Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Nem só de pão, muito menos de circo

A questão não é panem et circenses ("pão e jogos de circo"), as únicas coisas que interessavam ao povo romano na época de Juvenal (século 2º depois de Cristo). 

Pão para comer e circo para distrair são coisas associadas. Já PAN e TAM são coisas assustadoramente opostas. PAN diz respeito aos Jogos Pan-americanos, este ano realizados no Rio de Janeiro, e TAM diz respeito ao maior acidente aéreo acontecido no Brasil. Se no Rio tivemos muita festa, em São Paulo, a 429 quilômetros de distância, tivemos muito choro. Na primeira cidade, lidamos com a vida em toda a sua beleza; na segunda, lidamos com a morte em toda a sua feiúra. No Rio de Janeiro, um pai contemplava a fotografia de um atleta de costas, em pé, com os braços levantados, mostrando a perfeição do corpo humano. Era o nadador brasileiro Kaio Márcio, depois de ganhar mais uma medalha de ouro. Em São Paulo, um pai chorava a filha morta no acidente da TAM: "A linda pessoa que era, cheia de vida e projetos, devolveram-me sob a forma de um pedaço de carvão". Mariana Suzuki Sell, advogada, especialista em direito ambiental, voltava de um encontro com uma ONG internacional realizada em Porto Alegre. 

A TAM ofuscou o PAN. A morte sempre ofusca a vida, a dor sempre ofusca a alegria, o campo santo sempre ofusca o campo de futebol. Na semana dos jogos e do acidente, a Folha de São Paulo recebeu mais mensagens sobre a tragédia de Congonhas do que sobre a euforia da Vila Olímpica. 

Nem sempre enxergamos a morte. Buscamos refúgio nos panem et circenses. Embromamo-nos a nós mesmos para não ver a cara da morte. Mas ela não se esconde: só no trânsito morrem 35 mil pessoas por ano no Brasil, isto é, 194 vezes o número de vítimas do Airbus da TAM. 

Para enfrentar a tentação do ceticismo, da desesperança e do nervosismo, é preciso lembrar que depois da demorada travessia do deserto os filhos de Israel enxergaram Canaã e dela tomaram posse. É preciso lembrar que depois da ensangüentada cruz os discípulos encontraram o túmulo de Jesus vazio. É preciso lembrar que "o que sofremos durante a nossa vida não pode ser comparado, de modo nenhum, com a glória que nos será revelada no futuro" (Rm 8.18, Nova Tradução na Linguagem de Hoje). É preciso lembrar que "olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam" (1 Co 2.9).
Diretor-fundador da Editora Ultimato e redator da revista Ultimato, Elben César é autor de, entre outros, Mochila nas Costas e Diário na Mão, Para Melhor Enfrentar o SofrimentoConversas com Lutero, Refeições Diárias com os Profetas Menores, A Pessoa Mais Importante do Mundo, História da Evangelização do Brasil e Práticas Devocionais. Ex-presidente da Associação de Missões do Terceiro Mundo e fundador do Centro Evangélico de Missões, do qual é presidente de honra, é também jornalista e pastor emérito da Igreja Presbiteriana de Viçosa.
  • Textos publicados: 103 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.