Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

O futuro era melhor antigamente

Hoje é o Dia do Livro. E, não sem alguma ironia, lembro-me do ‘Túmulo ao Soldado Desconhecido’. Ironia que nada tem a ver com a honra devida aos anônimos que caíram em guerras mundo afora, os quais no Brasil têm seu reconhecimento no Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, no Rio de Janeiro.

O livro, qualquer livro, publica-se. Não é anônimo nem muito menos desconhecido. Mas todos os dias são construídos novos “túmulos” em sua homenagem. Por isso, uso emprestado no título desta pequena ode ao livro a frase do humorista búlgaro Karl Valentin. Faço apenas um acréscimo: O futuro [do livro] era melhor antigamente.

Poupo o leitor das bobagens que se dizem do ‘futuro’ do livro. Aliás, “tudo já foi dito; mas não por todo mundo”. Devo também a Valentin esse achado e, por isso, arrisco-me em algumas ilações. Espanta-me o ambiente escatológico dos pregoeiros das novas tecnologias. Peço perdão aos mais delicados, mas não resisto: já se passaram mais de três dias da morte de Steve Jobs...

Aviso aos apressados: adoro a tecnologia. Da penicilina aos tablets, embora não tenha qualquer acessório – cuja definição é “aquilo que não é fundamental” – que comece com a letra “i”. Mas, confesso, gostaria de tê-los. Bem, isso pouco importa e volto ao que nos interessa hoje: o valor, a dignidade do livro. Um livro, qualquer livro, não tem data de validade e a tecnologia é apenas um detalhe. O que de fato importa para o [futuro do] livro é o poder econômico, o monopólio, a possibilidade de privatização dos seus benefícios [públicos]. Não há almoço grátis.

Silêncio. Queremos celebrar vida longa ao livro. Salomão não entendia de plataforma ou suportes e ainda assim cravou: “Não há limite para fazer livros” (Ec 12.12). E por falar em suporte, nos últimos trinta anos consulto um mesmo livro (impresso), de um conhecido pensador protestante, para novas anotações ou citações caseiras. Como editor, não faço as contas de quantas vezes perdemos arquivos de livros inteiros e seus suportes ‘duráveis’.

Se você lê, bem-vindo ao futuro [do livro].
É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 173 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.