Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

O que muda quando a gente vira mãe?

Por Liz Valente

Tenho acolhido o fato de que me foi concedida a experiência materna. Essa concessão partiu de mãos divinas e passou por mãos médicas e caiu nos meus braços como quem abraça um travesseiro de estimação. Eu não sei ainda compreender toda a profundidade desse fato, mas já entendi que ser mãe é uma coisa que se instalou na minha identidade. Quem é você? Sou...

Acompanhe meu raciocínio, quando tirei carteira de motorista obtive um certificado. Eu então pude dirigir perante a lei. Nada mais. Quem sou eu? Nem toco no assunto de dirigir ou não... Quando graduei em arquitetura foi uma etapa concluída, um valor agregado ao meu arsenal de habilitações. Mestrado, idem. E assim, títulos parecem estar num nível distante da profundidade que é uma identidade. Maternidade não. Nove meses; zero preparo; não tive que passar testes ou provas, apenas esperei e acompanhei a transformação um tanto alienígena do meu corpo sendo invadido por outro serzinho que além de sugar meu oxigênio nasceu com uma caneta permanente na mão e escreveu na minha testa “mãe”.

Quando faço o caminho inverso e concluo que jamais não serei mãe, encolho.

Quem sou eu?

A espiritualidade cristã, a qual me embrulha, também fala de identidade, e, para o meu espanto, ela começa com um nascimento. “Filha”. Deus, em sua eterna bondade, permite-nos renascer para que tenhamos uma marca permanente, ‘nascidos’. O nascimento é o momento em que passamos a ser o que não éramos. Uma semente germinando e rompendo chão. A partir dele somos costurados à trindade com um laço familiar e irreversível. A partir de então “quem sou?” muda.

Assim como após o nascimento espiritual, onde eu sou a filha, após o nascimento físico, onde eu sou a mãe, há um caminho a percorrer. Algumas coisas acontecem sem muito esforço outras exigem toda a minha concentração. Como filha de Deus preciso aprender a reconhecer a sua voz dentre todas as vozes; como mãe, preciso reconhecer o chorinho deles dentre todos os choros. Como filha, preciso me satisfazer no seu compasso, me abrigar nos seus conselhos. Como mãe, preciso me contentar em minhas limitações, e fornecer o abrigo necessário. Em ambos os casos é uma estrada sem retorno.

Fico me perguntando afinal o que mudou em mim depois que virei mãe? Aí me pego falando superficialidades. A verdade é que mudou tudo, mas sem fazer um furacão. Tipo quando você põe uma pitada de canela no molho sugo. Sem mais nem menos ganhei três letras m-ã-e. Uma concessão literária, filosófica e existencial. Uma janela que se abriu para um jardim interno e espaçoso que eu nem sabia estava lá. Ouso dizer que a própria felicidade me deu um dos seus sorrisos amigo. Estou aqui agradecida, sorrindo de volta.

• Liz Valente é mãe de João e Davi

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.