociedade ideal que “ainda não” se instalou, mas que há de se instalar:

... se tal partido ganhar as eleições;
... se, portanto, tal promessa partidária for cumprida;
... se não restar mais nenhum analfabeto no Brasil;
... quando alcançarmos o pré-sal;
... quando o Brasil se desenvolver economicamente;
etc, etc.

Tal elemento perturbador é a “corrupção humana”, velha conhecida dos brasileiros. Então, o que podemos fazer na falta de verdadeiras utopias e projetos para o Brasil (não estou falando de elucubrações teóricas sobre os vários aspectos dos problemas brasileiros que temos de sobra)? Resta-nos o protesto cego e extremamente vulnerável a se tornar em violência pura. Contra o quê? Tantas coisas que perdemos a conta e o foco.

Mas no lugar dessas coisas (palavra usada no mesmo sentido de acima?), a favor de quê estamos mesmo nos manifestando? O que caracteriza a nossa utopia positiva? Não se sabe: é uma incógnita.

Então, o que quero dizer? Que já basta de protesto: ele já fez barulho suficiente. Agora, alcançado o ponto de saturação, virou moda e ameaça banalizar-se. Protesta-se contra tudo e contra todos. O que se espera como resposta? Poucos parecem saber ou sequer parar para ouvir alguma resposta (se é que alguma está sendo dada).

Precisamos urgentemente de utopias, de sonhos de futuro, tais que comecem já. Para mim, o Brasil parece um adolescente, que é naturalmente “do contra”, na fase de escolha da carreira que irá seguir. E para isso, é preciso que ele descubra, qual a sua vocação nas diversas instâncias da sociedade. Qual é a vocação do Brasil? Qual a visão concreta para ela? Eis a pergunta que, penso, deve ser a próxima a ser colocada, a menos que queiramos sucumbir no caos político e social.

Nota
1. Trata-se de “Figuras do Imaginário Educacional para um Novo Espírito Pedagógico” (Lisboa: Instituto Piaget, 2004), dos autores portugueses Alberto Filipe Araújo e Joaquim Machado Araújo, que me foi recomendado por um amigo querido.

Leia mais
A esperança cristã deve ocupar o lugar das utopias (revista Ultimato 313)  
O verbo “corromper” nas Escrituras Sagradas  
Cosmovisão cristã e transformação social: espiritualidade, razão e ordem social  

Legenda:
Marcas de vandalismo cometidos por grupos radicais em protestos no Rio de Janeiro em junho deste ano. Foto: Tânia Rêgo/ABr
É mestre e doutora em educação (USP) e doutora em estudos da tradução (UFSC). É autora de O Senhor dos Anéis: da fantasia à ética e tradutora de Um Ano com C.S. Lewis e Deus em Questão. Costuma se identificar como missionária no mundo acadêmico. É criadora e editora do site www.cslewis.com.br
  • Textos publicados: 64 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.